Posts Tagged ‘debate

31
Mar
09

Convention Conclusions | Conclusões da Convenção

My panel | O meu painel

My panel | O meu painel

As you might know, i went to Guimarães this weekend to participate in the 2nd Journalists Convention  organized by the  Guimarães Press Office, a local journalists association. These were two great days, with great people and good conversations about journalism. Here’s a short account of the Convention.

This was just my second event of the kind. All of the speakers in this convention are working for local or national media (hell, i was the only one unemployed), and there was a valuable combined working experience. But that was the purpose, to reflect upon journalism based on practice, rather than on possibilities and theories – which is also extremely important and necessary. It’s a matter of perspective.

What surprised me was the fact that many of the issues that came up during the debates and presentations were the same i wanted to talk about in my presentation: the need to humanize journalism, it’s social importance, the change in the relationship between media and audience, the role of journalists, questions i find more philosophical than technological (though related). The theme for the convention was change, but what i heard the most was the need to go back to the basics of the job, no matter what the technology available, should it be a computer or a roadside blackboard. Trust between media and audience, between journalists and their sources, was also on the table a few times. Since a huge part of the audience were Journalism students, there was pedagogical value in some interventions.

Though i enjoyed and learned a lot from every speaker, I really liked to listen to Miguel Carvalho, of the portuguese magazine Visão, who is a young, yet old fashioned reporter, that prefers the streets to computers. This could mean a huge gap between our points of view (i’m on the geek side as you know) , but not really. For both of us it’s the story that matters, the importance of the Other, the value of the information and it’s human consequences. And besides being a great writer, he is a funny guy. Everyone was, i had a great time during the breaks, where we exchanged our points of view, and quickly digressed from journalism to other unrelated topics (or is the new portuguese Playboy magazine  journalism related ?).

When it came to my turn to make my presentation Saturday morning i was quite comfortable with my audience. The  main subject was “Journalism and Technology”, and i was set to briefly explain how we went from mass media to social media, but how the responsibility of journalism in building a social conscience  is still the same. I got on the wrong foot (i was a bit nervous, which made me skip a liaison part of my presentation so i started rambling), but i got myself together. I was open to comments during my presentation, and i asked a few questions to the audience, with quick polls. I hate reading stuff out loud, and  i feel this sort of interaction worked. It was different, at least. My fellow speakers for this panel were Paulo Querido and Luís Miguel Loureiro, which are in opposite sides of the spectrum of the discussion on Technology and Journalism, but there was no real disagreement, both have different yet valid views. That is really important, diversity. They were very supportive of me (thanks guys!),  and we held the longest debate of the  convention, we delayed the workgroups a bit, but it was worth it. Unfortunately i had to leave in the afternoon, so i wasn’t there for the closing.

I have to thank the organization of the convention, especially Samuel Silva and Paulo Machado, who so generously invited and received me in Guimarães. I hope i was up to the expectations, and added value to the event. They know that can count on me for anything.

All in all it was a great couple of days, i made some new contacts, got to know a few people “in real life”,  had a lot of positive feedback on my work, and though i’m somewhat an outsider, i felt like at home. There’s nothing better i could  say about it.

Como alguns de vocês sabem, fui a Guimarães participar na 2ª Convenção de Jornalistas organizada  pelo Gabinete de Imprensa de Guimarães. Foram dois dias excelentes, com gente valiosa e óptimas conversas sobre jornalismo. Aqui fica uma pequena impressão sobre a Convenção.

Este foi apenas o meu segundo evento do género. Todos os oradores nesta convenção trabalham para orgãos de comunicação locais ou nacionais (bem, eu era o único desempregado!), e havia uma enorme experiência combinada. Mas esse era o objectivo, reflectir sobre o jornalismo de um ponto de vista mais prático do que teórico – apesar de isso ser também extremamente importante e necessário.  É uma questão de perspectiva.

O que me surpreendeu foi que muitos dos assuntos que surgiram nos debates e apresentações eram os mesmos que queria falar na minha apresentação: a necessidade de humanizar o jornalismo, a sua importância social, a mudança na relação entre os média e o público, o papel dos jornalistas, questões mais filosóficas que tecnológicas (mas relacionadas). O tema da convenção era a mudança, mas o que eu ouvi foi a necessidade de voltar ao básico da profissão, independentemente da tecnologia disponível, seja um computador ou uma ardósia à beira da estrada. A confiança, entre os média e o público, os jornalistas e as fontes, também esteve em cima da mesa algumas vezes. E como grande parte da audiência eram estudantes de Jornalismo, houve um valor pedagógico presente em algumas das apresentações.

