Archive for the 'Música|Music' Category

05
Out
09

Last post here | Último post aqui

I won’t be writing in this blog anymore.Please check my new project. Thank you.

_______

Não vou escrever mais aqui. Por favor visitem o meu novo blog. Obrigado.

Why | Porquê

NEW LINK | NOVO LINK - http://blog.alexgamela.com

Get the new feeds | Aqui estão os novos feeds

Subscrevam por Email | Subscribe by Email

Subscrevam o feed | Subscribe the feed (via FeedBurner)

Normal feed- http://www.alexgamela.com/blog/feed/

Add now to Google Reader | Adicionem ao Google Reader

550x80

03
Fev
09

Top5: Most annoying discussions | Discussões mais irritantes

Bloggers vs Journalists | Bloggers vs Jornalistas

Hemingway blogging | Hemingway a blogar (Kurt Hutton/Getty Images)

Hemingway blogging | Hemingway a blogar (Kurt Hutton/Getty Images)

In this second post about the most annoying discussions on new media debate, i’ll be adressing the oldest one: bloggers vs journalists, or, Spy vs Spy. This is also a prelude for tomorrow’s post, but you’ll have to wait to know what it is about.

Bloggers vs Journalists

The real issue: why are all these people in their pyjamas beating journalists in heir own playground? Easy to answer: because it’s more comfy! And because anyone can publish content and have as much or more audience for it than traditional media, for some years now. Bloggers blog because they want to, and are not tied to a strict newsroom structure (it’s more fun than a job- not really, no), nor suffer the pressures of an editorial line besides their own personal views. Because people got tired of reading the same news everywhere and now and then someone had a new perspective and fresh details. They even had some of the major news stories in the last years!

Journalists felt their position as town criers was at stake and said blogs weren’t journalism. Yes, for once they got  one right. It’s not, it’s a content management platform. Nobody cares when a newspaper shaped propaganda is shoved down our mail box, we know that, though it looks like a newspaper, it’s not a newspaper. So why the big fuss? Anyone could beat journalists at their own game and they started kicking and squealing. They didn’t even noticed that some of their new competition were people with better expertise and connections than them. Heck, some bloggers were journalists! They were just using their own publishing platform, instead of working for one.

There were issues like author anonimity, that sometimes was (is) necessary, because telling the truth can be a dangerous game, but it also can be  a cloak for ill intentioned people.  Or copyright and plagiarism. Or the futility and lack of quality of most of the content.

Fortunately, this debate has faded out almost completely. Bloggers have their space in the media and journalists blog. The debate lately turned into how to define rules and ethical guidelines for bloggers, and which and how some can have access to events just like journalists do. Like in journalism, there are lies and rumours and false information. But that is both bad journalism and bad blogging.

Media and bloggers turn to each other for information, and blogs helped to shape the link economy, and thus set a new model for online media based on sharing, commenting, referring outside, competing sources. Some of the most successful new media news ventures started as blogs, and they’re making money while traditional media faces the biggest crisis ever.  This must mean that they’re doing it right.

Blogs helped  (forced) journalism to take a decisive step into the future.  So stop whining and thank them for it.

Neste segundo post sobre as discussões mais iritantes no debate sobre os novos media, vou falar do mais antigo: bloggers vs jornalistas, ou Spy vs Spy. Isto também é um prelúdio para o post de amanhã, mas vão ter que esperar para saber sobre o que é.

Bloggers vs Journalists

A verdadeira discussão: porque é que estão estas pessoas todas de pijama a bater os jornalistas no seu próprio jogo? Fácil: porque é mais confortável! E porque qualquer um pode publicar conteúdos e ter tanto ou mais público do que os media tradicionais, há já uns anos. Os bloggers blogam porque querem fazê-lo, e não estão presos a um estrutura rígida de uma redacção (é mais divertido que ter um emprego – não é nada), nem sofrer as pressões de uma linha editorial para além da sua visão pessoal. Porque as pessoas ficaram cansadas de ler a mesma notícia em todo o lado e de vez em quando alguém tinha uma nova perspectiva ou pormenores frescos. Tiveram até alguns dos maiores furos dos últimos anos!

