Arquivo de 3 de Fevereiro, 2009

03
Fev
09

Interview | Entrevista: WebTv @ Portugal – Nuno Fernandes

http://webtelevisao.files.wordpress.com/2008/06/cropped-web-tv-liquify.jpg

WebTV blog

Nuno Fernandes is the author of WebTV, a blog that is a part of his master’s degree project, dedicated to the web tv phenomenon in Portugal. Recently his blog turned one year, and i talked with him about the setting of portuguese web television, and its’ importance. According to him “web televisions claim themselves as an alternative to traditional media, and want to reach new audiences, betting especially in the region or theme in which they belong.”

How many webtvs there are in Portugal, and who makes them?

At the moment there are 112, though i believe there are more. In this number i include all the projects i detected, though i safeguard that there are a few going through some changes or ended.

What quality do they have? Are there specialized professionals, ready for creating this type of content?

There are webtvs with high-quality contents, in the same way there are other projects where the degree of amateurship is more visible.

In webtelevisions we can usually find at least one element with a higher academic education (in journalism, video or audio) with an internship at a TV station and rarely have other types of education. In some cases there is not any television experience, and that can be understood in the final product.

It is rare, but not impossible, to find professionals working exclusively for webtelevisions. There are situations where the journalist also works for the radio, newspapers, or both. Cameramen also work as video editors, and sometimes, act as webmasters.

If there’s vision and will to improve the projects on the part of the management, these can benefit from graduates in Communication Sciences, or others, with experience in projects like TUBI-Televisão da Universidade da Beira Interior (Beira Interior University Television). Webtelevision can be a gateway in the job market.

Despite there is a great number of webtvs, most of them pass unnoticed. Why?

Not all of them, fortunately, but it is certain that it’s not easy to find some projects.

Sometimes, there’s a lack of promotion, and this raises some questions:  why make an effort in webtelevision if it is not publicized later, do the goals that led to the creation of the project fit in the non-divulgation of it?

Some of the projects, when created, announce via agencies or newspapers -  JN is one that follows this the most- others search in the webtv a way to divulge the project, but most of the links present in my blog represent hours of research in search engines and in forums about television and internet.

SEO makes a diference.

More publicity would be good for the projects, no doubt about it, so in that way they could grab new audiences.

Above all, the projects promotors should think just like an ordinary web user, that goes as far as two pages of information in a search engine. If the webtelevision is in page 20 of a search, hardly anyone will get there.

But, and drifting away from the question a bit,  it’s unusual for webtelevisions to be open to divulgation. I found in some cases that surprisingly there was not a general contact email, not to mention a cellphone number, phone, fax, skype,  or any other form of contact, which is baffling for this media. In these cases, to reach the project manager it took me a period of researc and a number of phone calls, etc.

I believe that’s why later situations where two projects with the same name come up. In one of the situations i detected on project’s managers didn’t even knew about the existence of another, this within the same region.

How does this phenomenon fits in portuguese web’s reality? Is it trasitory, or are there projects with the ability to go on?

There are two answers for that: will and positioning.

Will, because in the 80′s in Portugal there were pirate televisions in a local and regional level broadcasting via Hertzian waves and due to many reasons – economical, political, judicial – disappeared. Others tried again.

Sul TV is a good example of that. It broadcasted in the 80′s, in the Almada (across the river from Lisbon) , and the project, because of those reasons, faded out. Today it’s on the web with the same ambitions they had in the past.

It is also a matter of positioning. Some of these projects – mainly regional- have interest in TDT (Terrestrial Digital Television) and in the regional channels that will be created.

It is also a matter of positioning to antecipate. I mean, webtelevision comes within a logic of development of a radio station, a newspaper, or a group that owns both these types of media. By making a webtelevision available, these groups provide to their listeners/readers a new channel, create loyalty, and make it more difficult for a new project to appear in the same region.

The municipal elctions this year can help or harm webtelevisions. We’ll see which response will be given to a campaign that will have webtelevision as a new factor, locally speaking. How will they cover this event? In which way?

For last, making predictions on the Internet is taking chances, however i believe there are already rock solid projects, others with ability to assert themselves and go on, even if in the future they’re renewed and adapt  to a different  model than the one they have today.

On a personal level, which webtvs do you believe to be the most interesting to watch?

I try to visit all the projects at least once every to two/three weeks, since because of their number it is impossible to follow each one of them on a daily basis.

There are a few webtelevisions that stand out, TVNet, by the project, quality and content renewal. TV Beja is amongst local webtelevisions one that also stands out, because of the project itself and by the ability it has to get involved with other projects, not only thematic – fairs and exhibitions – but also through the participation in creating other webtelevisions through the back-office they developed.