Apesar de ter aprendido com cada apresentação,  gostei muito de ouvir o Miguel Carvalho, da Visão, que sendo novo, é um repórter à moda antiga, que prefere as ruas aos computadores. Isto podia significar uma distância enorme entre os nossos pontos de vista (eu vivo no lado geek da coisa como sabem), mas nem por isso. Para nós é a história que importa, é a importância do Outro, o valor da informação e as suas consequências humanas. E para além de ser um grande escritor, é um tipo divertido. Aliás, toda a gente era, passei bons bocados nos intervalos, onde trocávamos ideias e rapidamente passávamos para outros assuntos não relacionados com Jornalismo (a não ser que a nova versão portuguesa da Playboy conte…).

Quando chegou a minha vez de fazer a minha apresentação no Sábado de manhã, estava bastante confortável com o meu público. O assunto era “Jornalismo e Tecnologia”, e o meu objectivo era dar uma breve explicação sobre como passámos dos mass média para os média sociais, mas como a responsabilidade do jornalismo em construir uma consciência social se mantém. Entrei com o pé esquerdo (estava um bocado nervoso e acabei por saltar uma parte de ligação por isso dei por mim a divagar), mas lá me recompus. Estava aberto ao diálogo durante o meu discurso, e fiz algumas perguntas ao público, com rápidas sondagens. Detesto ler em voz alta para outras pessoas, e acho que este tipo de interacção resultou. Pelo menos foi diferente. Os meus colegas de painel eram o Paulo Querido e o Luís Miguel Loureiro, que estão em lados diferentes da discussão sobre tecnologia e jornalismo, mas não havia um desacordo real, ambas as perspectivas são válidas. Isso é realmente importante, a diversidade. Eles apoiaram-me imenso (obrigado!), e acabámos por manter o debate mais longo da Convenção, acabando por atrasar os grupos de trabalho um bocado, mas valeu a pena. Infelizmente não pude assistir ao encerramento de tarde, porque tive que me ir embora durante a tarde.

Tenho que agradecer à organização, em especial ao Samuel Silva e ao Paulo Machado, que generosamente me convidaram e tão bem me receberam em Guimarães. Espero ter estado à altura das expectativas, e ter contribuído com algo extra para o evento. Eles sabem que podem contar comigo para o que for preciso.

No fim de contas foram dois dias excelentes, fiz novos contactos, conheci algumas pessoas “na vida real”, tive muito feedback positivo sobre o meu trabalho, e apesar de ser um outsider, senti-me como se estivesse em casa. E não há nada melhor que possa dizer sobre isto.

Mesa redonda “O jornalismo e as novas tecnologias” debate desafios à profissão, Gabinete de Imprensa de Guimarães

Alexandre Gamela, jornalista freelancer, começou por afirmar que há uma “mudança de paradigma trazido pela tecnologia” que, nos últimos anos, democratizou o acesso à tecnologia e criou possibilidades de existência de novos conteúdos para além dos media tradicionais. O boom dos blogues deu origem a “novas vozes, novos mercados e novos públicos”. Gamela deu o exemplo do Twitter para reforçar a ideia de “diálogo constante” entre utilizadores, afirmando que esta é uma ferramenta de “cristalização da comunicação relacional”.

O fenómeno das redes sociais na Internet é, segundo Alexandre Gamela, importante para difundir notícias na hora, passando os órgãos de comunicação social a ser o destino dos conteúdos. O freelancer terminou dizendo que o jornalismo “não é uma linha de montagens”, pois lida com pessoas, causas e consequências. “É preciso ter consciência de que há um lado humano” nas histórias jornalísticas, defendeu.

Jornalismo “não é linha de montagens”, ComUM

No segundo dia da Convenção, “Jornalismo e Novas Tecnologias” foram o ponto de partida para uma mesa redonda com a participação de Luís Miguel Loureiro, Paulo Querido e Alexandre Gamela. O primeiro, jornalista da RTP, referiu os mitos e a realidade acerca das novas tecnologias e assumiu-se como uma “vítima” dessas. Para o profissional da comunicação, o “controlo” das ferramentas por parte do jornalista é essencial para “fazer jornalismo”.

O freelancer Alexandre Gamela afirmou que o jornalismo “não é uma linha de montagens”, uma vez que lida com pessoas e causas. Realçando o “lado humano” das histórias, Gamela referiu a ‘explosão’ dos blogues como originadora de “novas vozes, novos mercados e novos públicos”. Paulo Querido, colaborador do Expresso e igualmente freelancer, desafiou o auditório a definir o que é ser jornalista e concluiu que “é aquilo que cada um quer”. Reprovando o mito do jornalista multimédia, que tem de dominar todas as ferramentas, Querido defendeu que o jornalista não tem de ser multimédia mas sim de aproveitar as potencialidades dadas pela Internet, tentando adaptar-se.