Os jornalistas sentiram  a sua posição  como pregoeiros ameaçada e disseram que os blogs não eram jornalismo. E dessa vez lá acertaram uma. Não são, são só uma plataforma de gestão de conteúdos. Ninguém liga quando nos enfiam uma publicidade em forma de jornal na caixa do correio, nós sabemos que apesar de se parecer com um jornal, não é um jornal. Então para quê tanta confusão? Qualquer um agora podia bater os jornalistas no seu próprio jogo e eles começaram a espernear. Nem repararam que alguns dos seus novos competidores eram pessoas com mais conhecimentos e ligações que eles. Raios, alguns bloggers eram jornalistas! Estavam só usar uma plataforma de publicação própria em vez de trabalhar para uma.

Houve discussões sobre o anonimato dos autores, que por vezes era (é) necessário, porque contar a verdade pode ser um jogo perigoso, mas também pode ser um manto protector para gente mal intencionada. E sobre direitos de autor e plágio. Ou sobre a futilidade e a falta de qualidade da maioria dos conteúdos.

Felizmente este debate esmoreceu quase por completo. Os bloggers têm agora o seu espaço nos media e os jornalistas blogam. O debate incide agora sobre as regras e as linhas éticas que devem seguir, e a quais e como é que devem aceder a eventos, como os jornalistas podem. Como no jornalismo, há mentiras, rumores e informações falsas. Mas em ambos os casos é mau jornalismo e mau blogging.

Os media e os bloggers viram-se uns para os outros em busca de informação, e os blogs ajudaram a moldar a economia de links, estabelecendo assim um novo modelo para os  novos media assente na partilha, comentário, referências externas para fontes da concorrência. Algumas das iniciativas em novos media de maior sucesso começaram como blogs e fazem dinheiro enquanto os media tradicionais enfrentam a sua maior crise de sempre. Isto significa que alguma coisa devem estar a fazer bem.

Os blogs ajudaram (forçaram) o jornalismo a dar um passo decisivo para o futuro. Por isso parem de se queixar e agradeçam-lhes por isso.

Other related posts | Outros posts relacionados

Bloggers e a grande baleia branca dos direitos dos jornalistas | Bloggers and the great white whale of journalist’s rights

Os blogs sob fogo | Blogs under fire

READ ALSO ABOUT THE OTHERS | LEIAM TAMBÉM SOBRE AS OUTRAS

The Death of Newspapers | A morte dos Jornais

Citizen Journalism | Jornalismo do Cidadão

Death of the blogosphere | Morte da Blogosfera

Continue reading ‘Top5: Most annoying discussions | Discussões mais irritantes’

24
Set
08

Os blogs sob fogo | Blogs under fire

http://passionweiss.com/wp-content/uploads/2008/03/blogger-gang-hand-signs-small.png

Amanhã é discutida no Parlamento Europeu uma proposta que pretende clarificar o “estatuto jurídico das diferentes categorias de autores e editores de blogues, um meio de expressão cada vez mais comum na Internet.

Porquê? “…o seu estatuto jurídico, não está definido nem é indicado aos leitores, o que causa incertezas em relação à imparcialidade, fiabilidade, protecção das fontes, aplicabilidade dos códigos deontológicos e atribuição de responsabilidades em caso de acção judicial.” Ah! Porque os autores dos blogs são pessoas irresponsáveis, e na maior parte dos casos não dizem nada de jeito. Se fosse só nos blogs…

Já hoje no Guardian, Marcel Berlins queixava-se dos problemas que o anonimato na net traz a quem quer fazer um trabalho responsável, e mostra a cara. Aliás, tem sido muito discutida a forma como os jornais moderam os comentários aos seu artigos. Mas , e quando o anonimato é necessário para a protecção  de pessoas que denunciam casos de interesse público?

