Posts Tagged ‘rosental alves

16
Dez
08

Vista sobre um congresso

congresso-002A convergência foi o principal tema do I Congresso Internacional de Ciberjornalismo, a que assisti nos dias 11 e 12 de Dezembro, no Porto. Como o programa foi muito extenso (no total foram quase 20 horas de congresso em dois dias) não vou ser exaustivo no que foi discutido, mas podem ter mais pormenores no blog do congresso, na cobertura via Twitter e no JPN. As fotos que tirei estão aqui.

Dia 1

O primeiro destaque vai para Ramon Salaverria, que foi apresentar a sua análise de casos paradigmáticos  de convergência em quatro grupos de comunicação, tema que é abordado no seu livro que está para ser lançado , intitulado “Integrated Journalism”.

Salaverria defendeu que a convergência é um processo dinâmico, e que não é o mesmo que integração, que acaba por ser um resultado eventual dessa convergência. Todo esse processo implica várias esferas, desde a empresarial à tecnológica, como da profissional à dos conteúdos.  O que fica é a marca e o conteúdo onde antes se dava o valor ao meio, apesar do “meio” ser agora um dos principais desafios para os produtores de conteúdos .  O investigador da Universidade de Navarra disse ainda que “a convergência não é a panaceia para todos os males”.

O primeiro dos cinco painéis dedicados  a apresentações mais curtas – e que no geral precisavam de mais tempo para serem melhor degustadas – foi dedicado aos desafios da convergência. Houve as perspectivas práticas de Sérgio Gomes  do Público.pt e de Nuno Vargas sobre a remodelação do  JN Online, dois trabalhos sobre comunicação individual e a participação dos utilizadores nos media digitais, de Catarina RodriguesLuís Miguel Loureiro (que me parece estar a fazer uma tese muito interessante). Pelo meio foi apresentado o Verbatim, uma ferramenta de recolha de citações,  com utilidade óbvia para investigação, criada  por Luís Sarmento (NIAD&R) e Sérgio Nunes (FEUP) no contexto de uma colaboração entre a Universidade do Porto e o SAPO Labs.

A sessão da manhã foi encerrada com a apresentação dos resultados da tese de Hélder Bastos, que se propôs a definir as características dos ciberjornalistas portugueses, e, por consequência, o estado do jornalismo online em Portugal (a ler, a entrevista que  me concedeu em Fevereiro). Das diversas conclusões que se tiram do trabalho de Hélder Bastos, o que se nota é uma minoria a carregar o futuro às costas, mas como ele disse “quando não há dinheiro, não há milagres.”

Beth Saad, da Universidade de S.Paulo, fez uma apresentação muito completa sobre o ciberjornalismo e que impacto têm as ferramentas de média social, que é o mesmo que dizer, como jornalistas e utilizadores se relacionam no jornalismo actual. Ambos os papéis estão em evolução, e a entrar em territórios que  eram exclusivos, o que leva à perca de controlo sobre os conteúdos por parte dos media. As mudanças começam nos utilizadores mas prosseguem nos jornalistas e nas empresas. Isto faz parte, segundo Saad, de um processo colectivo de mudança cultural.  Beth Saad colabora no blog Intermezzo.

Seguiram-se os painéis 2 e 3, que tiveram 13 apresentações em 3 horas. Ora como a opção foi apresentar tudo na mesma sala em vez de ter sessões paralelas, é difícil poder falar em pormenor de qualquer uma delas, apesar de ir fazer um esforço em tentar obter os papers e slideshows das que mais me interessaram. Nesse aspecto praticamente todos os participantes se mostraram disponíveis para partilharem esses ficheiros, o que permitirá uma melhor apreciação do seu trabalho. Dez minutos era manifestamente pouco, e nada se faz bem a correr, a não ser correr mesmo.

A piéce de resistance do dia acabou por ser a intervenção de João Canavilhas, da Universidade da Beira Interior. Eu, do que conheço do trabalho de Canavilhas, não me senti minimamente defraudado com a sua conferência. É um investigador brilhante e pouco ortodoxo, e conseguiu cativar uma audiência cansada, com os seus “5 W & 1 H para o jornalismo na web”.  Podem ler um resumo da sua intervenção aqui, mas vejam também o vídeo abaixo.

