Posts Tagged ‘rádio

27
Nov
08

Rádio Cidade: Rede social | Social Network

cena

Welcome to CIDADE FM’s SCENE! Here you’ll find: CIDADE FM staff- in the groups, in Messenger, in the blogs. They become your friends IMMEDIATELY. The crew that likes the music that suits you. You don’t come across with weird folks. The pics and blogs of the cutest people!

Quando estava a trabalhar aqui numa rádio local, falei com quem mandava no desenvolvimento de redes sociais como uma parte importante de qualquer empresa de comunicação. Na altura, disseram-me que isso era uma estupidez, e que a internet é uma brincadeira que o pessoal usa, mas como não dá dinheiro, não tem interesse. Essa rádio nem site tinha, mas também não tinha quase nada…

Por isso quando descobri que a CIDADE FM (uma rádio nacional com um público semelhante à minha local) tem uma rede social própria a la Hi5, lembrei-me dessa conversa e de como pensei que realmente estou numa corrente completamente diferente.Eu já tinha visto a puta da Matrix.

Toda a gente conhece a Cidade FM e quer se goste ou não do género, é preciso notar que eles estão à frente de muita gente. O que é que pensam da CENA?

When i was working here at a local radio, i discussed  with my superiors how developing social networks is an important item for any communication company. Back then, they told me that was stupid, and that the internet is all about fun and games for most users, and since it wouldn’t bring any money, it had no appeal. By the way, that radio station didn’t even had a website,or much of anything really…

So when i found out that CIDADE FM (a national radio that has a similar dance/pop music audience like the one i worked for) has it’s own Hi5-like social network, i remembered that conversation and how i felt i was in a totally different current. I had already seen the freaking Matrix.

Whether you like the kind of radio Cidade FM is or not, we must agree they have been quite successful, and are ahead of many.What do you think about it?

Continue a ler ‘Rádio Cidade: Rede social | Social Network’

18
Jun
08

Inquérito : O que pensas da rádio?

A Patrícia Batista está a realizar um inquérito sobre a relação que as pessoas têm actualmente com a rádio para um trabalho para a cadeira de Desafio dos Media, do mestrado em Publicidade e Marketing da Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa. Ajudem a divulgar e respondam até ao fim da semana.

Olá…
Gostaria, se possível, que me respondessem ao questionário que envio em anexo (e que é de resposta rápida ;))
Agradeço que abram o documento word, coloquem a cruz (x) na resposta escolhida (pode ser mesmo no meio da linha), e me reenviem o questionário com as respostas….
Confesso que tenho uma semana para recolher 140 respostas… E ainda não sei como vai ser possível…
Por isso peço a vossa ajuda… Reencaminhem este e-mail para os vossos amigos/colegas (com idades entre 20 e 35 anos) e peçam para devolverem os inquéritos para aqui.
Muito obrigada.

Patrícia Batista

Download questionario-radio

Continue a ler ‘Inquérito : O que pensas da rádio?’

17
Maio
08

TSF com novo site para breve

A TSF está a preparar um novo site mais adequado às novas tendências da comunicação online. A grande novidade é a aposta em conteúdos audiovisuais.


“Seguindo uma tendência dos media, a rádio, que completou vinte anos de existência em Fevereiro, vai apostar na colocação de audiovisual no site, utilizando imagens da Reuters e vídeos de futebol que serão cedidos pela SportTV. Também a própria equipa da rádio pretende alimentar os conteúdos audiovisuais do site, com a gravação de alguns programas e o desenvolvimento de grandes reportagens.

Para tal, a estação está a levar a cabo formação em técnicas de filmagem e edição de imagem. A componente vídeo terá destaque na página inicial, com ligação para uma secção específica de conteúdos multimédia.”

Via Público

Continue a ler ‘TSF com novo site para breve’

12
Maio
08

Um jornal já não é um jornal | A newspaper is no longer a newspaper

Um jornal passou a ser tudo inclusivé um jornal: hoje em dia é um canal para video, uma rádio online. Por aqui acreditamos que o futuro passa por criar sinergias com outros meios de comunicação e incorporá-los na vida de uma publicação.

