Arquivo de 30 de Setembro, 2008

30
Set
08

A regulação dos blogs

E os bloggers do futuro?

E os bloggers do futuro?

Já falei aqui da discussão no Parlamento Europeu sobre o estatuto dos blogs, mas o Carlos José Teixeira e o Paulo Querido, que já andam nestas coisas há algum tempo, dão a sua opinião sobre o assunto em dois textos, um no Fractura.net, o outro no Expresso Online. Se a questão agora parece criar ruído na blogosfera, o que questiono é como uma regulamentação irá afectar os bloggers do futuro. Terão que criar um Blog-Na-Hora,num qualquer balcão institucional virtual?

A minha primeira impressão acerca do assunto tem já alguns anos e sustentava uma teoria de auto-regulação, isto é, algo que iria funcionar no ecossistema de forma a sustentar os blogues com melhor conteúdo, o que seria premiado pelas visitas e leituras, tornando-os cada vez mais influentes. Já estão a ver a que ponto ia a minha inocência.
Seguidamente, comecei a pensar que esta situação rapidamente levaria à cristalização da blogosfera em meia dúzia de espaços centrais e uma miríade de blogues satélite a lutar por um espaço ao sol na cacofonia da discussão e da endolinkagem. Já não me enganei assim tanto.
Neste momento, já não sei o que pensar acerca da forma de regulação da actividade, excepto que, como diz o Paulo, esta é necessária.

O problema da blogosfera é o de esta ser uma actividade social em quase todos os sentidos do termo. Composta na sua grande maioria por seres humanos, a blogosfera transmite incessantemente informação da mais variada espécie. Existe de tudo um pouco, desde o blogue das bundas gostosas ao da filosofia mais vanguardista, desde o humanista ao nazi.
Como sistema de divulgação das mais variadas vozes, amplifica e reproduz exponencialmente cada uma delas até ao infinito, ou pelo menos até onde as hiperligações a levarem.
(…)Também sabemos que os blogues não são todos iguais e que a forma de recompensa que estes obtêm se relaciona com os mais díspares algoritmos e com frequentes factores que nada têm a ver com a qualidade do conteúdo. Exemplos disso não faltam por aí.
Muito sinceramente, não gosto lá muito de me ver conotado com algum tipo de blogosfera que por aí circula.
A somar a isso há a aceitação de um blogue pela restante blogosfera. “Abençoá-lo”, por assim dizer. Fazer com que este deixe de ser um local obscuro e trazê-lo para a luz.
A blogosfera, sabê-mo-lo, é uma imensa casa de putas. E difícil.
Queiram-no ou não os bloggers, e a maioria afirma claramente, aos GRITOS, que não, a clarificação do seu estatuto é inevitável. Comes with the job. Vem com a responsabilidade crescente que os blogues, ou alguns deles pelo menos, ocupam na esfera comunicacional.
O cuidado da ERC em dialogar com a blogosfera é, numa primeira leitura, o próprio reconhecimento desse estatuto. Estatuto que aliás alguns autores buscam afanosamente, na ânsia de serem figuras interventivas, líderes de opinião e spinners merecedores de salário. Mas ao mesmo tempo parecem querer rejeitar os deveres de tais condições.
Ora, não há estatutos grátis.
Será o início da institucionalização dos blogs, depois da corporativização? Seja lá o que for que aconteça no futuro, a regra terá que ser sempre a manutenção da liberdade de expressão, independentemente dos pontos de vista defendidos por cada indivíduo. E todos conhecemos o caso americano e as suas hipocrisias, que deverá ser um exemplo a não seguir. O mercado das ideias funciona como qualquer mercado, sob a lei da oferta e da procura. Se o objectivo é regulamentar os produtos, bem, adeus queijo da serra amanteigado, que a ASAE dos blogs vem aí. Prefiro dez mil idiotas aos berros do uma pessoa inteligente amordaçada.
Mas não deverá ser caso para tanto, o meu maior receio é ver pessoas que não entendem um determinado assunto deliberarem sobre ele com valor de lei, assentes em preconceitos e na ignorância. A Internet é o grande espaço em que uma anarquia saudável é possível, e a credibilização dos seus personagens deverá acontecer entre os seus pares. Lembram-se da pornografia há 5 anos atrás? De conteúdo principal e de eleição online passou a mais um conteúdo, perdendo o lugar para as relações sociais. Se é isso que querem regulamentar agora, assim como a expressão individual, então, meus amigos, estamos no mau caminho.

Continue a ler ‘A regulação dos blogs’

30
Set
08

Links 30-09-08

Once and for all – Jeff Jarvis BuzzMachine

Bloggers aren’t journalists. True and false. The Pew Internet & American Life survey says only a third of bloggers consider what they do journalism. But today any witness can perform an act of journalism, giving us more eyes on society – which journalists should celebrate.

People are rude on the internet. True. They’re rude in life, but perhaps more so online, thanks to anonymity. But we all know who the idiots are. The smart response is to ignore the stupid.

The internet has no ethics. True. It no more has a moral code than a telephone wire, a car, or a knife. We who use it bring the ethics and laws we live under already.

Opinion: The integrated newsroom business model doesn’t add up – Editor’s Weblog

There is an interesting article today on the Monday Note site today that examines the new newsroom business model. The author, Frederick Filloux, was part of the team behind 20 Minutes and spent 12 years at Liberation, ultimately becoming the Editor-In-Chief. He now works as editor for the Norwegian group Schibstead.

He puts together some insightful figures about the cost of a newsroom:

* Cost of a journalist (including benefits and expenses = €60,000
* Total cost of running a newsroom =  €10 million
* Per month costs = €830,000
* Average revenue per unique visitors per month appears = €0,10 to €0,25
* €830,000 costs requires 8.3 million Unique Visitors per month to break-even
* French 20 Minutes made €45m in 2007. Each reader generates €18 per year for the newspaper.
* Online site readers generate approximately €1,2 per year (if well-read site)


Newspapers: Vanishing faster than you think – Ryan Sholin, Invisible Inkling

These are the basics, the givens, of the post-industrial knowledge economy:

  1. There is no mass audience.
  2. There is no barrier to publication.
  3. The cost of operating legacy organizations increases indefinitely as profit decreases indefinitely.
  4. There is nothing cyclical about this change.

Trifecta for success in the new new journalism – Mindy McAdams

There’s more to this brave new world of journalism than technology skills.

Business sense will play a large role in the rest of your career, whether you are a journalism student or a seasoned veteran.

If journalism students graduate without an understanding of how editorial, business, and technology work together, “you have not prepared them for the world they are entering,” Mitch Gelman, senior vice president of CNN.com, told a group of journalism educators in Los Angeles on Friday.

Why ‘Friending’ Will Be Obsolete – Jeremiah Owyang

Every few days, (or hours) you probably get a friend request of some sort, the good news is, someday, this will not be relevant.

I just got finished watching this video of Renato of “E”, a device and software platform that allows you to phsyically gesture in the real world with people you meet that you are friends. Remember palm pilot back in 2001 that let you ‘beam’ contact info to each other? Similiar to that, but now with more ’social’ context.

Thinking forward a few years, “friending people” whether in Facebook, Plaxo, or will no longer be an activity that we’ll have to do. Intelligent websites (and their data) will be able to determine who our friends are from our behaviors, context, and preferences, without us verbally (or physically) having to indicate so.

Continue a ler ‘Links 30-09-08’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 131.777 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

Top Clicks

  • Nenhum

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Setembro 2008
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930