Do Brasil vem a notícia que o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul defende que “blogs informativos têm de ser assinados por jornalistas.” Ora isto porque os jornalistas são mais responsáveis e têm estatuto jurídico, talvez. Nunca se ouviu falar de jornalistas que veicularam notícias falsas e que escaparam impunes.

Jeff Jarvis suspira porque os tiques dos velhos media levam muita gente a queixar-se da falta de qualidade dos blogs, e da falta de ética dos bloggers.  A resposta virá na coluna que ele escreve no Guardian esta semana. E vai ser boa.

Entretanto, aqui fica a minha: meus senhores e senhoras, deixem-se de tretas. O anonimato é uma arma perigosa,é sim senhor, mas também devia ser uma forma de descredibilizar alguns personagens.E não conheço um único jornalista que não tenha trabalhado a partir de uma fonte anónima. Depois, os jornalistas não são obrigatoriamente mais capazes que outros cidadãos para criar conteúdos jornalísticos. O que não falta por aí são jornalistas incompetentes que seguem agendas pessoais, corporativas ou políticas que nada dignificam a profissão.

E quantos jornalistas são antes outra coisa qualquer? Digam-me a percentagem de jornalistas portugueses com Carteira Profissional com um curso ou formação em Jornalismo, a experiência é importante, mas quando é que passaram do que eram antes a jornalistas? Todos os produtores de conteúdos informativos deviam estar abrangidos pela mesma cartilha  e sem ser necessário estarem encartados, porque muitos que ganham a vida como jornalistas não o estão, e não são piores profissionais. Antes de mais existe responsabilidade civil e depois a profissional.

E quanto à criação independente de conteúdos criada por cidadãos, bem ela está aqui e não vai acabar enquanto houver meios para isso. Habituem-se, e esforcem-se por fazer melhor.

Tomorrow the European Parliament will debate a proposal that intends to clarify “their legal status, and to create legal safeguards for use in the event of lawsuits as well as to establish a right to reply.” And why?

“…their legal status is not defined and it’s not clear for their reader, which causes uncertainties regarding impartiality, liability, source protection, applicability of the  deonthological codes and the attribution of responsabilities in cases of legal actions.” Oh! Because blog authors are irresposible people, and most of times don’t say anything good. Were it only in blogs…

Today in The Guardian Marcel Berlin complained about all the troubles that net anonimity brings to those who want to do a responsible job while showing their faces. In fact, there has been a lot of discussion on how newspapers moderate the comments to their articles. But, what happens when anonimity is necessary to protect those who expose situtions of public interest?

From Brazil arrives the story of the president of a journalists union defending that “news blogs must be of the responsibility of journalists”. Yes, because journalists are far more responsible and have lega status , maybe. We never heard of journalists that published fake stories and got away with it, have we?

Jeff Jarvis sighs because the old media habits have led many to complain about the low quality of blogs, and blogger’s lack of ethics. The answer will come in the weekly column he writes  for the Guardian. And i bet it will be good.

Meanwhile, here’s my very own answer: ladies and gentleman, cut the crap. Anonimity is a dangerous weapon, no doubt about it, but it should also be a way to deny credit to  some characters. And i don’t know a single journalist who has based a news story  from an anonymous tip or source. And journalists aren’t compulsorily  more able than other citizens to create journalistic contents. We have our share of incompetent journalists following personal, corporate or political agendas, that make this job look real ugly from society’s point of view.

And how many journalists are something else first? Tell me, how many portuguese journalists with the Professional Card have a degree or a course in Journalism, experience is of utmost importance, when did they stopped being something else to reborn as journalists? All news content generators should be under the same rules, without the need of any kind of certification, because there are many who have been making their lives as good journalists that don’t have it, and they aren’t worse than the others. Before there must be something called civil responsability, and only afterwards the professional responsability.

