Posts Tagged ‘portugal

19
Jun
09

Journalists’ diplomas and professional license | Jornalistas diplomados e carteiras profissionais

"Burning Diplomas" by burnthatsucker

The Brazilian Supreme Federal Court ruled  against the compulsory diploma for journalists, finding it unconstitutional. The Academia is in a turmoil over this decision, but a question raises: does the diploma make the journalist?

Before i begin, i have to make one thing clear: i’m all in favor for Journalism schools and University courses (i’m trying to get in a Masters degree in Online Journalism) and i think that a university experience helps any professional to approach, think about and work on a subject in a different, complex way that practice alone most times doesn’t teach.

Though in practical terms my degree  could have been summed up to 6 months, intelectually it was really important to mature and develop ideas, something  that a superior education should foster. Add life experience to that and we have the full monty. Some of the best journalists i met in my life don’t have that kind of education, but they’re streetwise. Still, i defend all the work developed by teachers and students at Journalism faculties everywhere. They are of utmost importance.

Now i can say this: the ruling was right. I don’t need a diploma to be a reporter, or having one doesn’t make me a better professional. It should, but that doesn’t happen. You could say “Well, let’s stop giving diplomas to anyone who wants to be a doctor!”. Don’t be arrogant, journalists aren’t doctors, the thought of journalists being God-like is what ruined the business. To be specifically taught as a journalist is a huge advantage on the common citizen, but as we can see, the whole definition of what a journalist does has to be revised.

There is a twist in this question: the academic world fears to lose its importance, and the diploma owners fear to have lost their value. These narcisistic doubts are completely wrong. After this decision, universities will become more competitive and will have to provide the best quality courses, making sure that their graduates are the best that there could be; and the journalists that have a diploma must be proud of it, they are certified experts in their job. The real question is: who is going to set the professional standard required for good journalism?

Answer: the crowd and the companies.

The crowd will dismiss bad journalism much easier than it could do before, because there is so much more offer now. If the crowd doesn’t like the informational experience, they will go find a better one someplace else. And it’s up to the news companies to face this and have the best pros in the market in their payroll. If they have bad journalists, they will provide bad journalism, and that will be the end of it. Besides a few notable exceptions, most newsrooms will go after certified expert staff, or at least they should.

All the whining sounds like there was no bad journalism before, and that it will be from now on. Don’t get me started on journalism ANYWHERE. There have always been good and bad, real bad journalists, plagiarism cases, sell outs, unethical behavior, lies, hidden agendas. There is not a diploma in the world that can avoid this, it’s about personal education and moral principles. There are ethics classes in all Journalism courses, usually that is the class where most students feel bored to death and fail the most. Are the ones who barely make it through and forgot about all of it the day after fit for the job? So it’s not a ethical issue.

The issue is what we want from journalists. The best journalists are the ones who work harder, who have specific personal skills, who have the “journo” attitude, who have the guts to ask the right questions, the courage to face the establishment and expose the facts no matter how ugly they are and how dangerous it could turn out for them. Journalists die just because they are doing their jobs. No paper can certify this.

What a diploma gives is trust. We all know how tough things are, how fast journalism is evolving. Many courses are outdated – mine is for sure, all i know about online media i learned in two workshops and reading the  best thinkers out there on the subject, and experimenting in the last three years on my own, most of the time.  I know students that dream about writing text for papers and magazines! I’d sue a university that wouldn’t make me aware of what is going on in the real world. That is the responsibility of the diploma manufacturers: to open their student’s eyes. More: to create testing grounds where experiments that don’t have the conditions or the time to occur in the professional world  may be developed.

University is a place for theoretical knowledge,  that must go along with practical experiments. Technical abilities were never as important as they are now. Theory is simultaneously an asset and a disadvantage, i remember when i started working, my non-graduated colleagues made me a warm reception with these words: “You may have a diploma, but you don’t know more than we do.” They were right. But i learned what they knew and added it to what i had and built from there.

The bottom line is: you don’t need a diploma to be a journalist, but there is a good chance that you will be better if you get one.

O Supremo Tribunal Federal brasileiro deliberou contra a obrigatoriedade do diploma para jornalistas, considerando-o inconstitucional. O mundo académico está num alvoroço por causa desta decisão, mas é preciso perguntar: o diploma faz o jornalista?

