Arquivo de 11 de Julho, 2008

11
Jul
08

A febre do iPhone 3G | The iPhone 3G fever

Foi o grande lançamento deste ano: o iPhone da Apple gerou grandes filas à porta das lojas, para se ser o primeiro a possuir o último grito em telemóveis. Não que o iPhone seja só um telemóvel, mas também é um telemóvel.

Mas os primeiros contemplados com a engenhoca foram os neozelandeses. Na terra dos kiwis houve quem esperasse dois dias e meio à porta da loja e aparecer nas notícias – a menina na foto é Lucinda McCullough e foi a compradora número 1,do mundo. Para saberem como foi leiam estes dois artigos escritos pela muito portuguesa Vera Alves (um beijinho V.), que está ainda no início da sua aventura nos antípodas:

Who bought the world’s first iPhone 3G?

Long wait pays off for first 3G iPhones

Em que é que o iPhone é diferente dos outros telemóveis? Para já saiu da cabeça de Steve Jobs, o que para muita gente chega. Depois tem uma série de funcionalidades que vão permitir a experiência multimédia interactiva portátil muito mais interessante: mais velocidade de navegação, mais facilidade de conexão, GPS, e também serve de iPod. Como extra, podemos ainda fazer chamadas de voz. E tem muita pinta, como qualquer produto Apple.

Mas se calhar o que o iPhone vem fomentar é a navegação móvel na web. Basta ler este post da Mindy MacAdams para se perceber que a tendência já se está a tornar num facto, e com um valor extremamente importante. Agora a pergunta é: será que as empresas (especialmente as de comunicação) estão a acompanhar esta evolução?

Daqui a uns anos os estudantes de jornalismo terão entre as suas opções de carreira televisão, rádio, imprensa, online e dispositivos móveis. Ou talvez não.

This was the major release of 2008: Apple’s iPhone created huge queues in front of the stores, of people wanting to be the first one to own the latest in cell phones. Not that the iPhone is just a phone, but it is also a phone.

But the first contemplated with the gadget were the neo-zealanders. In kiwi land there were who waited for two days and a half in front of the store, and get their faces on the news – the lady in the picture is Lucinda McCullough and she was buyer number 1, of the world. To learn more read these two articles written by our very own Vera Alves (kisses V.) that is still at the beginning of her adventure on the other side of the planet:

Who bought the world’s first iPhone 3G?

Long wait pays off for first 3G iPhones

In what exactly does the iPhone differ from all the other cellphones? For starters, it was born out of Steve Jobs’ head, which for maby is enough. Then it has a whole lot of features that will turn the portable multimedia interactive experience much more interesting: more websurfing speed, connection is easier, GPS, and it can also work as an iPod. Extra featuring, we can also make phone calls. And it’s posh, like any other Apple product.

But, maybe, what the iPhone comes to support is mobile web navigation. Just read this post by Mindy MacAdams to understand that what was a trend has become a fact, and one with extreme importance and value. Now the question is: are companies (especially the ones dealing with communication) are following this evolution?

In a few years from now journalism students will have among their career options TV, radio, press, online, and mobile devices. And then again, maybe not.

Continue a ler ‘A febre do iPhone 3G | The iPhone 3G fever’

11
Jul
08

Ética no Jornalismo Online | Online Journalism Ethics

O sempre atento Hélder Bastos refere no seu Travessias Digitais o livro Online Journalism Ethics: Traditions and Transitions de Cecilia Friend e Jane B. Singer. Esta obra aborda, entre outras,  uma questão fundamental que é a credibilidade de quem informa num mundo em que todos podemos produzir informação.

The always attentive Hélder Bastos made a reference in his blog to the book Online Journalism Ethics: Traditions and Transitions by Cecilia Friend and Jane B. Singer. This book talks about, among many other issues, the fundamental question about credibility of journalists in a world where anyone can generate information.

«A questão mais profunda, e uma que é central neste livro, é esta: Quem é verdadeiramente jornalista? Nós pensamos que a ética fornece o ponto crucial da resposta. Na nossa sociedade, um jornalista é alguém cujo primeiro objectivo é providenciar a informação de que cidadãos de uma democracia necessitam para serem livres e auto-governados: alguém que age de acordo com um firme compromisso com o equilíbrio, justeza, auto-domínio, e serviço; alguém em quem os membros do público possam confiar para os ajudar a entender o mundo e a tomar decisões razoáveis sobre as coisas que importam. No aberto, participativo, e gloriosamente estridente mundo online, são estes princípios abrangentes – e os modos concretos como são colocados em prática no dia-a-dia, por jornalistas individuais em todo o mundo – que estão a definir o jornalista e a determinar o futuro.» (Cecilia Friend e Jane B. Singer, Online Journalism Ethics: Traditions and Transitions).

Via Quem é verdadeiramente jornalista?, Travessias Digitais

A ler a review feita pelo Rogério Christofoletti sobre este livro (em PDF) . Obrigado pelo link Rogério.

Continue a ler ‘Ética no Jornalismo Online | Online Journalism Ethics’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 131.377 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Julho 2008
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031