Posts Tagged ‘despedimentos

04
Mar
09

Journalists’ demonstration | Jornalistas manifestam-se

Paulo Pimenta - Público

Around a hundred and fifty journalists and other journalism related  professionals gathered in front of the headquarters of Jornal de Notícias in Porto, as a protest to the layoff process imposed by ControlInveste two months ago.

Cerca de centena e meia de jornalistas e outros profissionais da área juntaram-se à frente da sede do JN no Porto em protesto contra os despedimentos impostos pela Controlinveste há dois meses atrás.

Mais de centena e meia de pessoas, a maioria pertencente aos quatro jornais da Controlinveste, manifestaram-se hoje em frente ao edifício do “Jornal de Notícias”, no Porto, em protesto contra os 119 despedimentos anunciados pelo grupo.

Entre os manifestantes encontram-se boa parte dos despedidos, mas também muitos trabalhadores não abrangidos pela medida – jornalistas e não jornalistas – pertencentes aos quadros dos quatro jornais do grupo, que inclui o “Jornal de Notícias”, o “Diário de Notícias”, o “24 Horas” e o diário desportivo “O Jogo”.

Público

Continue a ler ‘Journalists’ demonstration | Jornalistas manifestam-se’

15
Jan
09

122 laid off in portuguese media cuts | 122 despedidos em cortes da Controlinveste

50 % are journalists from four newspapers | 50% são jornalistas de quatro jornais

Controlinveste - Marcas que ficam

These cuts will affect four dailies of the Controlinveste media group: DN (22 journalists), JN (27), 24 Horas and O Jogo (17). The reasons presented in an internal announcement today relate to the “acute negative evolution of the media market, especially in the traditional press, and the profound losses in revenue of the sector impose to Global Notícias Publicações and to Jornalinveste Comunicação a difficult but undelayable option: to iniciate acollective  lay off process, that includes 122 workers, in different areas of these two companies”. The reference dailies Diário de Notícias and Jornal de Notícias will suffer the most, and 24 Horas will go under some changes (Agência Financeira).

This is the biggest media job cut in Portugal of the last years. According to the Union,  there were 70 journalists fired in 2007, and almost 100 in 2008.

Controlinveste controls a number of newspapers and magazines, and also TSF, a national news radio, and SportTV, a cable sports TV channel (Wikipedia.pt). It employs more than 1000 workers.

There is no official announcement available at Controlinveste website(.pdf in portuguese)

Estes cortes vão afectar quatro jornais diários do grupo Controlinveste: DN (22 jornalistas), JN (27), 24 Horas e O Jogo (17). As razões apresentadas em comunicado interno referem “a evolução acentuadamente negativa do mercado dos media, em particular na área da imprensa tradicional, e a profunda quebra de receitas do sector impõem à Global Notícias Publicações e à Jornalinveste Comunicação uma opção difícil mas inadiável: iniciar um processo de despedimento colectivo que abrange 122 colaboradores, em diferentes áreas das duas empresas”. Os diários de referência Diário de Notícias e Jornal de Notícias vão sofrer maiores cortes, e o 24 Horas vai sofrer uma alteração de formato (Agência Financeira).

Este é o maior despedimento na área dos media em Portugal nos últimos anos. De  acordo com o Sindicato houve 70 jornalistas despedidos em 2007, e quase 100 em 2008.

A Controlinveste controla jornais e revistas e também é dona da TSF, e do canal de televisão por cabo SportTv(Wikipedia). Emprega mais de 1000 pessoas.

Ainda não se pode encontrar nenhum comunicado oficial no site da Controlinveste (.pdf)

Vodpod videos no longer available.

Continue a ler ‘122 laid off in portuguese media cuts | 122 despedidos em cortes da Controlinveste’

11
Ago
08

O Primeiro de Janeiro ou um retrato português

O que se passa no Primeiro de Janeiro devia ser um escândalo. Mas não, afinal é apenas mais um episódio na vida empresarial portuguesa. 32 jornalistas foram despedidos de forma ilegal e viram os seus lugares assumidos por colegas de uma publicação paralela, e a sede da empresa que os despediu fica num antigo stand de automóveis abandonado há dois anos. Uma semana de vergonha em resumo.

O Primeiro de Janeiro tem 140 anos de história e é uma das mais antigas publicações em Portugal. Mais, é uma das referências principais do Norte do país. Os problemas com o jornal não são de agora: há já alguns anos que se ouve falar do fim da publicação. Este diário de cariz regional atravessava já algumas dificuldades, mas o despedimento de 32 funcionários assumiu contornos no mínimo estranhos – menos para quem conhece a realidade empresarial portuguesa, e as estruturas dos pequenos grupos de comunicação, que controlam jornais e rádios locais, e que são recorrentes em práticas de gestão duvidosa.

Jornalistas à porta Foto-Pedro Tavares

Ainda antes de serem despedidos a semana passada, os jornalistas do Primeiro de Janeiro já não tinham grandes condições de trabalho: não eram aumentados há sete anos, e existem indicações de má gestão quer da empresa, quer da redacção. No último editorial que escreveu , a directora Nassalete Miranda dizia:períodos na vida das instituições, como na das pessoas, em que se precisa parar um pouco para preparar o futuro. O PRIMEIRO DE JANEIRO vai parar uns dias para ressurgir mais forte, com novo grafismo, com nova dinâmica.” Mas o que se viu não foi uma renovação. No sábado seguinte ao despedimento que os jornalistas se recusaram a assinar, eles tentaram voltar aos seus postos de trabalho, mas foram impedidos de entrar.  Os dez jornalistas de outra publicação do grupo – Norte Desportivo –   assumiram a criação de conteúdos das duas edições.