Antes de começar, tenho que esclarecer uma coisa: sou plenamente a favor de escolas e cursos universitários de Jornalismo (estou a tentar entrar num  Mestrado de Jornalismo Online) e creio que uma frequência universitária ajuda qualquer profissional a abordar, reflectir e trabalhar um assunto de forma diferente e complexa, que só a prática não ensina.

Apesar do meu curso em termos práticos poder ter sido resumido para seis meses, intelectualmente  foi muito importante para amadurecer e desenvolver ideias, algo que o ensino superior deve promover. Juntem experiência de vida e temos o pacote completo. Alguns dos melhores jornalistas que conheci não têm esses tipo de educação, mas conhecem as ruas. Eu defendo todo o trabalho desenvolvido por professores e alunos nas Faculdades de Jornalismo de toda a parte. a sua importância é enorme.

Agora já posso dizer isto: a decisão foi correcta. Eu não preciso de um diploma para ser um reporter, ou ter um não faz obrigatoriamente de mim um melhor profissional. Devia, mas isso não é frequente. Podem dizer “Bem, vamos deixar de dar diplomas a médicos”. Não sejam arrogantes, a imagem dos jornalistas como semi-deuses foi o que lixou o negócio. Ter uma formação específica como jornalista traz vantagens enormes, mas como podemos ver, a definição do que o jornalista faz tem que ser revista.

Há um busílis nesta questão: o mundo académico tem medo de perder a sua importância, e os diplomados de perder o seu valor. Estes receios narcisistas estão errados. Depois desta decisão as universidades terão que ser mais competitivas e fornecer os melhores cursos, assegurando que os seus graduados são os melhores que podem haver; e os jornalistas com diploma terão que ter orgulho nele, são profissionais certificados. A questão real é: quem vai definir o padrão exigido para o bom jornalismo?

Resposta: a multidão e as empresas.

O público vai virar costas ao mau jornalismo mais facilmente do que faria antes, porque existe muito mais oferta agora. Se o público não gostar da experiência informativa, vão procurar uma melhor noutro lado. E cabe às empresas de informação fazer face a isto contratar os melhore profissionais. Se tiverem maus jornalistas fornecerão mau jornalismo, e será o seu fim. Tirando alguma excepções notáveis, a maioria das redacção irá atrás de pessoal especialista e certificado,ou.pelo menos, deviam.

Toda esta choradeira parece indicar que nunca tinha havido mau jornalismo, e que vai haver a partir de agora. Não puxem por mim sobre o jornalismo EM QUALQUER LADO. Sempre houve bons  e maus, mesmo maus jornalistas, casos de plágio, vendidos, comportamentos pouco éticos, mentiras e agendas próprias. Não há um diploma no mundo que evite isto,  pois parte da educação e princípios morais. Há cadeiras de ética em todos os cursos de Jornalismo, normalmente é a aula onde os alunos mais se aborrecem de morte e chumbam mais. Será que os que passam à justa e se esquecem de tudo no dia a seguir são os mais indicados para o trabalho? Não é esse o problema.

O problema é o que pedimos aos jornalistas. Os melhores jornalistas são os que trabalham mais, que têm competências pessoais próprias, que têm a atitude “jornalística”, que têm as bolas de fazer as perguntas certas, a coragem de enfrentar o poder estabelecido e expor os factos por mais feios e perigoso que se possa tornar para eles. Há jornalistas que morrem apenas por fazerem o seu trabalho. Não é um papel que certifica isto.

O que um diploma dá é confiança. Todos sabemos como são as coisas, como o jornalismo está a evoluir rapidamente. Muitos cursos estão ultrapassados – o meu está de certeza, tudo o que sei sobre media online aprendi em dois workshops e a ler os melhores especialistas sobre o tema, e a fazer experiências por conta própria e sozinho a maior parte do tempo. Sei de estudantes que sonham em escrever para o jornal ou revista! Eu processava a universidade que não me abrisse os olhos para o que se passa lá fora. Essa é a responsabilidade dos fabricantes de diplomas: abrir os olhos aos estudantes. Mais: criar laboratórios para desenvolver experiências impossíveis de desenvolver no mundo profissional.

A universidade é um local onde o conhecimento teórico tem que ir de mão dada com a experiência prática. As competências técnicas nunca foram tão importantes como agora. A teoria é ao mesmo tempo um trunfo e uma desvantagem, eu lembro-me que quando comecei a trabalhar os meus colegas não licenciados receberam-me calorosamente com as seguintes palavras: “Podes ter um curso mas não sabes mais que nós.” Eles tinham razão. Mas aprendi com eles e juntei ao que já sabia, e comecei a construir a partir daí.