And what about the independent user generated content, well, it’s here to stay, and it won’t disappear while there are the means to do it. So, suck it up, and try to do better.

Links

Amanhã é um dia importante para a Blogosfera

The web encourages lies and deceit. It’s impossible to know who lurks behind a funny nickname

blogs informativos têm de ser assinados por jornalistas, diz sindicato

Sigh

Continue reading ‘Os blogs sob fogo | Blogs under fire’

16
Jun
08

Esbjörn Svensson 1964/2008

Serenade for the Renegade

Outro de um dos meus músicos favoritos morreu. Esbjorn Svensson, um dos pianistas mais interessantes dos nossos tempos na forma como absorvia várias influências e as incorporava no seu jazz – assim como o Brad Mehldau – faleceu na sequência de um acidente de mergulho.

Há uns anos atrás tive a sorte de o ver inesperadamente e de borla num concerto na Casa da Música no Porto, e ficou como uma das situações musicais mais felizes que experienciei. Se nunca o ouviram, comecem agora.

Another of my favorite musicians has died. Esbjorn Svensson, one of the most interesting pianists of our times in the way he absorbed several influences and how he embedded them in his jazz- just like Brad Mehldau does – passed away this weekend following a diving accident.

A couple of years ago i had the fortune to see him live, unexpectedly and for free at the Music House in Porto, and that remained as one of most rewarding musical situations that i’ve ever experienced. If you never listened, start now.

O músico de Jazz sueco Esbjörn Svensson morreu este fim-de-semana quando fazia mergulho de profundidade no arquipélago de Estocolmo, anunciou hoje o seu agente.

Segundo os media suecos, Svensson mergulhava no Báltico com um grupo, acompanhado por um instrutor, quando desapareceu repentinamente. Foi encontrado gravemente ferido e transportado por helicóptero para o hospital mas não pôde ser salvo.

Esbjörn Svensson, que tocava um público bem mais vasto do que o dos amantes de Jazz, era a “figura mais importante do Jazz desta década”, sublinhou Burkhard Hopper, agente do Esbjörn Svensson Trio (E.S.T.), a partir de Munique, que compara a sua influência à de Miles Davis.

Público, 16.06.2008

Continue reading ‘Esbjörn Svensson 1964/2008′

23
Abr
08

Facebook X 3

Chat on facebook about how to drive traffic from it, while loathing the whole damn thing

Três posts sobre o Facebook amassados num só.

Este video genial acima explica bem o exagero que o Facebook se pode tornar se não tomarmos cuidado. Eu subscrevo mas não me desinscrevo. Dica do Reportr.net.

A última novidade é o chat do Facebook que vai passar a estar a funcionar a partir da página (via PontoMedia).

E finalmente, um post muito útil para quem quiser criar tráfego a partir do Facebook, ao mesmo tempo que dá indicações práticas para se usar o potencial desta comunidade online, escrito por Shawn Smith.

Three posts on Facbook mashed into one.

This awesome video above explains perfectly well the exagerated proportions that Facebook can take if we don’t take care. I sign below, but don’t sign off. Tip from Reportr.net.

The latest app on Facebook is a chat that will be embedded on the page (via PontoMedia).

And finally, a rather useful post to whoever wants to generate traffic from Facebook, that also gives practical pointer to take the most out of the potential of this inline community, written by Shawn Smith.

Are you getting bored of Facebook?

Facebook Chat Now Works For Everyone

The Secret to Increasing Traffic from Facebook without Building Applications

“I’m getting bored of Facebook, la-la-la la-la-la-laaaaa…”

Continue reading ‘Facebook X 3′

04
Mar
08

NIN à Borla (ou muito barato) | NIN for Free (or for almost nothing)

 

ghosts_468x60_1.jpg

O novo trabalho dos Nine Inch Nails – e o primeiro a ser editado depois de terem saído da editora- já está disponível. Como os Radiohead, Trent Reznor decidiu editar por conta própria na net, disponibilizando 9 das 36 faixas deste álbum instrumental gratuitamente no seu site e vendendo as restantes por quase nada. Mesmo assim há quem não queira pagar…

Nine Inch Nails latest work – the first being edited after leaving their record label – is already available. Like the Radiohead, Trent reznor decided to release the record on the net on his own, making available 9 of the 36 tracks of this instrumental album, for free, and selling the rest for almost nothing. Still there are some who are not buying…

Site do disco | Record Site

When the music costs nothing, why do freetards prefer to leech?