The Oeste TV, TV Tejo and Minho Actual TV, are regional level projects that stand out and that already grabbed the attention of cable channels. The first two broadcast their news in the mosaic channel of a cable television provider, and Minho Actual TV has a show broadcasted by Porto Canal.

In theme webtelevisions i highlight SCE TV, a well accomplished project, complete, elaborated with a minimum of resources and that follows the sporting life of Sporting Clube de Espinho.

But how to create a WebTv?

Nuno Fernandes’ blog doesn’t just collect links for webtvs, but also shares resources that might help develop this type of projects. One of them is the website Make Internet TV, that explains how to create a webtv step by step, starting with the equipment and going all the way to the promotion of the project on the web.

And in your country, what is the setting for web television? Share your views and data with me, and show us the best projects around.

Nuno Fernandes é o autor do WebTV, um blog associado ao seu projecto de mestrado, dedicado ao fenómeno das webtvs em Portugal. Recentemente o blog fez um ano, e falei com ele sobre o panorama da televisão na web portuguesa, e sobre a sua importância. Segundo o Nuno, “as webtelevisões assumem-se como uma alternativa aos meios de comunicação social tradicionais e pretendem atingir novos públicos, apostam sobretudo na divulgação da região ou temática no qual se inserem.”

-Quantas webtvs existem em Portugal e quem é que as faz? São no momento 112, embora acredite que o número seja mais elevado. Neste número incluo todos os projectos que detectei, embora ressalve que existem alguns que passam por indefinições ou terminaram.

-Que tipo de qualidade é que têm? Existem profissionais dedicados e preparados para a criação deste tipo de conteúdos?

Existem webtelevisões com conteúdos de grande qualidade, da mesma forma que existem outros projectos em que o grau de amadorismo é mais patente.

Nas webtelevisões encontra-se, por norma, pelo menos um elemento com uma formação académica superior (na área da Comunicação, Imagem ou Som), com um estágio curricular numa estação de televisão, e raramente possui outros tipos de formação, como as do CENJOR.Em alguns casos a experiência em televisão é inexistente e isso percebe-se no produto final.

É raro, embora não seja impossível, encontrar profissionais a trabalhar em regime de exclusividade nas webtelevisões. Há casos em que o jornalista também desempenha funções na rádio, jornal, ou em ambos. Os operadores de câmara são também editores de imagem e, em alguns casos, desempenham ainda a função de técnico de informática responsável pelo site.

Caso exista por parte dos responsáveis visão e vontade na melhoria dos projectos, estes podem beneficiar de licenciados em Ciências da Comunicação, ou outros, com experiência em projectos como a TUBI – Televisão da Universidade da Beira Interior. A webtelevisão pode ser uma porta de entrada no mercado de trabalho.

-Apesar de haver um número grande de webtvs a maioria passa despercebida. Porquê?

Nem todas passam despercebidas, felizmente, mas também é certo que não é fácil encontrar determinados projectos.

Por vezes, o que falta é a promoção do projecto e isto levanta questões: para quê apostar numa webtelevisão se posteriormente não se divulga, será que os objectivos que levaram à criação do projecto se enquadram depois na não-divulgação do mesmo?

Alguns dos projectos quando nascem, divulgam através da Lusa ou de jornais – o JN é dos que mais acompanha –, outros procuram junto do Webtelevisão a divulgação, mas grande parte dos links presentes no meu blogue representam horas de pesquisas em motores de busca e em fóruns sobre televisão e internet.

O SEO faz diferença.

Uma maior divulgação seria benéfica, sem dúvida, para os projectos, pois dessa forma conseguiria captar novos públicos.

Acima de tudo, os promotores dos projectos devem pensar como um utilizador comum de Web, este quando muito procura uma ou duas páginas de informação num motor de busca. Ora se a webtelevisão estiver colocada na página 20 da pesquisa feita, muito dificilmente alguém lá chega.

Mas, e afastando-me um pouco da questão, nem sempre existe uma abertura por parte das webtelevisões para a divulgação. Encontrei casos em que surpreendentemente não existia um e-mail geral de contacto, já não falo em telemóvel, telefone, fax, skype, ou outra forma de contacto, o que é surpreendente neste meio. Nestes casos até chegar ao contacto com o responsável do projecto foi necessário um período de pesquisas, telefonemas, etc.

Penso que seja fruto disso que posteriormente surjam situações como a existência de projectos com nomes idênticos. Em um dos casos que detectei este problema os responsáveis de um projecto desconheciam por completo a existência do outro, isto dentro do mesmo concelho.

-Como se enquadra este fenómeno na realidade da web portuguesa? É algo passageiro, ou existem projectos com capacidade de se afirmar?

Existem duas respostas: vontade e posicionamento.

Vontade, porque nos anos 80 existiram em Portugal televisões pirata a nível local e regional a emitir via hertziana e que por diversos motivos – económicos, políticos, judiciais – acabaram por desaparecer. Outros tentaram novamente.