No fundo é isto: não é preciso um diploma para se ser jornalista, mas há uma hipótese de se ser melhor se tivermos um.

front | frente

back | verso

The Portuguese situation

In Portugal, it’s a different song. We don’t need a diploma to be journalists. We need a professional license, given by a committee. In my case, as a Journalism graduate, i need to be sponsored by two licensed journalists and do a training period for one year to get my license. There are other conditions for different types of licenses, but you have to pay a yearly grant. I feel it’s easier to get a gun permit.

What’s good about it? You get a neat card saying you’re a journalist. That’s it.

On the other hand the committee has a set of rules and punishments for those who fail to do as they require, blah blah… They say a journalist has to do his/her job following the rules of a good practice blah blah… Having a card that i have to pay for to remind me of how i should behave in my professional activity is more ridiculous than getting a diploma to become a proper journalist, at least there is potential in a diploma.

Against this ludicrous logic of the certified press card are a number of things:

-the job market: not all the people working now in newsrooms are license holders. Why? They get to work for free in three month internships and they’re kicked out to make way for the next batch of interns. Or they get to work in precarious conditions, part-time, or not for the required period of time to get the license. Or they’re freelancing, and never had the time or the sponsors to be eligible for one. You get the picture.

-this doesn’t help journalist at all, pragmatically speaking. It’s not like holding that card will protect you from abuse in the line of duty, and secret doors will magically open. And the funny thing is that the committee asks a lot from journalists, but doesn’t bother to certify the companies they work for, if payments  are made on time, if the management has good ethical standards. That’s the Union’s business right? So if i have a Union why the hell do i need a committee?

-Sponsors, trial time…give me a break, i want to work, not join a secret society. Journalists aren’t special people you know?

Journalism works on the basis of freedom of speech, and everyone under most constitutions  in the world have the right to it. There  are basic rights that allow me to be a journalist without having another card in my wallet. Me or anybody else. There is the liability issue here, but nowadays with own media anyone can incur in defamation and be prosecuted for that, under the same legal figure used for journalists. There are blogs that have more readers than some newspapers. Everyone is liable. So why the need to give me a card? I don’t have one now, and i don’t care. I was to apply for the license and my boss delayed the process, and i quit the job because he missed a few payments. Cool huh?

I’m not saying that journalism should be a de-regulated activity at all, i just believe if i pay my taxes as a journalist that should do to grant me discounts in pro gear,or in health insurances, etc, no cards required. And most of those benefits are gone for good anyway.

Legally, journalists are an easier target, because they will poke wasp nests and sometimes they bite with law suits. There are institutions hat could provide the journalist and his company the appropriate legal support. Don’t deny me that because i don’t want a card.

Recently a Charter for Freedom of Press was issued, as a measure to ask for less state regulation in journalism. Point 10 gets Portugal out of the game.

Better news need better journalists, and a good journalist doesn’t need a paper or a card saying he is going enough. Usually connections go a long way, but good work may do as well.

So what are your opinions on these situations? Do journalists need diplomas or licenses? Do they need felt hats to make them more genuine?

O caso português

Em Portugal a cantiga é outra. Não é exigido um diploma para se ser jornalista. Precisamos de uma carteira profissional, atribuída por uma comissão. No meu caso como licenciado em Jornalismo, preciso de ser patrocinado por dois portadores da carteira e fazer um período de estágio de um ano, para obter a carteira. Há outros tipos de condições para outros tipos de carteira,mas paga-se uma anuidade. Acho que é mais fácil ter uma licença de porte de arma.

As vantagens? Ficamos com um cartão catita que diz que somos jornalistas. Só.

Por outro lado, a comissão tem uma série de regras e castigos que castiguem quem falhe ao requerido, blá blá… Dizem que um jornalista tem que fazer o seu trabalho de acordo com as melhores práticas blá blá… pagar um cartão para me lembrar de como devo agir na minha actividade profissional é mais ridículo que ser obrigado a ter um diploma para trabalhar como jornalista, ao menos um diploma encerra algum potencial.