Canavilhas não vai em modas e disse que o jornalismo do cidadão não existia, comparando o Guggenheim do arquitecto Frank Gehry e um bairro de lata: “Isto é arquitectura do cidadão?” O efeito cómico foi excelente, e foi eficaz na definição da perspectiva de Canavilhas, que fundamentou claramente porque é que acha que o jornalismo do cidadão não existe. Eu discordo, claro. Amigos na mesma. Essa vai ser aliás uma das questões que lhe vou ter que fazer quando o entrevistar (estou para o fazer desde a Páscoa…). Foi-lhe atribuída uma citação que acho que está incorrecta, ou pelo menos, descontextualizada. No JPN é citado “os jovens lêem cada vez menos”, mas creio que ele estava a referir-se a formatos: “menos em papel”. Nunca se consumiu tanta informação escrita como hoje. Agora se ele se estava a referir a ler com olhos de gente isso é outra história.

No final do dia – que já ia longo – Fernando Zamith lançou o seu livro “Ciberjornalismo – As potencialidades da Internet  nos sites noticiosos portugueses”, uma obra que analisa a real utilização dos meios digitais em Portugal pelos media, e que é a materialização da sua investigação nos últimos anos.

convite_livro_c.jpg

Dia 2

O segundo dia começou com a presença virtual de Hamlet Au, o repórter do Second Life. Na realidade, Hamlet Au é o avatar de Wagner James Au, que nos explicou através da moderação de  Paulo Frias, da Universidade do Porto,  como faz jornalismo no mundo virtual do Second Life, quais são as suas dificuldades e porque é que é um meio tão interessante para desenvolver a sua actividade.

Paulo Frias em diálogo com Hamlet Au

A seguir, mais dois painéis a correr, um dedicado a Jornalismo e Bloguismo, o segundo a Inovação e empreendedorismo. Deste destaco a apresentação do projecto  ogolo.pt, um site desportivo exclusivamente online desenvolvido por três alunos da UP, e que será lançado logo no dia 1 de Janeiro de 2009. A ter em atenção.

Para acabar a manhã em beleza Mário Tascón (Dixiered, 233grados.com – que é o mesmo que dizer Fahrenheit 451) fez uma apresentação excelente sobre o futuro dos e os jornais do futuro, cujo resumo pode ser lido aqui. Entre referências à campanha de Barack Obama usando ferramentas de social media e que futuro irá dar à comunidade que criou online (que eu anotei no meu caderno como a era 2.0bama), Tascón levantou um pouco o véu sobre o seu novo projecto, o Proyecto i, ainda no segredo dos deuses.

Depois de almoço Fernando Zamith apresentou com Catarina Osório os resultados do seu estudo sobre o uso de ferramentas web pelos sites noticiosos portugueses. Parece que o panorama geral melhorou, mas ainda há muito a fazer. Os parâmetros eram semelhantes ao Índice de Interactividade que fiz para o OJB.

A seguir foi a entrega dos Primeiros Prémios de Ciberjornalismo. Tinha duas amigas nomeadas, e uma ganhou, foi a Sandra Oliveira do Público, na categoria de Breaking News com o assalto ao BES. As imagens foram usadas por muita gente que não atribuiu o crédito ao Público.pt quando passaram as imagens. É um precedente grave e uma enorme falta de respeito. Mas cada um monta os telhados de vidro que quiser. Os meus parabéns para a Sandra. Aqui ficam os vencedores:

Sérgio Gomes do Público.pt recebe o prémio de Excelência Geral em Ciberjornalismo

Mark Deuze via Skype

Mark Deuze ligou-se em directo via Skype para falar de “Jornalismo e Novos Média: Talento, não Tecnologia”  (leiam o resumo), e que partilhou uma história fantástica sobre o Público Online,que se alguma vez puderem, peçam para vos contar. A frase dele que mais ressoou foi: “qualquer jornalista feliz e apaixonado pelo seu trabalho vai produzir notícias melhores e mais relevantes para a comunidade” e aconselha sempre os seus alunos a “não tirarem cursos que os façam empregados de uma organização noticiosa, mas sim que os façam criar o seu próprio projecto”.