A Sul TV é um caso paradigmático disso. Existiu nos anos 80, na zona de Almada, e o projecto pelos motivos referidos “adormeceu”. Hoje apresenta-se na Web, com a mesma ambição do passado.

Também é uma questão de posicionamento. Porque alguns dos projectos – principalmente os regionais – denotam interesse na TDT e nos canais regionais que esta irá eventualmente permitir.

Também é uma questão de posicionamento para antecipar. Ou seja, a webtelevisão surge dentro de uma lógica de desenvolvimento de uma rádio, de um jornal, ou de um grupo que possua estes dois meios de comunicação. Ao disponibilizarem a webtelevisão estes grupos dão ao seu ouvinte/leitor uma nova possibilidade, fidelizam-no, e tornam mais difícil que surja um novo projecto do género no concelho.

As eleições autárquicas deste ano podem ajudar ou prejudicar as webtelevisões. Veremos que resposta é que vai ser dada a uma campanha que irá contar com a webtelevisão como um novo factor, a nível local. Como vão acompanhar este acontecimento? De que forma?

Por último, prever na Internet é correr riscos, contudo acredito que existem projectos já afirmados, e outros com capacidade de afirmação e de continuação, mesmo que no futuro se renovem e se adaptem a um modelo diverso daquele que hoje apresentam.

Pessoalmente, que webtvs consideras serem as mais interessantes de seguir?

Tento visitar todos os projectos pelo menos uma vez a cada duas/três semanas, já que devido à quantidade é impossível seguir todas de forma diária.

Existem algumas webtelevisões que se destacam, a TV Net, pelo projecto, qualidade, e pela renovação de conteúdos. A TV Beja é dentro das webtelevisões locais uma das que se destaca, pelo projecto em si e pela capacidade de se envolver em outros projectos, não só temáticos – feiras e exposições – mas também através da participação na criação de outras webtelevisões através do back-office por si desenvolvido.

A Oeste TV, TV Tejo e Minho Actual TV, são projectos de nível regional que se destacam e que já chamaram a atenção do cabo, nos dois primeiros casos os seus noticiários são emitidos no canal mosaico de uma das redes de cabo, e no caso da Minho Actual TV que vê o seu magazine emitido no Porto Canal.

Nas webtelevisões temáticas destaco a SCE TV, um projecto bem conseguido, completo, elaborado com o mínimo de recursos e que acompanha a realidade desportiva do Sporting Clube de Espinho.

Mas como fazer uma WebTV?

O blog de Nuno Fernandes não faz só uma recolha de webtvs, mas também partilha recursos que podem ajudar a desenvolver projectos deste tipo. Um deles é o site Make Internet TV, que explica passo a passo como se pode criar um canal de televisão na web, começando no equipamento e terminando na promoção do projecto na web.

Holding: Video Blog Style Interviewing

If you’re using a small camera, you can hold it, facing inward at arms length, and capture yourself, plus your interview subject. The technique is tricky and definitely requires practice.

Video Blog Style

Continue reading ‘Interview | Entrevista: WebTv @ Portugal – Nuno Fernandes’

03
Fev
09

Top5: Most annoying discussions | Discussões mais irritantes

Bloggers vs Journalists | Bloggers vs Jornalistas

Hemingway blogging | Hemingway a blogar (Kurt Hutton/Getty Images)

Hemingway blogging | Hemingway a blogar (Kurt Hutton/Getty Images)

In this second post about the most annoying discussions on new media debate, i’ll be adressing the oldest one: bloggers vs journalists, or, Spy vs Spy. This is also a prelude for tomorrow’s post, but you’ll have to wait to know what it is about.

Bloggers vs Journalists

The real issue: why are all these people in their pyjamas beating journalists in heir own playground? Easy to answer: because it’s more comfy! And because anyone can publish content and have as much or more audience for it than traditional media, for some years now. Bloggers blog because they want to, and are not tied to a strict newsroom structure (it’s more fun than a job- not really, no), nor suffer the pressures of an editorial line besides their own personal views. Because people got tired of reading the same news everywhere and now and then someone had a new perspective and fresh details. They even had some of the major news stories in the last years!

Journalists felt their position as town criers was at stake and said blogs weren’t journalism. Yes, for once they got  one right. It’s not, it’s a content management platform. Nobody cares when a newspaper shaped propaganda is shoved down our mail box, we know that, though it looks like a newspaper, it’s not a newspaper. So why the big fuss? Anyone could beat journalists at their own game and they started kicking and squealing. They didn’t even noticed that some of their new competition were people with better expertise and connections than them. Heck, some bloggers were journalists! They were just using their own publishing platform, instead of working for one.