Continue reading ‘NIN à Borla (ou muito barato) | NIN for Free (or for almost nothing)’

25
Fev
08

Código Desconhecido Open Source : The Boy with a Broken Leg | Code Unknown Podcast

foot065_front.jpg
Listen to the English version

O Código volta em edição Open Source. Desta vez vamos conhecer um projecto que nasceu de um acidente, mas que ganhou autonomia e uma edição através de uma net label japonesa: The boy with a broken leg.

Músicas neste programa:
Special place
Know you better
Tunturia
Dead end


do álbum “Injuries”, Bump foot, 2007
Versão Portuguesa


A entrevista com Sérgio Rebola, o rapaz da perna partida.

Este projecto surgiu literalmente por acidente. Como foi?

O nome surgiu quando eu estava a recuperar de um dedo de pé partido, devido a um “acidente doméstico” pois dei um pontapé na cama involuntariamente. Durante esse período em que passava mais tempo em casa a descansar, tive dias bastante prolíferos e gravei imensas coisas (basicamente as minhas primeiras canções a sério) num gravador de cassetes muito mau. Então surgiu-me o nome. Apesar de ter partido um dedo do pé, “ The Boy with a Broken Leg” soou-me melhor que “The Boy with a Broken Toe”, e ficou até agora.

Tens participado em muitos projectos musicais.De que forma é que esse percurso te ajudou a desenvolver o teu próprio trabalho? Vejo que tens muitos amigos a tocar neste disco, por exemplo.

As minhas participações em 3 Blind Mice, Le Petit Point, Essay Collective e Puget Sound trouxeram-me muita experiência e aprendizagem! Felizmente, nestes projectos sempre houve liberdade criativa individual, portanto não foi nenhuma fuga aos trabalhos anteriores desenvolvidos em conjunto. Creio que esse percurso acabou por me ajudar a trilhar o caminho que segui. Os muitos amigos que tocam no disco tocavam comigo anteriormente, e convidei-os para aproveitar o seu potencial neste meu trabalho.

Porque é que escolheste a BumpFoot (que no site se define como “a non-profit netlabel in Japan(…) There are currently two main branches: bump – Techno, House; foot-Ambient, IDM, Electro Pops, etc.”), com tanta netlabel portuguesa ?

Não foi bem uma questão de escolha! Eu fiz uma proposta a várias net-labels e com a Bump Foot, foi tudo tratado num ápice. Gosto bastante da atitude deles, não estão preocupados com o género mas sim com a qualidade da música e o facto de ser non-profit, mostra que o que realmente lhes interessa é o mais importante: a Música!
Não editei por nenhuma net-label portuguesa porque não conheço nenhuma que edite a música que faço, e sinceramente, acho que uma label estrangeira, neste caso japonesa, traz maior visibilidade ao meu trabalho.

Até onde vai este Boy with a broken leg?

Até onde vai, não sei! O meu objectivo primordial é acabar as edições manuais do álbum, dar aos participantes deste e pôr as restantes a circular por aí! E depois tocar o máximo possível. De momento, vou tocar praticamente sozinho, acompanhado da guitarra. Espero conseguir reunir as condições para tocar com uma banda inteira. Ou seja, dar o máximo de concertos possíveis e quantos mais músicos melhor, é um retrato mais fiel ao álbum.
Quanto a futuras músicas, discos ou gravações, acho que isso surgirá de forma natural.