Para terminar em beleza, o congresso terminou com a apresentação de Rosental Alves, o professor  da Universidade do Texas-Austin, que deu o workshop de Jornalismo Digital a que assisti em Junho, no Summer Institute. Numa conversa prévia o professor Rosental já me tinha avisado que eu conhecia a matéria, mas aprende-se sempre algo de novo. Para além do conteúdo científico, a forma como a conferência é apresentada – de forma descontraída e bem disposta, cheia de provocações especialmente dirigidas a João Canavilhas por causa do jornalismo do cidadão -  fez com que fosse o melhor final para um Congresso de óptima qualidade.

No encerramento, Fernando Zamith, como organizador , não se quis comprometer com a realização de um segundo congresso para o ano, mas existe vontade e também necessidade de se realizarem mais eventos deste tipo. Eu por mim volto lá.

Notas finais

O que posso concluir destes dias na bela cidade do Porto é que há sinais de mudança no panorama jornalístico português, uma mudança tímida e insegura, mas que está a ser feita por professores, alguns profissionais, e muito poucas empresas. Pode-se dizer que há realmente quem faça um verdadeiro jornalismo online e de convergência em Portugal? Contam-se pelos dedos de uma mão.  Há muito para fazer, mas é preciso que os directores e os proprietários conheçam estas novas realidades. E eu não vi ninguém lá  que não estivesse de certa forma já ligado ao ciberjornalismo.

Foi também uma oportunidade de (re)encontrar algumas pessoas, como o Hélder Bastos e o professor Rosental Alves, mas o tempo foi curto. Mesmo assim houve tempo para ouvir alguns conselhos, que eu agradeço. No fundo não me deixei de sentir um outsider devido ao meu percurso profissional acidentado e ao facto de não ser um académico, mas não quero dizer que isso é mau. Discordei com muita coisa que foi dita e vi apresentações que para mim já não se aplicam à realidade que está mesmo aí. Estarei errado ou apenas mais à frente? Não me interessa, apenas estou.

Tenho que agradecer aos meus amigos que me receberam em casa deles para comer, beber e dormir,  e à Vanessa Quitério, que foi de Coimbra para assistir ao congresso no Porto, e que foi a minha companhia por lá nesses dois dias. Graças a ela e ao seu portátil pude twittar parte do congresso (obrigado Vanessa!). É um exemplo que fazer amigos nas redes sociais pode ser positivo. Ainda fomos ao Nortweeters mas foi mesmo assim de repente. Para a próxima vez tem de ser com mais calma…

Fico à espera do próximo.

25
Ago
08

A reinvenção dos diários | Dailies re-invention

Los periódicos luchan por evitar la caida de ventas

FOTOGRAFIA | PICTURE - ÁLVARO GARCÍA - 23/08/2008 - El País

Juan Varela escreveu um post importante sobre o futuro e a renovação dos jornais diários a partir de um artigo de Ana Carbajosa para o El País ,sobre a  crise epidémica que afecta  os jornais  por todo o mundo.

De destacar nesse artigo a frase de Rosental Alves – professor na Universidade de Austin ,Texas, e orientador do workshop de Jornalismo Online a que assisti em Junho: “Sim, o jornal da era industrial está a morrer. Mas o que morre é apenas o de papel, como hoje o conhecemos. Dará lugar a um novo modelo.”

Juan Varela tenta responder em vários pontos à  seguinte questão: o que devem fazer os diários para sobreviver? Uma leitura obrigatória.

Em espanhol.Via @lolacomomola

Juan Varela wrote an important post about the future and renovation of daily newspapers, starting from an article by Ana Carbajosa for El País . about the epidemic crisis that is affecting newspapers all over the world.

I highlight in that article the quote by Rosental Alves – a University of Austin, Texas professor, and also the teacher at the Online Journalism workshop i attended last June: “Yes, the Industrial age newspaper is dying. But what dies is the one made out of paper as we know it today. It will give place to a new model.”

Juan Varela tries to answer in several points to the following question: What should dailies do to survive?