Contra esta lógica ridícula do cartão de jornalista há algumas coisas:

- o mercado de trabalho: nem todas as pessoas a trabalhar agora em redacções têm a carteira. Porquê? Trabalham em estágios de três meses sem receber nada e são chutados fora para entrar a remessa seguinte. Ou trabalham em condições precárias,part-time, e não fazem o tempo mínimo para obter a licença. Ou são freelancers, e nunca tiveram o tempo mínimo ou os patrocinadores para pedirem uma. Vocês entendem.

-isto não ajuda os jornalistas em nada,no sentido prático. Não é como ter um cartão que nos proteja de abusos no cumprimento do dever, ou magicamente abra portas secretas. E a parte engraçada é que a comissão exige muito aos jornalistas, mas não trata de certificar as empresas para quem eles trabalham, se pagam a horas, se a direcção promove bons padrões éticos. Isso havia de ser com o Sindicato não? Mas se tenho um sindicato, porque raio preciso de uma Comissão?

- patrocinadores, tempo à experiência…não me lixem, eu quero é trabalhar, não juntar-me a uma sociedade secreta. Os jornalistas não são pessoas especiais sabem?

O trabalho jornalístico baseia-se na premissa da liberdade de expressão, e a maioria das constituições dão este direito às pessoas. Há direitos básicos que me permitem ser jornalista, sem ter mais um cartão na carteira. A mim e a outros. Existe a questão da responsabilização aqui, mas hoje em dia, com os “próprios média” qualquer um pode ser acusado de difamação e ser processado por isso, sob a mesma figura jurídica usada para os jornalistas. Há blogs com mais leitores que alguns jornais. Toda a gente é responsabilizável. Por isso preciso de um cartão para quê? Eu não tenho um agora e não me interessa. Quis pedir o meu, mas o meu patrão atrasou o processo e deixei o trabalho porque não me pagavam. Porreiro não?

Eu não defendo que não se deve regular a actividade jornalística de todo, acho que pagando os meus impostos como jornalista devia ter os descontos no equipamento profissional, nos seguros de saúde, etc, sem cartões. E muitos desses benfícios já eram.

Judicialmente, os jornalistas são um alvo mais fácil, já que irão mexer em ninhos de vespas que irão picar com processos em tribunal. Há instituições que poderão apoiar  legalmente o jornalista e a sua empresa. Não me neguem isso porque não quero um cartão.

Recentemente foi apresentada uma Carta para a Liberdade de Imprensa, como um forma de pedir menos intervenção do Estado no jornalismo. O ponto 10 põe Portugal fora de jogo.

Melhores notícias precisam de melhores jornalistas, e um bom jornalista não precisa de um papel ou um cartão a dizer que é bom que chegue. Normalmente as cunhas ajudam mais, mas um bom trabalho pode chegar.

Quais são as vossas opiniões sobre estes temas? Os jornalistas precisam de diplomas ou Carteiras? Chapéus de feltro para serem mais genuínos?

Check these links | Visitem estes links

Sobre A Profissão De Jornalista

O fim do diploma e o começo de outro jornalismo

Por oito votos a um, STF derruba obrigatoriedade do diploma de Jornalismo

Uma derrota dos pterodáctilos do jornalismo

Uma vitória da lógica e da democracia

Brasil: diploma de jornalismo já não é obrigatório

diploma obrigatório caiu, e agora?

das minhas sentimentalidades sobre o diploma

Supremo decide que é inconstitucional a exigência de diploma para o exercício do jornalismo

Mais uma vitória da sociedade

Jornalistas sem diploma, mas cidadãos (!?)

European Charter on Freedom of the Press

Article 1

Freedom of the press is essential to a democratic society. To uphold and protect it, and to respect its diversity and its political, social and cultural missions, is the mandate of all governments.

Article 2

Censorship is impermissible. Independent journalism in all media is free of persecution and repression, without a guarantee of political or regulatory interference by government. Press and online media shall not be subject to state licensing.

Article 3

The right of journalists and media to gather and disseminate information and opinions must not be threatened, restricted or made subject to punishment.

Article 4

The protection of journalistic sources shall be strictly upheld. Surveillance of, electronic eavesdropping on or searches of newsrooms, private rooms or journalists’ computers with the aim of identifying sources of information or infringing on editorial confidentiality are unacceptable.

Article 5

All states must ensure that the media have the full protection of the law and the authorities while carrying out their role. This applies in particular to defending journalists and their employees from harassment and/or physical attack. Threats to or violations of these rights must be carefully investigated and punished by the judiciary.