13
Fev
08

Agora Toca | Now Play it

Eu devia estar a trabalhar em vez de ficar a olhar para isto mas…quem me conhece sabe que a música é uma parte muito importante da minha vida, e quando descubro um site destes não posso deixar passar em claro.

Now Play it é um site onde podemos aprender músicas com as pessoas que as compuseram. Para além de ter 3 níveis adaptados às capacidades de cada um, as explicações são muito claras, e podemos fazer o download das lições.

Por isso, não me interrompam hoje, estou a aprender o Paranoid Android. Mas qual Guitar Hero qual quê?

I should be working instead of looking at this but…those who know me are aware how music is important in my life, and when i find a website like this i just can’t let it pass unnoticed.

Now Play it is a website where we can learn songs with the people who actually wrote them.Besides having three different learning levels adapted to everyone’s abilities, the tutorials are quite clear, and we can download the lessons.

So, do not disturb today, i’m learning how to play Paranoid Android. Guitar Hero what?

11
Jan
08

Jornalistas&Guitarristas | Journalists&Guitarists

ver video full screen

Este post é dedicado a todos os que se interessam por jornalismo, multimédia, video, e ainda gostam de tocar guitarra nas horas vagas. Eu já toco há 15 anos e é daquelas coisas sem as quais eu não funciono.


À medida que vou visitando alguns blogs de referência , descubro que o Mark Hamilton é um bom guitarrista, que o Adrian Holovaty cria os seus próprios arranjos e que o Ryan Sholin tem uma resolução de Ano Novo que devia cumprir. Há mais jornalistas músicos por aí? Digam e mandem links para os vossos sons.


Sobre o video, para além de ser um excelente exemplo de um trabalho para um jornal, as guitarras são mesmo bonitas. Leiam e vejam como é que se faz um bom artigo multimédia para um jornal.


PS: um desafio- e se os músicos/jornalistas gravassem uma faixa cada um para criar uma compilação para ser distribuída gratuitamente na net, ou para apoiar uma causa? Pensem nisso.

This post goes out to all of those who are into journalism, multimedia, video, and also like to play the guitar in their spare time. I’ve been playing for the last 15 years and it’s one of those things i can’t live without.


As i was browsing through some landmark websites, i found out that Mark Hamilton is a wicked guitar player, that Adrian Holovaty does his own arrangements, and that Ryan Sholin has a New Year’s resolution he must keep. Are there any more musician journalists out there? Tell me about it and send me links to your songs.


About the video, besides being an excellent example for a newspaper work, the guitars are really pretty. Read the article and learn how a good multimedia story for a newspaper is done.


PS: a challenge- what if the musicians/journalists recorded a track each to create a compilation to be distributed for free on the web, or to support a cause? Think about it.

Ler | Read “World-class guitars made locally”

foto2.jpg

…sim, também toco baixo às vezes!

(para dizer a verdade, esta é das minhas melhores fotos a tocar)

________

…yeah, i’m also an ocasional bass thumper!

(to tell you the truth, this is one of my best rock pics)

14
Dez
07

Música Grátis: The9thCell

The9thCell, projecto a solo de David Pais, o vocalista dos Ashes (estes que também recentemente editaram o seu EP de estreia, de forma independente, em www.myspace.com/ashesrain ) , vai lançar um quádruplo-lançamento gratuito pela Internet. Previsto para o dia 25 de Dezembro, este lançamento consiste em 4 álbuns completamente distintos, que percorrem a história deste projecto – desde os inícios da sua concepção em 2001 até aos álbuns oficialmente lançados, nomeadamente:

- Metamorphic Vol I

- ZeroAbsoluteSyndrome

- Dark hole in Time

- Rarities and Obscenitities

Estes trabalhos irão ser disponibilizados através do site Rapidshare, e também através dos sites www.the9thcell.com e www.myspace.com/the9thcell , a partir do dia 25 de Dezembro.

http://www.the9thcell.com | http://www.myspace.com/the9thcell




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,689 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Out    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.