A must read post, in spanish only.Via @lolacomomola

¿Qué deben hacer los diarios para sobrevivir?
Es la pregunta que cada día nos hacemos periodistas, editores y muchas personas relacionadas o interesadas en el periodismo y el negocio de la información. El negocio de la información en internet crece demasiado despacio y se reparte entre más medios. Pero además se invierte muy poco dinero del nuevo negocio digital en información de calidad.
La pregunta no es si la prensa puede sobrevivir, sino cuál es el nuevo modelo de negocio necesario para la producción de información de calidad. Que viva o no el papel es irrelevante. Lo importante es que acaba una era en la que los diarios han liderado la producción de información de calidad. Las televisiones sólo lo han hecho muy parcialmente y la mayoría nunca han conseguido la potencia informativa de los grandes diarios. Y en un negocio donde la verdadera libertad de información ha pertenecido sólo a quienes tenían los recursos financieros para pagarla.
Unos lo han hecho con mayor independencia y responsabilidad social que otros, pero los últimos años, con la explosión de la convergencia multimedia, sus necesidades financieras, la concentración de medios y el hambre insaciable de los inversores por las rentabilidades desmesuradas han erosionado la credibilidad de los medios y su capacidad para invertir en innovación, tanto económicamente como en predisposición profesional.
Pero esa era acaba. Bienvenidos a otra de nuevas oportunidades y, como siempre, grandes desafíos y unas cuantas víctimas.
Más allá de los diagnósticos explicados en el artículo citado y en tantos otros, algunas ideas clave que guían mi trabajo sobre el futuro de la información y los medios.

La reinvención de los diarios

Continue reading ‘A reinvenção dos diários | Dailies re-invention’

16
Jun
08

Summer Institute 08: Dia 1 | Day 1

http://blogs.zdnet.com/open-source/images/titanic-sinking-from-thinkquest.gifhttp://www.meridianmagazine.com/sci_rel/images/moses_red_sea.jpg

Jornalismo: desgraça ou esperança? | Journalism: dread or hope?

Pois é, já começou o workshop de Jornalismo Online, inserido no Summer Institute 08, e orientado pelo professor Rosental Alves. Tirando a minha desorientação na cidade de Lisboa, o primeiro dia foi muito bom. Primeiro porque encontrei algumas pessoas de quem já falei aqui no Lago – o Paulo Nuno Vicente e o António Granado – e porque as experiências profissionais e background dos participantes são muito variadas(jornalistas e não só), o que promete tornar a discussão muito abrangente. Depois, Rosental Alves tem um percurso muito rico e é tremendamente simpático, o que torna as aulas muito interessantes e muito agradáveis de seguir.

Hoje basicamente foi um dia para apresentações, tanto do programa como dos participantes, e introdução ao tema do Jornalismo Online. Passo a partilhar algumas das notas que tirei, embora ao vivo tenha sido muito dinâmico para um primeiro dia:

Começámos por falar dos novos paradigmas impostos pela Revolução Digital, que tem dois precedentes históricos, Guttenberg e a Revolução Industrial, pela forma como alteraram a produção e divulgação de conteúdos, e as suas consequências a nível social e político.

Referiu-se Jim Moroney, do Dallas Morning News, que num simpósio em Austin apontou o período de 2002 a 2012, como o de maiores transformações nos jornais americanos (entenda-se crise). Para tal temos duas imagens: o Titanic a afundar-se ou a divisão das águas do Mar Vermelho (leia-se desespero ou esperança, porque estes são os dois estados de espírito presentes na indústria).

Na transição da Sociedade Industrial para a Sociedade de Informação, rompeu-se com a comunicação de massa, vertical, unididreccional, fechada, para um outro modelo, mais personalizado, interactivo. Os mass media complementam-se com a massa dos “eu-media”, numa simbiose que ainda ainda está no início e com resultados ainda imprevisíveis. Muito ainda consideram a Internet como apenas mais um meio, mas é mais do que isso. De notar que os telemóveis vão ultrapassar os computadores como postos de acesso à web.

Processo de Mediamorfose

A seguir abordámos as ideias de Jeremy Tunstall, que diz que a cada 20 anos surge um novo meio de comunicação. Pegando neste conceito, Roger Fidler desenvolveu seis princípios, considerando que , de cada vez que surge um novo meio tão poderoso que parece que vai acabar com os restantes, os outros acabam por se adaptar. Os seis princípios são:

  1. Co-evolução e coexistência;
  2. Metamorfose;
  3. Propagação;
  4. Sobrevivência;
  5. Oportunidade e necessidade;
  6. Adopção atrasada;

Se quiserem saber mais pormenores, sigam este link (ficheiro PowerPoint). Rosental Alves discorda da ideia de metamorfose e apresenta a ideia de mediacídio. Basicamente, durante o processo de absorção de todos os meios existentes pela Internet, alguns sobrevivem, outros não. A opção ou é a hibridização dos meios digitais e tradicionais ou a sua morte (lá está o Titanic).