Primeira edição do “novo” Primeiro de Janeiro

No editorial de regresso, assinado pelo novo director  Rui Alas Pereira, na terça-feira seguinte podia-se ler: ” E vamos continuar por aqui, (bem) dispostos a lutar para que os tempos novos da bonança possam fazer um JANEIRO ainda mais forte, rejuvenescido e perfeitamente adaptado à modernidade. Daí que a nossa aposta passe também pela renovada edição on-line, certamente uma referência do que melhor se faz neste País digital…”

O site do jornal é neste momento uma imagem da capa com um pdf integral da edição do dia. Se isto é o que o novo director acha que é do melhor que se faz, então não sei realmente se terá conhecimentos suficientes para avaliar seja o que for relacionado com as novas formas de comunicação…

Entretanto, os trabalhadores despedidos viam a sua situação avaliada pelo Sindicato dos Jornalistas, pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social e pelo Ministério do Trabalho, que considerou o despedimento colectivo como ilegal.Na semana passada entregaram um manifesto à governadora civil do Porto, para chamar atenção para o caso. Nesse manifesto destacam a prática contínua de ilegalidades por parte de Eduardo Costa, dono da Fólio e da Sedico, as empresas proprietárias do Primeiro de Janeiro:

“Estas práticas vão «desde a ausência de seguros para os trabalhadores à prática de troca de facturas por salários, passando pelo não pagamento de Julho e dos subsídios de férias, bem como o pagamento de Junho apenas pelo valor do salário mínimo nacional».

Consideram que o processo envolve a prática de «lock out», já comprovado pelas autoridades competentes e recordam que «Eduardo Costa foi condenado por fraude ao Estado na obtenção de subsídios, o que não impediu que bem recentemente fosse de novo contemplado com fundos do Quadro de Referência Estratégico Nacional – os fundos comunitários para 2007/2013)”.

Aliás, Eduardo Costa é muito contestado ao longo de todo este processo.

A empresa ou a figura de Eduardo Costa

Além da forte ligação a empresas de comunicação social, Eduardo Costa é presidente da UD Oliveirense

Eduardo Costa
(foto Manuel Azevedo)

Eduardo Costa é um dos mini magnatas da comunicação em Portugal. Empresário muito conhecido no Norte, tem ligações ao desporto e à imprensa regional: é presidente da Direcção da União Desportiva Oliveirense, de Oliveira de Azeméis, e também é dono de vários órgãos de comunicação regional  -‘O Primeiro de Janeiro’ ,“os semanários ‘Correio de Azeméis’ e ‘Praça Pública’, de Ovar, e ‘Caima’, as rádios Azeméis FM e Voz do Caima e a gráfica Coraze, que imprime a grande maioria dos jornais regionais do Norte.” Sobre ele pesa uma condenação de dois anos e meio de prisão  por fraude, suspensa por um ano, por obtenção indevida de subsídios do Estado com o jornal ‘Recortes de Província’. Para além de deter vários títulos locais e regionais,  é vice-presidente da Associação Portuguesa da Imprensa Regional.

Quando os jornalistas foram investigar a morada da Sedico – Sociedade de Edição e Comunicação, proprietária do Primeiro de Janeiro, e de onde foram emitidas as cartas de despedimento, encontraram um stand de automóveis abandonado há dois anos. No chão, os avisos de recepção das cartas que lhes foram enviadas na semana anterior.

Os jornalistas despedidos avançaram com uma queixa em tribunal, pela prática de lock out, e têm tido apoio de alguns grupos políticos, particularmente do PCP , do Bloco de Esquerda e do PS.

Um retrato português

O que se passa no Primeiro de Janeiro sempre se passou a nível regional. Marcas detidas por grupos de comunicação de dimensão e e influência pouco claras vivem situações semelhantes, mas passam despercebidas por serem estruturas menores e com menos visibilidade. Este caso é a ponta do icebergue com o qual a imprensa regional chocou. e afunda-se rapidamente, não só pela falta de visão dos seus directores como pela falta de escrúpulos dos seus proprietários. Outras das razões é o envelhecimento de uma força de trabalho que aprendeu a profissão na tarimba, e que se vêem ultrapassados por uma realidade que nem compreendem, conhecem, ou querem aceitar. O leitores é que sofrem, e deixam de comprar estas publicações que deviam ser representantes dignos da sua região, da sua realidade.

Infelizmente, as pessoas que criam estas situações estão a matar lentamente a sua galinha dos ovos de ouro, e o pior  de tudo, é que quando morrer, só sofre a galinha.

Muitas das fontes usadas para este post foram recolhidas aqui: E s g r a v a t a r – blog de Filinto Melo

Continue a ler ‘O Primeiro de Janeiro ou um retrato português’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 131.620 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

Entradas Mais Populares

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Janeiro 2020
S T Q Q S S D
« Out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031