Posts Tagged ‘citizen journalism



04
Dez
07

“São as histórias, estúpidos!” | “It’s all about the stories, stupids!”

Há dias recebi um simpático email de um leitor brasileiro, referindo-se ao meu post “É a história, estúpido!”. Apesar do meu objectivo inicial ser abordar a validade dos novos media para fazer aquilo que se faz há anos- contar estórias jornalísticamente e informar o cidadão comum- este email refere outro ponto, extremamente importante, do impacto do jornalismo do cidadão e das novas formas de se relatar a realidade: a alteração da agenda noticiosa.

Se até agora os meios eram controlados por grupos económicos, também a informação dada era. Um dos assuntos dados nas aulas de jornalismo é o agenda setting, ou seja, que temas é que são noticiáveis (entrando aqui os factores de noticiabilidade). A verdade é que todos os dias podemos verificar uma concordância de temas abordados nos noticiários, mas porque é que há alguns assuntos que não surgem no alinhamento mediático? Há claro questões de espaço/tempo, mas porque é que algum desse espaço/tempo é ocupado com assuntos que não são realmente do interesse público (apesar de apaixonarem a opinião pública) em detrimento de outros assuntos talvez humanamente mais importantes?

Esta é uma discussão infindável e que engloba imperativos comerciais. O que o jornalismo do cidadão e as novas tecnologias disponíveis podem trazer de novo é furar esta lógica e realmente trazer à tona os assuntos que interessam a um grande número de cidadãos, que não vêem a sua realidade retratada nos blocos informativos. O Cláudio Martins explica o que acontece na sua realidade.

Leia o texto completo aqui.

A few days ago, i got a kind email from a brazilian reader referring to my post “It’s the story,stupid!”. Although my main goal was to approach the value of the new media to do what is being done for years – tell stories journalistically and inform the common citizen- this email refers another extremely important issue about the impact of citizen journalism and the new ways to report reality: the changing of the news agenda.

If, until now, the media was controlled by economic groups, so was the information given. One of the subjects teached at journalism classes is the agenda setting, i.e., which events are news(newsworthiness factors are included). The truth is that almost everyday we can verify a concordance of issues presented in the news, but why there are some that are left out of the mediatic alignment? Of course there are matters of time/space, but why does some of that time/space is taken with subjects that aren’t really of public interest (though they passionate the public opinion) in prejudice of issues problaby more humanely important?

This is a neverending discussion and that includes commercial imperatives. What citizen journalism and the new media can concur with is to baffle this logic and really bring to surface the issues that matter to a large number of citizens , that can’t see their reality portrayed in the news. Cláudio Martins explains what happens in his reality.

 

 

Read more here.

Continue reading ‘“São as histórias, estúpidos!” | “It’s all about the stories, stupids!”’

29
Nov
07

Eu, Jornalista Cidadã | I, Journalist Citizen

“It’s not you, the journalist, it’s the institution,” Ms. CJ tells Mr. MSM. “You’re not telling the whole story. . . . You’ve lost your credibility.”

“Citizen journalism is bringing folks, young and old, into the public square, giving voice to those who, in the pre-Internet era, may have felt voiceless.”

“We, the citizen journalists, are figuring it out. You mainstream media folks are figuring it out. But whatever it is, there’s no going back. We’re here. Get used to it.”

 

 

Jose Antonio Vargas, jornalista do Washington Post, entrevistou Faye Anderson, cidadã jornalista. Em causa, a credibilidade, importância e repercussões do jornalismo do cidadão. A ler também a resposta dada por Billy Dennis a uma opinião de um crítico à possibilidade de todos podermos ser editores.

Links:

Storming the News Gatekeepers

I, Citizen Journalist

Blogging: We have met Big Brother, and it is us

Washington Post‘s journalist Jose Antonio Vargas interviewed Faye Anderson, citizen journalist, about the credibility, importance, and effects of citizen journalism. Read also the answer given by Billy Dennis to a critic’s opinion of the idea of anyone could be an editor.

Links:

Storming the News Gatekeepers

I, Citizen Journalist

Blogging: We have met Big Brother, and it is us

26
Nov
07

Escola do Jornalismo do Cidadão | Citizen Journalists School

A OhmyNews Citizen Journalism School é um centro comunitário de educação, dedicado ao ensino do jornalismo do cidadão e conteúdos produzidos por utilizadores, na Coreia do Sul. Esta escola está situada num ambiente rural, a hora e meia de Seoul, e foram precisos 4oo mil dólares para recuperar uma escola primária abandonada, e foi financiada pelo e planeada para (segundo dizem) o jornalismo do cidadão.

The OhmyNews Citizen Journalism School is a community education center focused on teaching citizen journalism and user created content, in South Korea. This school is placed in the countryside, 90 minutes from Seoul, and it took $400,000 to recover an abandoned elementary school, and it was funded by and planned for (so they say) citizen journalism.

A escola abriu no passado dia 24, e espera formar cerca de 60 mil jornalistas-cidadãos. As instalações incluem três salas de aula que podem acomodar cerca de 100 estudantes, uma residência com capacidade para albergar 50 pessoas, internet de banda larga em Wi-Fi e um campo desportivo.