O Jornalismo Online é ponte entre a Era Industial e a Era Digital para a indústria, pois mudam os modelos de negócio graças esta ruptura tecnológica, embora não haja garantias que resulte. Para o fim, ficámos de ver o Huffington Post como um exemplo desta transição. E é isso que vou fazer. Assim que puder, escrevo mais sobre o que se vai passando no workshop.

Oh yeah, the Onlline Journalism Workshop inserted in the Summer Institute 08, and lectured by professor Rosental Alves has begun. Aside my disorientation in the city of Lisbon, first day was great. First of all because i got to meet some people that i had already talked about here at the Lake- Paulo Nuno Vicente and António Granado – and the participants professional experiences and background are quite different (journalists and others), which makes discussion really promising. Then, Rosental Alves has a very rich history and he is terribly nice, which makes the classes very interesting and pleasant to follow.

Today was basically dedicated to presentations, of the program and of the participants, and to an introduction to Online Journalism. I’m sharing now with you some notes i took, though things were quite dynamic live, even for a first day:

We started to talk about the new paradigms imposed by the Digital Revolution, that has two historical precedents, Guttenberg and the Industrial Revolution, by the way they changed production and dissemination of contents, and their consequences on social and political levels.

There was a reference to Jim Moroney, from the Dallas Morning News, that at a conference in Austin pointed out the period between 2002 to 2012 as the one with the biggest transformations for american newspapers (i.e. crisis). We have two good images for that: the sinking Titanic or the parting of the Red Sea (this means despair or hope, which are the two main mindsets that coexist presently in the news industry).

During the transition from the Industrial to the Digital Society, there was a break with mass communication, more vertical, one way, closed, to another model, more costumized, interactive. The mass media are now complemented by own media, in a symbiotic process that it is still at the very beggining, and with unpredictable results. Many still conder the Internet as just another medium, when it really goes beyond that. It was noted that cell phones will overcome computers asthe main devices to access the web.

MediaMorphosis

We then discussed the ideas of Jeremy Tunstall, that says that every 20 years a new medium appears. Taqking on this concept, Roger Fidler developed six principles, regarding that every time a new medium comes is so powerful that it seems that will finish all the others, yet they do seem to adapt. The six principles are:

  1. Co-evolution and coexistence;
  2. Metamorphosis;
  3. Propagation;
  4. Survival;
  5. Opportunity and need;
  6. Delayed adoption;

If you want more details on this follow this link (PowerPoint file). Rosental Alves disagrees with this idea of metamorphosis and presented the concept of mediacide. Basically, during Internet’s absorption process of the existing media, some survive, and some don’t. The alternatives are the hybridization of digital media with traditional media or their death (there’s the Titanic).

Online Journalism becomes the bridge between the Industrial Age and the Digital age, because business models have changed thanks to this technological shift, though there are no guarantees it might work. Finally, we set the Huffington Post as an example of this transition. And now i have to analyze it. As soon as i can i’ll write more about what is going on during the workshop.

Continue reading ‘Summer Institute 08: Dia 1 | Day 1′

14
Jun
08

A caminho de Lisboa | Off to Lisbon

A partir desta segunda-feira, e durante duas semanas, vou estar em Lisboa para uma formação de Jornalismo Online promovida pela Universidade de Austin.O professor Rosental Alves vai ser o orientador, e pelo que vi do programa que ele enviou aos 12 escolhidos parece-me que vai ser mesmo muito bom.

Por isso, durante uns tempos vão haver menos posts, mas os que fizer estarão relacionados com o workshop, para partilhar com vocês o que vou fazendo e aprendendo.

Se estiverem pela capital, digam alguma coisa, há gente daqui que gostava de conhecer pessoalmente -havendo tempo- ou então enviem sugestões sobre o que se pode fazer em Lisboa na segunda quinzena de Junho, com um Campeonato Europeu de futebol pelo meio.

De qualquer forma, a única coisa que espero destas duas semanas é aprender muito e divertir-me mais. ;)

From next monday, and for about two weeks, i’ll be in Lisbon to attend to a Online Journalism Workshop, promoted by the UT – Austin. Professor Rosental Alves will be lecturing, and for what i’ve seen of the syllabus that he sent to the 12 chosen it seems to me that is going to be really great.