There were issues like author anonimity, that sometimes was (is) necessary, because telling the truth can be a dangerous game, but it also can be  a cloak for ill intentioned people.  Or copyright and plagiarism. Or the futility and lack of quality of most of the content.

Fortunately, this debate has faded out almost completely. Bloggers have their space in the media and journalists blog. The debate lately turned into how to define rules and ethical guidelines for bloggers, and which and how some can have access to events just like journalists do. Like in journalism, there are lies and rumours and false information. But that is both bad journalism and bad blogging.

Media and bloggers turn to each other for information, and blogs helped to shape the link economy, and thus set a new model for online media based on sharing, commenting, referring outside, competing sources. Some of the most successful new media news ventures started as blogs, and they’re making money while traditional media faces the biggest crisis ever.  This must mean that they’re doing it right.

Blogs helped  (forced) journalism to take a decisive step into the future.  So stop whining and thank them for it.

Neste segundo post sobre as discussões mais iritantes no debate sobre os novos media, vou falar do mais antigo: bloggers vs jornalistas, ou Spy vs Spy. Isto também é um prelúdio para o post de amanhã, mas vão ter que esperar para saber sobre o que é.

Bloggers vs Journalists

A verdadeira discussão: porque é que estão estas pessoas todas de pijama a bater os jornalistas no seu próprio jogo? Fácil: porque é mais confortável! E porque qualquer um pode publicar conteúdos e ter tanto ou mais público do que os media tradicionais, há já uns anos. Os bloggers blogam porque querem fazê-lo, e não estão presos a um estrutura rígida de uma redacção (é mais divertido que ter um emprego – não é nada), nem sofrer as pressões de uma linha editorial para além da sua visão pessoal. Porque as pessoas ficaram cansadas de ler a mesma notícia em todo o lado e de vez em quando alguém tinha uma nova perspectiva ou pormenores frescos. Tiveram até alguns dos maiores furos dos últimos anos!

Os jornalistas sentiram  a sua posição  como pregoeiros ameaçada e disseram que os blogs não eram jornalismo. E dessa vez lá acertaram uma. Não são, são só uma plataforma de gestão de conteúdos. Ninguém liga quando nos enfiam uma publicidade em forma de jornal na caixa do correio, nós sabemos que apesar de se parecer com um jornal, não é um jornal. Então para quê tanta confusão? Qualquer um agora podia bater os jornalistas no seu próprio jogo e eles começaram a espernear. Nem repararam que alguns dos seus novos competidores eram pessoas com mais conhecimentos e ligações que eles. Raios, alguns bloggers eram jornalistas! Estavam só usar uma plataforma de publicação própria em vez de trabalhar para uma.

Houve discussões sobre o anonimato dos autores, que por vezes era (é) necessário, porque contar a verdade pode ser um jogo perigoso, mas também pode ser um manto protector para gente mal intencionada. E sobre direitos de autor e plágio. Ou sobre a futilidade e a falta de qualidade da maioria dos conteúdos.

Felizmente este debate esmoreceu quase por completo. Os bloggers têm agora o seu espaço nos media e os jornalistas blogam. O debate incide agora sobre as regras e as linhas éticas que devem seguir, e a quais e como é que devem aceder a eventos, como os jornalistas podem. Como no jornalismo, há mentiras, rumores e informações falsas. Mas em ambos os casos é mau jornalismo e mau blogging.

Os media e os bloggers viram-se uns para os outros em busca de informação, e os blogs ajudaram a moldar a economia de links, estabelecendo assim um novo modelo para os  novos media assente na partilha, comentário, referências externas para fontes da concorrência. Algumas das iniciativas em novos media de maior sucesso começaram como blogs e fazem dinheiro enquanto os media tradicionais enfrentam a sua maior crise de sempre. Isto significa que alguma coisa devem estar a fazer bem.

Os blogs ajudaram (forçaram) o jornalismo a dar um passo decisivo para o futuro. Por isso parem de se queixar e agradeçam-lhes por isso.

Other related posts | Outros posts relacionados

Bloggers e a grande baleia branca dos direitos dos jornalistas | Bloggers and the great white whale of journalist’s rights

Os blogs sob fogo | Blogs under fire

READ ALSO ABOUT THE OTHERS | LEIAM TAMBÉM SOBRE AS OUTRAS

The Death of Newspapers | A morte dos Jornais

Citizen Journalism | Jornalismo do Cidadão

Death of the blogosphere | Morte da Blogosfera

Continue reading ‘Top5: Most annoying discussions | Discussões mais irritantes’

03
Fev
09

The Web Life of an Article | A vida de um artigo na Web

Web Life of an Article

From Elliance - SEO Infographics (via @agranado)

Continue reading ‘The Web Life of an Article | A vida de um artigo na Web’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,683 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.