Classes began last November 24th, and they aim for over 60,000 citizen journalists and netizens. Facilities will include three classrooms large enough to accommodate 100 students simultaneously and in-school lodging and dining capacity for 50 guests, broadband Internet access and blanket Wi-Fi coverage. It also has room for outdoor sports activities.

 

 

Os professores são jornalistas dos vários meios, cidadãos-repórter séniores da OhMyNews entre outros profissionais de diversas origens. O programa inclui introdução ao Jornalismo, workshops de escrita, e de fotografia e video digital. As aulas mais avançadas incluem técnicas de entrevista, workshops de jornalismo online para alunos universitários, e programas de reciclagem para jornalistas profissionais.

Será que seria possível fazer isto por cá?

The faculty will be composed of professional journalists from print, radio and television news and senior OhmyNews citizen reporters, with additional teaching staff with a variety of expertise and professional backgrounds.The education program will include journalism 101 classes for citizen reporters, writing workshops for new citizen reporters, and digital camera class customized for photo journalism and video news gathering. The advanced classes include interview techniques, internet journalism for college students and re-education programs for professional journalists.

Would this be possible around here?

Links: OhmyNews | Korea: OhmyNews! CitJ has a school

12
Nov
07

Sete Lições sobre o Jornalismo do Cidadão| Seven Lessons in Citizen Journalism

seven-lesson-ive-learned-teaching-citizen-journalists_1194851463093.png

Douglas McGill dá aulas de jornalismo a cidadãos comuns. Dessa experiência, ele retirou sete lições que mostram que o jornalismo do cidadão não é nenhum bicho de sete cabeças. A segunda e a sétima são as minhas favoritas: “Não há um substituto para um jornalismo forte, independente e institucional” e “Eu é que preciso de mudar”. A dica veio do PontoMedia.

 

Em resumo:

 

1- Os cidadãos são uma fonte inexplorada de sabedoria e energia cívica positiva que os jornalistas podem abrir. É possível usar a experiência dos cidadãos e a sua necessidade de participar em sociedade.

 

2-Não há substituto para um jornalismo fort, independente e institucional. Esta não precisa de explicações.

 

3-Os cidadãos podem ajudar os jornalistas a regressarem às origens. Eles vivem no mundo real, portanto conhecem as questões reais. Os jornalistas já vivem em redacções minadas por interesses comerciais.

 

4-Os jornalistas precisam de tanto de ter dotes de cidadania como os cidadãos precisam de aprender jornalismo. Porque muitas vezes nem uns nem outros têm realmente noção do que se passa do outro lado.

 

5-Uma boa aula de jornalismo do cidadão, como em qualquer grande jornal, permite todas as formas de expressão- artística, poética, literária, fotográfica, musical, cómica, divertida. Se é feito por pessoas terá que ser assim.

 

6-Os cidadãos criam uma forte consciência comunitária através da disciplina de escrever jornalisticamente. Como os conceitos dos alunos/cidadãos se expandem e ganham novas formas.

 

7-Eu é que preciso de mudar. Esta é a mais complicada de todas para muitos jornalistas. Será o jornalismo do cidadão o meteorito que irá extinguir os dinossauros?

 

Para mim o factor mais importante destas lições é a ideia que o jornalismo do cidadão é um acto cívico importante, e que os jornalistas deverão ser mais cidadãos, e menos empregados de um sistema. Se não não nos interessamos pelos assuntos que as pessoas se interessam, acabamos por ficar a falar sozinhos.

 

Leiam o artigo completo aqui

____________________________________________________________

Douglas McGill teaches journalism to common citizens. From that experience he drew seven lessons that show that citizen journalism is no monster. The second and seventh are my favorites: “There is no substitute for a strong, independent, institutional journalism” and “I’m the one who needs to change“.

To me the most important lesson to take from here is that citizen journalism is an important civic act, and that journalists must be a bit more citizens, and less a part in the machine. If we don’t care about what other people are talking about, we end end up talking to ourselves. A final question: is citizen journalism the meteorite that will extinguish the dinossaurs? Read the full article by McGill here.

18
Out
07

Current TV – A rua de dois sentidos| The two way street

A Current TV é um canal co-fundado por Al Gore, e dedicado a jovens adultos. Eles lançaram um novo site ,e dizem ser o primeiro canal a permitir aos seus espectadores escolher as notícias que são relevantes para eles. A interactividade é tal que os utilizadores podem criar e enviar pequenos vídeos de não ficção, e o próprio site promove a colaboração com comunidades de criação de conteúdos e o jornalismo do cidadão. Os espectadores poderão também participar na escolha da programação do canal.O objectivo é envolver cada vez mais o espectador e transformá-lo numa parte activa do canal. Ler notícia.

________________________________________________________________

Current is a television network for young adults co-founded by Al Gore. They now launched a new web site that claim it is now the first fully integrated online and television network that allows users to determine the news that is relevant to them. The level of interactivity is such, that content is created by viewers in the form of short, non-fiction video ‘pods’, and users are asked to participate in news assignments and story collaboration projects with community news organisations and citizen journalists. Viewers will have the opportunity to decide what will air on the network and be asked to take part in future programming. The goal is to involve the viewers and turn them into an active part of the network. Read the full story here.

 




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,761 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Abril 2014
S T Q Q S S D
« Out    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.