Article 6

The economic livelihood of the media must not be endangered by the state or by state-controlled institutions. The threat of economic sanctions is also unacceptable. Private-sector companies must respect the journalistic freedom of the media. They shall neither exert pressure on journalistic content nor attempt to mix commercial content with journalistic content.

Article 7

State or state-controlled institutions shall not hinder the freedom of access of the media and journalists to information. They have a duty to support them in their mandate to provide information.

Article 8

Media and journalists have a right to unimpeded access to all news and information sources, including those from abroad. For their reporting, foreign journalists should be provided with visas, accreditation and other required documents without delay.

Article 9

The public of any state shall be granted free access to all national and foreign media and sources of information.

Article 10

The government shall not restrict entry into the profession of journalism.

Continue reading ‘Journalists’ diplomas and professional license | Jornalistas diplomados e carteiras profissionais’

01
Abr
09

Who has the biggest sheet? | Quem tem o maior lençol?

Who's bigger | Quem a tem maior

Luis Santos did a small comparison between the size of different portuguese news websites’ frontpages. DN, that had his page revamped last week has the longest. And in your country, who has the biggest home?

O Luís Santos do Atrium fez uma pequena comparação do tamanho das páginas de entrada de sites informativos nacionais. O DN, que fez a sua renovação gráfica a semana passada tem a mais comprida.

Os últimos são mesmo os primeiros… contrariando a tendência do momento (de maior sobriedade, notória, por exemplo, aqui) o Diário de Notícias bate todos os outros por uma margem substancial…eu diria que quase tem um ecrã a mais do que o Expresso (2º, nesta curiosa ordenação).
A mais pequena é a da Rádio Renascença, seguida pela TVI, RTP e SIC.
Uma outra curiosidade – parece consensualizada em Portugal a noção de que os conteúdos devem aparecer ordenados fundamentalmente em três colunas.

Luís Santos

Continue reading ‘Who has the biggest sheet? | Quem tem o maior lençol?’

04
Mar
09

Journalists’ demonstration | Jornalistas manifestam-se

Paulo Pimenta - Público

Around a hundred and fifty journalists and other journalism related  professionals gathered in front of the headquarters of Jornal de Notícias in Porto, as a protest to the layoff process imposed by ControlInveste two months ago.

Cerca de centena e meia de jornalistas e outros profissionais da área juntaram-se à frente da sede do JN no Porto em protesto contra os despedimentos impostos pela Controlinveste há dois meses atrás.

Mais de centena e meia de pessoas, a maioria pertencente aos quatro jornais da Controlinveste, manifestaram-se hoje em frente ao edifício do “Jornal de Notícias”, no Porto, em protesto contra os 119 despedimentos anunciados pelo grupo.

Entre os manifestantes encontram-se boa parte dos despedidos, mas também muitos trabalhadores não abrangidos pela medida – jornalistas e não jornalistas – pertencentes aos quadros dos quatro jornais do grupo, que inclui o “Jornal de Notícias”, o “Diário de Notícias”, o “24 Horas” e o diário desportivo “O Jogo”.

Público

Continue reading ‘Journalists’ demonstration | Jornalistas manifestam-se’

09
Jan
09

Weather Pics Crowdsourced Google Map | Google Map com fotos do mau tempo em crowdsource

google-maps_1231501627961

Click image to visit the map | Cliquem na imagem para ver o mapa

Portugal is going through one of the coldest weeks in decades, with negative temperatures and snow in several cities – we’re not used to this. So i asked my Twitter contacts if they could take pictures and videos showing how cold it is in the place they live, to create a open, crowdsourced map. So far, not bad. This is a project that will continue through the weekend, so keep following it.

Portugal está a atravessar uma das semanas mais frias das últimas décadas com neve e temperaturas negativas – não estamos habituados a isso. Por isso pedi aos meus contactos no Twitter para tirarem fotos e videos a mostrar como faz frio no sítio onde vivem, para um mapa aberto, em crowdsource. Até agora não vai mal. Este projecto continua no fim de semana por isso sigam-no.

http://Mapadofrio.pt.vu

Follow via RSS | Sigam via RSS

Continue reading ‘Weather Pics Crowdsourced Google Map | Google Map com fotos do mau tempo em crowdsource’

11
Nov
08

Tarpipe: Um startup Português | A Portuguese startup

O ReadWriteWeb destacou num post ontem um startup português chamado Tarpipe, que basicamente serve para interligar as várias plataformas sociais de comunicação.