Convenção de Jornalistas – IV, A Devida Comédia

Alexandre Gamela, um dos mais criativos bloggers deste País – autor do fantástico The Lake – considerou já estar em voga um conceito que se poderia designar de DJ Jornalista que, tal como um DJ, vai gerindo conteúdos. Porém, avisou, “o jornalismo não é uma linha de montagem”. E se é certo que o jornalismo não vai salvar o mundo, a verdade é que “uma sociedade mais informada e responsável é capaz de tomar melhores decisões”.

Continue a ler ‘Convention Conclusions | Conclusões da Convenção’

20
Fev
09

#cfund debate: Wrap up | Conclusões

Debate clip

Debate clip

I can’t say that yesterday’s Twitter  #cfund debate was a huge success, but it was great to tap into the thoughts of journalists, media addicts and common users about new business models for new media. During the 10 hours of active debate we reached an average of almost 70 tweets per hour, which shows how lively it was. We didn’t come up with a solid solution for the financing problem of online media, but we sure gave a lot of suggestions. This wrap up is a mix of my interpretations and the words of all that participated in the debate. To them, my deepest thanks, they made my day.

We started by polling if people were willing to pay for news, and right from the start the no took the lead by a long distance. But, as the debate shows, users were willing to pay for special features, services, and fund investigative reporting. Soon Spot.us came up in the conversation, or wasn’t this a debate under the sign of crowdfunding. Dave Cohn’s project gathered consensus as an example of what users should be funding: independent, local reporting. In fact, local and unique content are ahead in the priorities of spending users.

But for the rest of the news, which should be the  best model to apply? Micropayments were suggested, but only if there was  a universal system, instead of an individual one that put walls around each newspaper. I found this a bit hard to apply but i can see the aim: users want it simple.  Also noted as fundamental was that the news products should take in account niches and the specifics of the community.

There were many interesting comparisons with the music industry, though some differences must be highlighted: music is a perennial product, while news have a short life span, though now expanded thanks to the infinite archive of the web. The similarities come in the way users relate to the distribution of the product, and how the solutions provided by the music industry could work for the news industry. A iTunes like system could work if it was real cheap, and -in my opinion- could be fully costumizable. You’d buy the news you want. But quickly i find many reasons for this system to fail: i don’t want to buy news like i said before, and any user could share his buy with whoever he wanted. I don’t want to give any excuses to anyone create a news RIAA…

Não posso dizer que o debate #cfund no Twitter tenha sido um sucesso estrondoso, mas foi excelente para aceder às ideias de jornalistas, viciados nos media e utilizadores comuns sobre novos modelos de negócio para os novos media. Durante 10 horas de debate activo, atingimos uma média de 70 tweets por hora, o que mostra como foi animado. Não encontrámos nenhuma solução sólida para o financiamento dos media online, mas demos muitas sugestões. Esta conclusão é uma mistura das minhas interpretações e as palavras dos que participaram no debate. A eles o meu obrigado.

Começámos com uma sondagem para saber se as pessoas estavam dispostas a pagar por notícias, e, desde logo, o não ganhou um grande avanço. Mas, como o debate mostra, os utilizadores estão dispostos a pagar por aplicações e serviços especiais, e a financiar jornalismo de investigação. Rapidamente o Spot.us surgiu na conversa, ou não fosse este um debate sob o signo do crowdfunding. O projecto de Dave Cohn reuniu consenso como exemplo do que se devia apoiar financeiramente: jornalismo local e independente. Na verdade, conteúdo local e único estão na frente das prioridades dos utlizadores dispostos a pagar.

Mas para o resto das notícias, qual será o melhor modelo a aplicar? Foram sugeridos os micropagamentos, mas apenas se houvesse um sistema universal, em vez de específicos que isolassem os jornais. Achei este modelo um pouco difícil de aplicar, mas vejo o objectivo: quanto mais simples para o utilizador melhor. A importância dos nichos de mercado e as especificidades das comunidades foram apontados como fundamentais na definição dos produtos informativos.

Houve comparações muito interessantes com a indústria musical, apesar de ser necessário destacar as diferenças: a música é um produto permanente, enquanto que as notícias têm uma vida curta, agora aumentada no arquivo infinito da web. As semelhanças surgem na forma como os utilizadores se relacionam com a distribuição do produto, e como as soluções apresentadas pela indústria musical podem resultar para a indústria de informação. Um sistema tipo iTunes podia funcionar se fosse realmente barato e o conteúdo podia ser personalizado. Compravam-se as notícias que se queria. Mas rapidamente vejo muitas razões para não funcionar: como se disse antes, eu não quero comprar notícias, e qualquer um podia partilhar o conteúdo com quem quisesse. E não quero dar desculpas a ninguém para criar uma RIAA para as notícias…

Crowdfunding

Crowdfunding

Crowdfunding as an option was widely discussed through out the debate. A system that would sit on the spontaneous,free contributions of users – or if required to fund a reporting project- is a concept pretty much well accepted by the majority of the participants. I had to ask for the pros and cons of crowdsourcing, and we found some flaws for this model, if used for certain structures.