Foi o que se fez no The Spokesman Review, que contratou dois profissionais de rádio (não foram dois estagiários tenrinhos, acabadinhos de sair da faculdade a ganhar o subsídio de alimentação,para trabalhar com um microfone de 5 euros e uma versão pirata do Soundforge), para fazer noticiários em áudio de dois minutos.

A newspaper can now be anything including a newspaper: nowadays it’s a video channel, an online radio. Around here we believe that the future goes through by creating synergies with other media and embedd them in the newspaper life.

That’s what happened at The Spokesman Review, that hired two radio pros (not two tender-fresh-out-of college trainees, making almost no money at all to work with a cheap plastic mic and a pirate version of Soundforge) to publish audio newscasts in two minute long editions.

Two veteran news radio broadcasters were hired and a state of the art radio news production studio was built in the newsroom. Our “radio guys” as they are affectingly called, have settled in without too many cultural adjustments. The workflow changes for people in the newsroom have been pretty minimal. Reporters are being asked to record audio sound bites from some of their stories. Occasionally they are interviewed for broadcast about stories they’ve reported on.

Radio from the newsroom

Palavras chave: veteranos, state of the art, construído. E contratados. O investimento parece compensar, infelizmente a maioria dos directores de jornais em Portugal parece pensar de outra forma, mas eles é que sabem, levam mais anos disto do que eu, e eu respeito a experiência dos mais velhos. É pena é que a teimosia e a surdez estejam associados à velhice.

O video também parece estar a tomar as redacções de assalto, pelo menos é o que diz este trabalho da Newspaper Association of America, que dá indicações sobre como se pode incorporar este formato numa redacção tradicional. A ler e a recomendar a quem não sabe destas coisas.

Keywords: veterans, state of the art, built. And hired. The investment seems to be paying off, but unfortunately most newspaper directors here in Portugal seem to think differently, but it’s their prerrogative, they have more years of this than i do, and i was taught to respect the experience of the elderly. It’s a shame that pigheadedness and being deaf are associated to old age.

Video seems to be taking the newsrooms by assault, at least that’s what is written in this work of the Newspaper Association of America, that is also a great guide on how to insert this format in a traditional newsroom.To read and recommend to those who still don’t know about it.

“Zooming In on Online Video: A Development & Growth Guide for Newspaper Web Sites” is intended to help newspapers of any size develop profitable video applications. The cost of entry to create quality video continues to decline while the success of online video continues to grow. As competition heats up for online video mindshare, newspapers have an excellent opportunity to leverage their skills and content and capture an even large share of online advertising spending.

Zooming in Online Video

Continue a ler ‘Um jornal já não é um jornal | A newspaper is no longer a newspaper’

09
Abr
08

Na Íntima Fracção da Noite

Francisco Amaral Quando, ainda no liceu, eu ouvia a TSF à noite na procura da música e da poesia que vinham numa Íntima Fracção, nunca imaginei como a vida haveria de me cruzar com a personalidade e a voz de um dos poucos heróis que tive na vida.

O Francisco tem uma personalidade especial, é inteligente e nunca tive uma conversa com ele que não durasse pelo menos umas duas horas,e que não fosse interessante. Foi complicado associar a pessoa ao mito que criei durante as horas que o ouvi, num programa de rádio que acho paradigmático numa certa forma romântica e poética de fazer as coisas. Quando comecei a trabalhar com ele num defunto canal de televisão por cabo, achei extraordinária a sua acessibilidade, o seu raciocínio, a sua generosidade. Como trabalhava directamente com ele num dos programas, pude observá-lo na prática de uma das minhas modalidades favoritas no jornalismo, a entrevista. Com ele tudo parecia fácil, pois o Francisco gosta muito de conversar e trocar ideias, de conhecer as pessoas e tirar delas o melhor que elas têm. Por isso achei natural que ele fosse dar aulas para a minha antiga escola, pessoas como ele são uma mais valia em qualquer instituição.