Acima está um vídeo a mostrar como funciona, e é tão simples que dói. Isto vem mostrar que parte do futuro está na ligação dos vários serviços que estão disponíveis, e fundi-los criando circuitos de comunicação pessoais.

Boa sorte  para os autores do projecto.

ReadWriteWeb highlighted in a post yesterday a portuguese startup called Tarpipe, that basically can be used to connect all of those communication social platforms we use on a daily basis.

Above there is a video that shows how it works, and it’s so simple it hurts. This comes to show that the future is in connecting the different available services online, and mix them by creating personal communication circuits.

I wish the best for the authors of the project.

About tarpipe

tarpipe is a publishing mediation and distribution platform that simplifies regular upload activities:

  • Publishing content to multiple Web locations;
  • Combining different media into a single blog post or article;
  • Transforming documents on-the-fly;
  • Managing repeatable upload actions.

tarpipe.com

Continue reading ‘Tarpipe: Um startup Português | A Portuguese startup’

17
Set
08

Blogs.Lift: Directório de blogs portugueses | Portuguese blog directory

O último é muito bom...|The last one is very good...

O último é muito bom... | The last one is very good...

É praticamente novo e já fazia cá falta um. O pessoal da Lift criou um directório de blogs portugueses de comunicação, à semelhança do Alltop e do Journalism.me. Não os conheço a todos, mas tenho a honra de fazer parte da lista. Se conhecerem mais alguns que mereçam estar lá digam.

It’s barely new and we needed one already. The guys at Lift created a directory of portuguese blogs about communication, just like Alltop and Journalism.me. I don’t know all the blogs in it, but i have the honor of being part of the roll. If you know other (portuguese) blogs, name them.

O Blogs.Lift é uma humilde contribuição nossa para dar visibilidade a uma blogosfera que está a ganhar cada vez maior dinâmica e expressividade. Blogosfera efervescente, como diria o Rodrigo Saraiva.

A ideia original é do Guy Kawasaki, com o seu fantástico Alltop. Mas como o Alltop só se limita aos blogs publicados na língua inglesa, aproveitámos para criar a nossa versão local.

Para darmos a conhecer as (já) dezenas de referências de blogs no segmento da comunicação e relações públicas.

Caso nos tenha falhado algum (o que é possível), não hesitem em solicitar a sua adesão.

Novidade III

Continue reading ‘Blogs.Lift: Directório de blogs portugueses | Portuguese blog directory’

29
Ago
08

Portugal – Circulação dos jornais diários sobe | Dailies circulation rises

"JN" é o jornal que mais vende em Portugal

Circulação Média (gráfico JN) | Average circulation (JN graph)

As vendas dos jornais diários portugueses subiu 8% nos seis primeiros meses de 2008. São mais 26 mil exemplares todos os dias.

O jornal que mais cresceu foi o Jornal de Notícias (média- 120.737 cópias) , aproveitando uma quebra do Correio da Manhã .O 24 Horas e o DN também registaram uma subida.

De salientar também a descida na venda de jornais desportivos, com quebras de 1% para o Record (média- 70.463 exemplares vendidos) e de 2% para o Jogo (média 32.268).

O grupo Controlinvest foi o que viu um maior aumento nas vendas das suas publicações(Jornal de Notícias, 24 Horas e DN ) e até no seu gratuito Global Notícias,  com 195.100 exemplares distribuídos todos os dias.

Daily newspapers sales rose 8% in the first six months of  2008.There are more 26 thousand copies everyday.

The newspaper that grew more was Jornal de Notícias(avearage -120.737 copies), taking advantage from the losses of Correio da Manhã . 24 Horas and Diário de Notícias also grew.

Also noticeable was the slowing down of the sports dailies, with 1% losses for Record (average paid circulation- 70.463 copies) and 2% for Jogo (apc- 32.268 copies).

The Controlinvest media group saw their editions take the lead and increase sales (Jornal de Notícias, 24 Horas and DN ), but even their free daily Global Notícias is a heading it’s segment with 195.100 copies distributed everyday.