The best part of crowdfunding is that it makes the users a part of the process, they put their money where their confidence is. But that implies the creation of valuable, trustworthy content. It’s a Darwinistic logic, only the best would survive. The cons are scale – it should work better with smaller endeavours, with a huge market. Portugal has 10 million inhabitants, so in most of the cities a crowdfunded project wouldn’t last long, but it might survive on a national level. In the American scale, things would work the other way around.   Other problem that was raised was the sustainability: how to keep the users excited and making them sending money. And like someone said, it’s hard enough to please one boss, now try to please a crowd of them. But crowdsourcing works, and that’s a fact.

We also discussed if news companies should be profit or non-profit. To depend on external endorsements is risky, and i believe that without a commercial, competitive side, the news business might lose it’s edge. Public interest was discussed, but i think all news are of public interest. Editing options define the degree of importance of a story to a specific audience, and now those options are easily costumized by users when they choose the feeds they want to get. They become the editors.

Besides, in an environment prolific in content, users will have the last word. There is a middle man that gets out of the loop, which favors freelance writers and journalists, that can work directly for their audience, skipping a whole editorial structure and even traditional publishing.

A opção do crowdfunding foi amplamente discutida ao longo do debate. Um sistema que se apoiasse nas contribuições livres e espontâneas dos utilizadores – ou a pedido para financiar reportagens – é um conceito muito bem aceite pela maioria dos participantes. Eu tive que perguntar sobre os prós e os contras do crowdsourcing, e demos com algumas falhas neste modelo, se usado em certas estruturas.

A melhor parte do crowdfunding é que inclui os utilizadores no preocesso, e eles colocam o dinheiro onde está a sua confiança. Mas isso implica a criação de conteúdo valioso e fiável. É uma lógica Darwinista, só os melhores sobreviveriam. Contra está a escala – resultaria melhor com empreendimentos mais pequenos, com um grande mercado. Portugal tem 10 milhões de habitantes, por isso na maioria das cidades um projecto apoiado em crowdfunding não durava muito, mas poderia sobreviver a nível nacional. À escala americana seria ao contrário. Outro problema que foi levantado foi a sustentabilidade: como manter s utilizadores interessados e a contribuir regularmente. E como alguém disse, já é difícil agradar a um patrão, quanto mais a uma multidão deles.

Também discutimos se as empresas deveriam ter ou não fins lucrativos. Depender de apoios externos é arriscado, e acredito que sem um lado comercial, competitivo, o negócio das notícias perderia um pouco a garra. O interesse público foi discutido, mas acho que todas as notícias são de interesse público. As opções editoriais definem o grau de importância de uma história para um público específico, e agora essas opções são facilmente assumidas pelos utilizadores quando escolhem as fontes das notícias que querem. Eles passam a ser os editores.

Além disso, num ambiente tão rico em conteúdos, os utilizadores é que têm a última palavra. Há um intermediário que sai do circuito, o que favorece escritores e jornalistas freelancers, que assim podem trabalhar directamente para o seu público, livrando-se de uma estrutura editorial e até das edições tradicionais.

More than news | Mais do que notícias

More than news | Mais do que notícias

After a while it became clear that the problem doesn’t rely on distribution only. It’s not how to make people pay that matters. It’s what they pay for. There is a whole structural matter that is not restricted to the distribution channels. It was defended that traditional media are not really trying to to create a new business model, but rather making an awkward attempt to adapt the old system to a new environment. It simply doesn’t work, the web is like the outer space, Earth rules do not  apply. Blogs are more engaged to their audience, they are more connected to the people who read them because there is a relationship. Newspapers were objects, brands, a product with untouchable people inside.Users are no longer up for it.

Another thing that struck me was the inclusion of print in the possible business models suggested in the debate. Print has an important role in the news industry, because there is still a huge amount of audience for it. It should be treated as a luxury item, and not as the thing you use to wrap your fish and chips (nudge nudge to Britain). It has been always the content that set newspapers apart. Create real good content for print, and people will buy it. Fewer people, but that is a part of the definition of niche market.

And like Steve Yelvington suggested, why are you trying  to sell just a newspaper? Widen the scope and create other products that also are journalism. How many of you bought a newspaper just because of the cartoons or the sports page, or the books that came with? Many times people bought newspapers not because of the news, but for the entertainment. So i find it hard to convince them to pay for it. Don’t charge us for  content, but for premium products. Ok, this bit is my opinion.