Infelizmente, e porque a vida dá muitas voltas, e o tempo que temos é sempre para quem está mais perto, acabei por perder o contacto com o Francisco Amaral, apesar de me sempre ter dito para recorrer a ele quando fosse preciso. Mas como o mundo é mesmo pequeno, foi a filha dele, a Inês, que acabou por ter uma influência decisiva para o que ando a fazer, quando numa formação de Ciberjornalismo, onde ela era responsável, me obrigou a questionar o que queria fazer da minha vida. Acho que foi a melhor pergunta que me poderiam ter feito na altura, pois a partir daí decidi recuperar o tempo perdido, e desbravar caminho. Recentemente recorri à Inês para me apoiar num dos meus objectivos correntes, e a generosidade que conheço naquela família mostrou-se bem presente.

E quando no blog da Inês soube que a Íntima fracção tinha ganho um espaço no site do Expresso, só pensei em duas coisas: que os jornais deviam ter mesmo programas de rádio; e que se devia haver um era a Íntima Fracção.

O Francisco já não é meu herói, porque os heróis precisam de alguma inacessibilidade, mas é uma pessoa que admiro e respeito muito, independentemente de todas as pedras que surgem pelo caminho. Hoje em dia não tenho hábito de o ouvir, mas se calhar é algo que devo reconsiderar. De qualquer forma, os meus parabéns, e um enorme obrigado ao Francisco e à Inês, apenas por terem partilhado uma fracção do meu caminho.


A Íntima Fracção completa hoje vinte e quatro anos.
Nesta data, novo rumo.

A partir de hoje o blogue e a distribuição ( gratuita) do programa passam para a versão online do semanário EXPRESSO.

Agradeço a todos os que me acompanharam até aqui e espero por vós (e mesmo por todos os que ainda não conhecem a Íntima Fracção …) no EXPRESSO online (link directo ao blogue da IF).

ATÉ LÁ (já …) !

Íntima Fracção – O regresso

Podcasting EXPRESSO – Íntima Fracção

Para quem nunca ouviu, aqui fica um programa:

http://aeiou.expresso.pt/users/0/14/IF8Abr08_717aa82c080b8dbbb33a15e4ab70dc8e.mpga

Continue a ler ‘Na Íntima Fracção da Noite’

24
Out
07

Rádio Zero, o gosto pela diferença

web_log_inv.pngHá gente que faz coisas diferentes na rádio. Inevitavelmente, é só nas rádios universitárias que isso acontece. Mas se algumas têm espaço nas ondas hertzianas, a Rádio Zero vive no éter virtual. E não é por causa disso que se fica atrás em qualidade, atitude e originalidade na sua programação. Com o início das aulas, esta rádio movida pela Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico fez a sua remodelação semestral e trouxe algumas novidades. Sempre com o objectivo de ser alternativa,criativa e, principalmente, livre.

Fiz-lhes uma pequena entrevista onde nos põem a par de quem são, o que mudou, e o que se vai passar a seguir.

Continue a ler ‘Rádio Zero, o gosto pela diferença’

12
Out
07

Má Entrevista? | Bad Interview?

Há coisas que nos escapam ao controlo. Numa entrevista o que se tem a fazer é investigar o máximo possível a pessoa a entrevistar, preparar as perguntas, ter margem para improviso e rezar para que as coisas corram bem, isto é, que o entrevistado não se estique demasiado, ou (pior que tudo) não diga quase nada.

Na NPR, os Sigur Rós estão classificados como “impróprios para entrevistar”. Nesta situação, deixo a vocês a avaliação de quem tem a culpa.

______________________________________________________________

Some things just go out of control. For an interview what we must do is to investigate the subject as much as possible, prepare your questions, have some space to improvise, and pray for a smooth conversation, where the interviewee doesn’t take over or (worst case scenario) stays mute.

At NPR, Sigur Rós are considered as to “never invite them on your radio show“. On this situation, the attribution of blame is up to you.

 

Vodpod videos no longer available.

from www.npr.org




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 129,276 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

Top Clicks

  • Nenhum

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Março 2017
M T W T F S S
« Out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031