Continue reading ‘Portugal – Circulação dos jornais diários sobe | Dailies circulation rises’

11
Ago
08

O Primeiro de Janeiro ou um retrato português

O que se passa no Primeiro de Janeiro devia ser um escândalo. Mas não, afinal é apenas mais um episódio na vida empresarial portuguesa. 32 jornalistas foram despedidos de forma ilegal e viram os seus lugares assumidos por colegas de uma publicação paralela, e a sede da empresa que os despediu fica num antigo stand de automóveis abandonado há dois anos. Uma semana de vergonha em resumo.

O Primeiro de Janeiro tem 140 anos de história e é uma das mais antigas publicações em Portugal. Mais, é uma das referências principais do Norte do país. Os problemas com o jornal não são de agora: há já alguns anos que se ouve falar do fim da publicação. Este diário de cariz regional atravessava já algumas dificuldades, mas o despedimento de 32 funcionários assumiu contornos no mínimo estranhos – menos para quem conhece a realidade empresarial portuguesa, e as estruturas dos pequenos grupos de comunicação, que controlam jornais e rádios locais, e que são recorrentes em práticas de gestão duvidosa.

Jornalistas à porta Foto-Pedro Tavares

Ainda antes de serem despedidos a semana passada, os jornalistas do Primeiro de Janeiro já não tinham grandes condições de trabalho: não eram aumentados há sete anos, e existem indicações de má gestão quer da empresa, quer da redacção. No último editorial que escreveu , a directora Nassalete Miranda dizia:períodos na vida das instituições, como na das pessoas, em que se precisa parar um pouco para preparar o futuro. O PRIMEIRO DE JANEIRO vai parar uns dias para ressurgir mais forte, com novo grafismo, com nova dinâmica.” Mas o que se viu não foi uma renovação. No sábado seguinte ao despedimento que os jornalistas se recusaram a assinar, eles tentaram voltar aos seus postos de trabalho, mas foram impedidos de entrar.  Os dez jornalistas de outra publicação do grupo – Norte Desportivo –   assumiram a criação de conteúdos das duas edições.

Primeira edição do “novo” Primeiro de Janeiro

No editorial de regresso, assinado pelo novo director  Rui Alas Pereira, na terça-feira seguinte podia-se ler: ” E vamos continuar por aqui, (bem) dispostos a lutar para que os tempos novos da bonança possam fazer um JANEIRO ainda mais forte, rejuvenescido e perfeitamente adaptado à modernidade. Daí que a nossa aposta passe também pela renovada edição on-line, certamente uma referência do que melhor se faz neste País digital…”

O site do jornal é neste momento uma imagem da capa com um pdf integral da edição do dia. Se isto é o que o novo director acha que é do melhor que se faz, então não sei realmente se terá conhecimentos suficientes para avaliar seja o que for relacionado com as novas formas de comunicação…

Entretanto, os trabalhadores despedidos viam a sua situação avaliada pelo Sindicato dos Jornalistas, pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social e pelo Ministério do Trabalho, que considerou o despedimento colectivo como ilegal.Na semana passada entregaram um manifesto à governadora civil do Porto, para chamar atenção para o caso. Nesse manifesto destacam a prática contínua de ilegalidades por parte de Eduardo Costa, dono da Fólio e da Sedico, as empresas proprietárias do Primeiro de Janeiro:

“Estas práticas vão «desde a ausência de seguros para os trabalhadores à prática de troca de facturas por salários, passando pelo não pagamento de Julho e dos subsídios de férias, bem como o pagamento de Junho apenas pelo valor do salário mínimo nacional».

Consideram que o processo envolve a prática de «lock out», já comprovado pelas autoridades competentes e recordam que «Eduardo Costa foi condenado por fraude ao Estado na obtenção de subsídios, o que não impediu que bem recentemente fosse de novo contemplado com fundos do Quadro de Referência Estratégico Nacional – os fundos comunitários para 2007/2013)”.

Aliás, Eduardo Costa é muito contestado ao longo de todo este processo.

A empresa ou a figura de Eduardo Costa

Além da forte ligação a empresas de comunicação social, Eduardo Costa é presidente da UD Oliveirense

Eduardo Costa
(foto Manuel Azevedo)

Eduardo Costa é um dos mini magnatas da comunicação em Portugal. Empresário muito conhecido no Norte, tem ligações ao desporto e à imprensa regional: é presidente da Direcção da União Desportiva Oliveirense, de Oliveira de Azeméis, e também é dono de vários órgãos de comunicação regional  -‘O Primeiro de Janeiro’ ,“os semanários ‘Correio de Azeméis’ e ‘Praça Pública’, de Ovar, e ‘Caima’, as rádios Azeméis FM e Voz do Caima e a gráfica Coraze, que imprime a grande maioria dos jornais regionais do Norte.” Sobre ele pesa uma condenação de dois anos e meio de prisão  por fraude, suspensa por um ano, por obtenção indevida de subsídios do Estado com o jornal ‘Recortes de Província’. Para além de deter vários títulos locais e regionais,  é vice-presidente da Associação Portuguesa da Imprensa Regional.