Overall it was a sometimes hectic but well spent day in front of the computer. I regret the fact that i didn’t had more experts and journalists to debate. War stories are always better told by those who fought in the trenches. But the debate is far from over, so we’ll hear a lot from them too. Another peculiar thing is that yesterday there was a flood of business model related posts, which meant that even without their knowledge, there was a number of people eager to participate.

I have to thank all the people that joined us yesterday, and a special thanks to João Simão, a university teacher at UTAD that is trying to make a difference, he helped organizing and hosting the debate at his website, in just a couple of days. Lets get ready for the next one.

Ao fim de algum tempo tornou-se claro que o problema não se restringe apenas à distribuição. Não é o como as pessoas pagam que interessa. É o que elas pagam. Existe um problema estrutural que não está limitado aos canais de distribuição. Foi defendido que os media tradicionais não estão a tentar criar novos modelos de negócio, mas antes a fazer uma tentativa desajeitada para adaptar o velho sistema a um novo ambiente. Simplesmente nunca vai resultar, a web é como o espaço sideral, as leis da Terra não se aplicam. Os blogs relacionam-se mais com o seu público, estão mais ligados às pessoas que os lêem, porque existe um vínculo. Os jornais eram objectos, marcas, um produto com gente intocável lá dentro. Os utilizadores estão fartos disso.

Outra coisa que me surpreendeu foi a inclusão do papel nos possíveis modelos de negócio sugeridos. O papel tem importância na indústria de informação porque ainda existe um público enorme para ele. Deveria ser tratado como um produto de luxo, e não para forrar galinheiros. Foi sempre o conteúdo que definiu os jornais. Criem um bom conteúdo para o papel,que as pessoas compram-no. Menos pessoas, mas isso faz parte da definição de nicho de mercado.

E como Steve Yelvingto sugeriu, porque é que estão a tentar vender apenas um jornal? Alarguém o âmbito e criem outros produtos que também são jornalismo. Quantos de vocês compraram um jornal por causa da BD, ou o suplemento de desporto, ou os livros que vinham junto? Muitas vezes as pessoas compravam jornais não por causa das notícias, mas pelo entretenimento. Por isso acho difícil convencê-las agora a pagar por notícias. Não nos cobrem pelo conteúdo , mas pelo produto de qualidade. Ok, este bocado é meu.

No geral foi um dia por vezes agitado mas bem passado à frente do computador. Tenho pena que não tenham participado mais especialistas e jornalistas. As histórias de guerra têm sempre mais piada quando são contadas por quem esteve nas trincheiras. Mas este debate está longe de estar terminado, por isso ainda iremos ouvir muito deles. Outra coisa engraçada foi a quantidade de posts publicados ontem relacionados com os novos modelos de negócio, o que quer dizer que mesmo sem saber, havia muita gente a cheia de vontade de participar.

Tenho que agradecer a todos os que se nos juntaram ontem, com um agradecimento especial para o João Simão, um professor universitário na UTAD que está a tentar fazer a diferença, ele ajudou a organizar e a alojar este debate no seu site em poucos dias. Vamo-nos já preparar para o próximo.

yelvington-final1

The debate was also followed at Journalism.co.uk | O debate também foi seguindo no Journalism.co.uk

Other references|Outras referências

Continue a ler ‘#cfund debate: Wrap up | Conclusões’

17
Fev
09

Debate: Crowdfunding – This Thursday | Esta Quinta-feira

Great! | Porreiro!

Phase I completed! | Fase I terminada!

With the generous contributions of some of my readers i managed to complete the first stage of my crowdfunding endeavour in just a couple of days. I’ve already thank them, but i have to say thank you again,  because they were timely with their help. Now my debts are solved, and like i said, it wasn’t that much money.

Now Phase II needs some discussion, but we’ll talk about it later in detail. This is also an experiment in crowdfunding, and i have to make an assessment of the current situation.

Though i managed to reach my first goal quite easily, i was surprised about two things: there were less donors than i expected, but they contributed in average with more money than i first predicted. Few, but generous.

But if i want to reach a sum for buying some video gear for example, i need more people to contribute and i don’t think that will happen. First of all because i’m not giving anything back, nothing tangible except my previous work. My inicial goal was to finance a story, a la Spot.us and then sell it or give it away. As i said, it was not possible now to do it without solving my current situation, but that is not enough. People need something back. Mark Luckie is selling t-shirts in his website (cool tees i have to say) and though i don’t know how is it going for him it’s a pretty simple and appealing concept. Buy from me, instead of pay me to keep me going.