So, during the following days there will be fewer posts, and the ones i’ll write will be related with the workshop, to share with you what i’m learning and doing.

If by any chance you are around those parts, let me know, there are some of you that i’d like to meet in person – if i have the time – or send your suggestions on what can i do in Lisbon in the second fortnight of June, with a Euro Cup in between.

Anyway, the only thing i expect from these two weeks is to learn a lot and have even more fun. ;)

Syllabus:

O propósito deste workshop é preparar estudantes para trabalhar como jornalistas em sítios de notícias da Internet e/ou desenvolver actividades académicas relacionadas com o impacto das tecnologias digitais no jornalismo.

Durante este seminário, vamos estudar os efeitos da Revolução Digital sobre a prática e o consumo do jornalismo, a partir das experiências de diferentes países e comunidades. Entre esses efeitos, vamos examinar o surgimento e a evolução do jornalismo online; a busca de novas narrativas jornalísticas que aproveitem características da World Wide Web, como a hipertextualidade e a multimídia; fenômenos contemporâneos, como os blogs e as redes sociais; a transformação das audiências passivas da era industrial em redes ou comunidades ativas; o conteúdo gerado pelos usuários (o fenômeno Pro-Am); novas práticas como crowdsourcing e database journalism; a ruptura dos modelos de negócio da mídia tradicional e a tentativa de criar novos modelos; etc.

Continue reading ‘A caminho de Lisboa | Off to Lisbon’

19
Mai
08

Summer Institute 2008 : Fui seleccionado | I’ve been selected

Eu falei disto há umas semanas, e aproveitei a oportunidade e inscrevi-me também. Acabei por ser um dos escolhidos para participar no workshop de Jornalismo Online (descrição abaixo). Isto significa que vou estar em Lisboa no próximo mês de Junho, a partir do dia 16 até dia 26. Se quiserem combinar alguma coisa digam.

Acima de tudo é uma oportunidade excelente de enriquecer a minha formação, num programa prestigiado. Ainda por cima é gratuito. Se foram também seleccionados ou conhecem alguém que foi, digam qualquer coisa.

I talked about this a couple of weeks ago and i applied for a placement too. I was one of the selected applicants to the Online Journalism workshop (description below). This means i’ll be in Lisbon next month from the 16th to the 26th. If you want to meet me there let me know.

Above all this is an excellent opportunity to learn more, in such a prestiged program. And it’s for free. If you were selected too or if you know someone who did, let me know.

Online Journalism Workshop

Through practical assignments, analysis of successful cases and specialized literature, this workshop will examine the transformations journalism currently faces in order to meet the Digital Revolution, particularly in what concerns the search for a multimedia language.

Rosental Alves

Alves began his academic career in the United States in March 1996, after 27 years as a professional journalist, including seven years as a journalism professor in Brazil. He moved to Austin from Rio de Janeiro, where he was the managing editor and member of the board of directors of Jornal do Brasil, one of the most important Brazilian newspapers. Alves worked for that paper for 23 years.

He was chosen in 1995 from approximately 200 candidates to be the first holder of the Knight Chair in International Journalism, created by a $1.5 million endowment from the James L. and John S. Knight Foundation. In 2002, Alves received a $2 million grant from the Knight Foundation to create the Knight Center for Journalism in the Americas, a four-year project to work in training programs with journalists from Latin America and the Caribbean. The Knight Center is based at the School of Journalism in Austin, but reaches thousands of journalists throughout the hemisphere.

For more than a decade, Alves was a foreign correspondent based in Spain, Argentina, Mexico and the United States, working for Jornal do Brasil. In 1991, he created the first online, real-time finance news service, the first of its kind in Brazil. And in 1994, Alves managed the launching of Jornal do Brasil’s online edition, making it the first Brazilian newspaper available on the Internet.

At the University of Texas at Austin, Alves has three basic areas for teaching and research: international reporting (emphasizing the work of foreign correspondents), journalism in Latin America (especially the struggle for a free press in the hemisphere), and Internet journalism (the creation of a new genre of journalism for the digital medium). He created the first class on online journalism at UT in the 1997-98 academic year. Alves has been a frequent speaker in conferences and has conducted numerous workshops in several countries to train journalists and journalism professors on the use of the new medium.

Summer Institute 2008

Continue reading ‘Summer Institute 2008 : Fui seleccionado | I’ve been selected’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,765 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Out    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.