Quando os jornalistas foram investigar a morada da Sedico – Sociedade de Edição e Comunicação, proprietária do Primeiro de Janeiro, e de onde foram emitidas as cartas de despedimento, encontraram um stand de automóveis abandonado há dois anos. No chão, os avisos de recepção das cartas que lhes foram enviadas na semana anterior.

Os jornalistas despedidos avançaram com uma queixa em tribunal, pela prática de lock out, e têm tido apoio de alguns grupos políticos, particularmente do PCP , do Bloco de Esquerda e do PS.

Um retrato português

O que se passa no Primeiro de Janeiro sempre se passou a nível regional. Marcas detidas por grupos de comunicação de dimensão e e influência pouco claras vivem situações semelhantes, mas passam despercebidas por serem estruturas menores e com menos visibilidade. Este caso é a ponta do icebergue com o qual a imprensa regional chocou. e afunda-se rapidamente, não só pela falta de visão dos seus directores como pela falta de escrúpulos dos seus proprietários. Outras das razões é o envelhecimento de uma força de trabalho que aprendeu a profissão na tarimba, e que se vêem ultrapassados por uma realidade que nem compreendem, conhecem, ou querem aceitar. O leitores é que sofrem, e deixam de comprar estas publicações que deviam ser representantes dignos da sua região, da sua realidade.

Infelizmente, as pessoas que criam estas situações estão a matar lentamente a sua galinha dos ovos de ouro, e o pior  de tudo, é que quando morrer, só sofre a galinha.

Muitas das fontes usadas para este post foram recolhidas aqui: E s g r a v a t a r – blog de Filinto Melo

Continue reading ‘O Primeiro de Janeiro ou um retrato português’

09
Jun
08

Euro08 @ Twitter et al

Tenho andado um pouco adoentado e por isso, menos produtivo. Mas a verdadeira febre agora é o Campeonato Europeu da Suíça/Áustria. Para já comecei por personalizar o Twitter, e pô-lo de acordo com a nossa Selecção. E vocês? Como é que demonstram o apoio à vossa equipa na net? E que sites relacionados com o Euro merecem destaque? Deixem os vossos comentários e Força Portugal.

I’ve been a bit ill in these last few days , and so, less productive. But my real fever right now is the Swiss/Austria Euro Cup. For now, i just customized Twitter , and designed it accordingly to the colors of the portuguese national team. And you, how do you support your team on the web? And which Euro cup related websites do you think are really good? Leave your comments and Go Portugal.

Continue reading ‘Euro08 @ Twitter et al’

07
Mai
08

How Portuguese News Websites (don’t) use Citizen Journalism

Versão blog para o artigo que escrevi para Oliver Carter, da Birmingham City University. A adaptação em português foi publicada em duas partes: ler Parte 1 | ler Parte 2

This post is a version of an article i wrote for Oliver Carter,  lecturer at the Birmingham City University. Since lately i’ve been working on the Interactivity Index for OJB, I thought now was appropriate to post it.

Citizen journalism embedded on online media 
 
 How Portuguese News Websites (don’t) use Citizen Journalism

We’ve been watching a significant change in the Portuguese news media, for the last few years. From national to local newspapers, radios and TV channels, everyone is building their presence online, with more or less aptitude or quality. Still, the effort is noticeable.

Video thumbnail. Click to play Portugal Diário is a exclusively online outlet that has recently gone through a deep redesign.

But this investment in new platforms of communication doesn’t mean the companies are following the latest trends, or leaving their somewhat conservative approach to the full possibilities of the web. The news websites in Portugal are mostly a repository for print content, since many don’t have exclusively online journalists, and the resources for online content are rather limited, especially as multimedia content is concerned, though slowly the tide is turning, mainly due to the efforts of major newspapers, that are trying to improve and take the step forward in online content.

keep reading

Continue reading ‘How Portuguese News Websites (don’t) use Citizen Journalism’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,759 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Out    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.