Of course the buzz now is all about business models for newspapers, journalists and blogs, and my iniciative raised a few questions about how media online can survive, from private to corporate level. So this Thursday me and João Simão are organizing a Twitter debate about crowdfunding, new business models, and how is the common user be affected by all these new options recently layed on the table: paywalls, contributions, crowdfunding, bailouts, itunes like payments, etc. What do we as journalists think it must happen, and how far are we willing to go as users?

To participate just tweet your thoughts this Thursday Feb.19th, with the hashtag #cfund. You can follow the conversation at João Simão’s website via CoverItLive, and you can be part of the discussion forum here. Join us and tell where do you think the money must come from.

And if you think i deserve a small contribution for acquiring some gear, please, you’re really welcome to do it here. I’d appreciate it.

Com as generosas contribuições de alguns dos meus leitores consegui completar a primeira fase da minha recolha em crowdfunding, em poucos dias. Eu já lhes agradeci, mas vou ter que o fazer novamente, porque foram rápidos na resposta. Agora posso dizer que as minhas dívidas estão saldadas, e como tinha dito, não eram tantas como isso.

Agora a Fase II precisa de ser discutida, mas falaremos disso em detalhe mais tarde. Esta é também uma experiência em crowdfunding, e tenho que avaliar o estado das coisas.

Apesar de ter atingido o meu primeiro objectivo facilmente, fiquei surpreendido com duas coisas: houve menos doadores do que esperava, mas em média deram mais do que tinha previsto. Poucos, mas generosos.

Mas se eu quiser atingir uma quantia que dê para comprar algum equipamento video por exemplo, preciso de mais contribuidores, e não creio que eles apareçam. Primeiro porque não estou a dar nada em volta, nada palpável excepto o meu trabalho até agora. A minha ideia inicial era financiar uma reportagem, à Spot.us e depois vendê-la ou distribui-la de graça. Como disse, era-me impossivel fazê-lo sem resolver a minha situação, mas não chega. As pessoas precisam de algo de volta. O Mark Luckie está a vender t-shirts no seu site (catitas,tenho que dizer) e apesar de não saber como está a resultar, é uma ideia simples e apelativa. Comprem o que tenho, em vez de me darem para me aguentar.

Claro que as discussões agora andam todas à volta de modelos de negócio para jornais, jornalistas e blogs, e a minha iniciativa levantou algumas questões sobre como se sobrevive no online, desde um nível privado a corporativo. Por isso esta quinta-feira eu e o João Simão vamos organizar um debate no Twitter sobre crowdfunding, novos modelos de negócio, e como será o utilizador comum afectado pelas propostas na mesa: paywalls, donativos, crowdfunding, bailouts, pagamentos tipo itunes, etc. O que achamos que deve acontecer como jornalistas, e até onde queremos ir como utilizadores?

Para participar insiram nos vossos tweets sobre o assunto esta quinta, 19 de Fevereiro a tag #cfund. Podem seguir a conversa no site do João Simão  via CoverItLive, e usar o forum aqui. Juntem-se a nós e digam de onde deve vir o dinheiro.

E se acharem que mereço um pequeno contributo para adquirir algum equipamento, estão à vontade para fazê-lo aqui. Eu ficaria tremendamente agradecido.

Continue a ler ‘Debate: Crowdfunding – This Thursday | Esta Quinta-feira’

06
Fev
09

Top5 : Most annoying discussions | Discussões mais irritantes

Is Twitter Journalism? | O Twitter é Jornalismo?

BreakingNewsOn Twitter

BreakingNewsOn Twitter

To put an end to all this annoyance (i’m getting sick of this too) i’ll finish this series with the latest most buzzing debate about new media.

Is Twitter Journalism?

The real issue: never got it right (me and those who argue about Twitter and journalism). Twitter is for mainstream media what blogs were some years ago: something they don’t understand but had to get on board. And this time they’re doing it quickly. But once again some people are asking the wrong question.

Twitter is a channel. Hundreds, thousands of channels. If someone shares information with his followers, thousands of users can access to it in a matter of minutes if it’s retweeted. It’s viral, word of mouth to the highest power. And since it’s mobile the source can be at the scene of the event. Examples: Hudson River Crash, Mumbai, China earthquakes. In a matter of minutes thousands knew about it first than news agencies or local media knew or could react, even half world away. So this is the nature of Twitter: a powerful broadcasting and crowdsourcing tool. Well played it can be used to get and deliver  information. Of course, just like in the offline world, there are hoaxes, but as far as i remember it’s part of the journalists’ job to verify information.Twitter gives the first info, to be developed by other channels later.

Fortunately, as it becomes more mainstream, there is more advice on how to use it for journalism. It’s easy, addictive and powerful. It is people driven, and fast. It also has the feature of being eclectic: on my few hundreds of followers i have people from 3 continents and with different ages, backgrounds and interests. One thing most have in common, they’re Twitter addicts.

Twitter is not journalism, but it is a hell of a tool to help in the process.

Para terminar toda esta irritação (eu também já estou a ficar farto disto) vou acabar esta série com  o mais recente debate aceso sobre os novos media.

Será o Twitter Jornalismo?

A verdadeira questão: nunca percebi (eu e os outros que questionam o Twitter e o Jornalismo). O Twitter é para os media tradicionais o que os blogs foram há uns anos: algo que não percebem mas com que vão ter que alinhar. E desta vez estão a fazê-lo rápido. Mas mais uma vez vez estão a fazer a pergunta errada.

O Twitter é um canal. Centenas, milhares de canais. Se alguém partilhar uma informação com os seus seguidores, outros tantos milhares podem ter acesso a ela no espaço de minutos se for reenviada. É viral, boca a boca à máxima potência. E como é móvel a  fonte pode estar no local do acontecimento. Exemplos: amaragem no rio Hudson, Bombaim, terremotos na China. No espaço de minutos milhares de pessoas souberam o que tinha acontecido, antes das agências ou media locais saberem ou poderem reagir, mesmo a meio mundo de distância. Essa é a natureza do Twitter: uma  poderosa ferramenta de divulgação e pesquisa dentro de uma comunidade. Bem usada pode servir para distribuir e recolher informação. Claro que existem embustes, como no mundo offline, mas segundo me lembro, faz parte do trabalho dos jornalistas verificar informação.

Felizmente, à medida que se torna cada vez mais de uso comum, há mais conselhos sobre como usá-lo em prol do jornalismo. É fácil. viciante e poderoso. É movido pelas pessoas, e rápido. Também é ecléctico: tenho algumas centenas de pessoas a seguir-me em 3 continentes, com idades, origens e interesses diversos. Uma coisa a maioria tem em comum: são viciados no Twitter.

O Twitter não é jornalismo, mas é uma excelente ferramenta para o processo.

Continue a ler ‘Top5 : Most annoying discussions | Discussões mais irritantes’

27
Out
08

Jornalistas diplomados: Uma discussão brasileira.E não só.

Rogério Christofoletti abordou no seu blog uma discussão que vai assolando as classes jornalística e académica sobre a qualificação dos jornalistas. Não só o assunto é sensível para profissionais e empresas, como para o público, que segundo uma pesquisa da Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas do Brasil, quer ver mais jornalistas diplomados a exercer a profissão. O post e os comentários merecem ser lidos para se entenderem as várias vertentes desta discussão: a corporativa, a académica, a individual, a empresarial.

Gritaria na web
Na internet e entre jornalistas, estudantes e pesquisadores da área, o assunto tem rendido discussões acaloradas. No Observatório da Imprensa, todas as semanas, artigos são publicados e versões são confrontadas. Numa lista eletrônica restrita a professores e pesquisadores da área, o professor Marcos Palácios insistiu em discutir aprofundadamente a possibilidade de mestrados profissionalizantes serem uma alternativa na formação de quadros mais qualificados para a profissão. Em poucos dias, a mensagem de Palácios foi objeto de reações as mais diversas, quase todas muito, mas muito apaixonadas, fazendo prevalecer argumentos corporativos e questionáveis.

Na blogosfera, gente influente do mercado e da academia vem se posicionando. Carlos Castilho (Código Aberto), por exemplo, ressalta o fato de que as escolas de comunicação não têm sido capazes de formar profissionais que possam enfrentar os novos desafios do jornalismo, provocados pelas novas tecnologias.

Alex Primo, por sua vez, afirma que a defesa do diploma não poder ser uma defesa do diploma per se, mas da formação de qualidade dos profissionais. Marcelo Träsel pega o gancho e envereda para o impacto que as novas tecnologias vêm provocando na atuação cotidiana desses profissionais. Já Márcia Benetti criticou violentamente a morosidade da inteligentsia brasileira, esperando uma atitude mais pró-ativa na condução e elevação do nível dos debates. Cética, ela acha que a batalha no STF está perdida e com a desregulamentação no jornalismo, não só os jornalistas perderão.

discussão sobre o diploma está muito ideologizada


E em Portugal? Quantos jornalistas licenciados em Jornalismo temos? E estarão eles melhor preparados do que os que não são licenciados? Acho que é uma daquelas situações que não dá para fazer uma avaliação no geral, pois cada profissional é um caso. Mas já percebi desde cedo que, em grande parte das situações – particularmente a  nível local – ter uma licenciatura em jornalismo não vale de nada. E quantos casos conhecemos nós de pessoas em cargos de comunicação institucional com formação em outras áreas? Para mim, desde que sejam competentes tudo bem, mas acaba por tornar inútil a existência de formação especializada, não porque essa formação seja inútil, mas porque é desvalorizada pelas próprias empresas e instituições.

Vamos a um caso (hipotético) específico: o mundo financeiro está em crise, não é? É necessário que haja jornalistas especializados em economia para cobrir o tema. Ou um economista que saiba fazer jornalismo? É preciso que um jornalista desportivo tenha sido um atleta? A resposta é simples: ter formação dentro de uma área específica permite ao jornalista ter uma visão mais compreensiva sobre um dado assunto, logo poderá transmitir uma mensagem mais clara. O que quero dizer é que não é preciso que um jornalista seja licenciado em Jornalismo para exercer, tem é que ter a capacidade de cumprir tecnicamente e trazer uma mais valia com a sua formação original para o orgão de comunicação que o emprega, que até nem pode ser superior, tem é que ser válida e útil –  e muitas vezes baseada na experiência de trabalho.

Mas antes que me comecem a atacar, tenho que esclarecer uma coisa: os jornalistas devem ser formados em Jornalismo, e se parece que me estou a contradizer leiam melhor. A formação não implica uma licenciatura, e além disso, grande parte da aprendizagem faz-se com experiência de trabalho. O que um percurso universitário traz (ou devia trazer) é uma visão mais alargada não só sobre o mundo mas também sobre a profissão, e numa época de mudança para jornalismo como esta que atravessamos, nunca tais requisitos foram tão necessários.

Então como ficamos? Creio que as escolas têm a responsabilidade de ser melhores; creio que os alunos têm a obrigação de ser melhores; creio que as empresas têm que saber valorizar a formação de cada profissional, se possível melhorá-la, e compreender que se podem tapar buracos com pessoas sem formação específica em jornalismo – ou com maus jornalistas – mas o buraco persiste.

Outra das coisas que me chateia é a Carteira Profissional. A existir deveria ser mais simples de obter, e acho que é um hipocrisia. Quantos jornalistas em Portugal trabalham sem carteira profissional? E para os novos modelos de negócio baseados em freelancing como é que um jovem jornalista que fez um estágio curricular de 3 meses se lança no mercado sem a avalização de uma comissão que exige que a entrada no “clube” seja feita por apadrinhamento? E porque é que o estágio para obter a carteira definitiva é tão longo? Uma licenciatura não serve como comprovativo de capacidade do profissional, mas para alguma coisa deve servir.E para que funcione, teria que haver uma avaliação das empresas de comunicação, já que há directores de jornais que não cumprem regras, empresas que não pagam, gente com menos capacidade em cargos de gestão. Por isso, se querem certificar a base da pirâmide, tratem de a fiscalizar até ao topo.

Com o jornalismo do cidadão, a participação dos jornalistas em várias plataformas, e os novos problemas deontológicos e éticos que surgem todos os dias, estas questões tornam-se cada vez mais pertinentes. E vocês, o que acham?

Continue a ler ‘Jornalistas diplomados: Uma discussão brasileira.E não só.’

23
Maio
08

Leiam | Read: “Finding the ‘new new journalism’”

“I made this point at the very end of the evening, that much of the problem in news organisations is down to broken management structures and dysfunctional management techniques. Bad decisions are being made by people unwilling to listen to those with the knowledge, but who are several paygrades down the food chain. Good journalists do not always make good managers and, ironically, are not always the best communicators.”

The New New Journalism,Suw Charman-Anderson

O encontro do POLIS/LSE Media Group, dedicado aos novos caminhos do jornalismo, deu algumas opiniões interessantes. Percebe-se que existem muitas perspectivas diferentes e algumas até bastante controversas. Para ler e comentar aqui.

The POLIS/LSE Media Group event dedicated to the new paths for journalism gave some interesting opinions. It is clear that there are different perspectives, even a few quite controversial. To read and comment here.

“Information must be the master of the technology and not the other way round.”

“There is nothing at all essential, vital or needed about journalism. As technology develops, roles for editor and journalists will still exist, but the relationship will bear no resemblance to what they are now.”

“We’re in danger within journalism of losing and forgetting what it is that we do and what it is that we need journalism to do in society. Journalists are simply becoming information managers.”

Finding the ‘new new journalism’ , Laura Oliver – Journalism.co.uk

Continue a ler ‘Leiam | Read: “Finding the ‘new new journalism’”’

28
Fev
08

Corredor do Poder

Este é o novo programa de debate na RTP1. Para já, dois destaques: a ocultação cenográfica das câmaras para “tornar o debate mais espontâneo, embora as pessoas saibam que estão na televisão”; a participação do público: «Os espectadores podem gravar as suas questões e publicá-las no site do YouTube e na página do programa. “Quando pertinentes, serão incluídas no programa”».
Todas as quintas-feiras, a partir das 22.45.



I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 129,764 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Junho 2017
S T Q Q S S D
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930