30
Jun
07

“Ajudem o meu bébé a viver”|”Help my baby live”


help-my-baby-live.jpg

Um casal criou um site onde pede 50.000 dólares para criar o seu futuro bébé ou então aborta. Fraude ou Realidade ? Entrevistámos o dono da empresa que aloja o site.

_________________________________________________________________

A couple created a website where they ask for 50.000$ to raise their infant, or else they’ll go for abortion. Scam or reality? Interview with the webhost.

(go to english version)

 

Pode ser verdade…

Resume-se a isto.Se não conseguirmos juntar os 50.000 dólares nos próximos 3 meses,nós teremos que nos decidir por um aborto.” É desta forma que um casal se justifica no seu blog, ao pedir dinheiro para criar o seu (possível) futuro filho. “Como acontece a tantos jovens casais, a minha namorada e eu vimo-nos confrontados com a decisão de ter uma criança, e não temos a certeza do que fazer(…)Fizemos alguns cálculos, e acreditamos que, para conseguirmos ter um bom ambiente para o bébé,precisamos de 50.000 dólares.Isso dá-nos para uma entrada para uma casa decente, arranjarmos um carro fiável, permite-nos poupar para as propinas da universidade do bébé, cobrir quaisquer despesas médicas(ela não tem seguro), e dá-nos alguma margem enquanto ela não trabalha.Ela é a namorada.
Quem contribuir concorda com alguns termos e condições:o dinheiro é dado sem perspectivas de devolução ou de dedução nos impostos,nunca se saberá a quem foi dado, e,quem violar estas regras,pagará 25 mil dólares. “Compreendam que você está a dar-nos o dinheiro, sem obrigação alguma da nossa parte. Queremos mantermo-nos anónimos, pelo nosso bem estar e do da criança, se tivermos uma.“Mas quem dá dinheiro não tem direito nem a uma foto do bébé?”Nós não vamos contactá-lo, não vamos divulgar fotografias, nem fazer actualizações sobre a nossa situação.
A 79 dias do fim do prazo, este casal -que se diz “bem educado e inteligente“- já tinha juntado 12.500 dólares. Após esse período,eles, o site (e o dinheiro) desaparecem.

De acordo com alguns sites, isto não é um site real e chegaram mesmo a atribuir a sua autoria a Matt Schiros, um antigo estudante da Universidade de Pittsburgh que já tinha criado problemas com um outro site. Matt abandonou entretanto a universidade, tem agora 25 anos, e é dono da Invisihosting.com, a empresa que detêm o servidor onde está alojado o Helpmybabylive.com. Consegui entrevistá-lo, e para além de mais informações sobre a autoria do site, ele partilhou connosco as suas experiências e perspectivas sobre a liberdade de expressão.

1-Qual é o verdadeiro objectivo do helpmybabylive.com?

 

Tens que perguntar aos criadores. Não sei se é a sério ou uma piada, gostava de me ter lembrado disto. Os mails de ódio que recebo sobre o site são fantásticos e sou apenas o dono do servidor. As cenas que eles recebem devem ser incríveis.

 

2-Que reacções tens recebido? E dinheiro?

 

Não vou comentar sobre o dinheiro, isso é um assunto do meu cliente. As reacções são geralmente negativas, e caem em três categorias. Na primeira, que nem é má de todo, apenas dizem “isto é nojento,doentio, demente, etc..”. A segunda, que já é má e está relacionada com as razões porque fundei a InvisiHosting, é “devia fechá-los”. A terceira é uma variação de “eu denunciei-vos ao FBI / eu espero que sejam enrabados na prisão”. O tipo de coisas que seriam esperadas num site desta natureza.

 

3- O que é que aconteceu depois do incidente com o AmIBlackorNot.com, a Universidade de Pittsburgh de alguma forma interferiu com o teu percurso?

 

A Universidade de Pittsburgh abandonou completamente todas as responsabilidades que tinha para comigo, como estudante, nesse assunto. Apesar de ter recebido INÚMERAS ameaças de morte por causa disso, eles não só chamaram a polícia do campus para me investigar e perseguir, mas também chamaram a divisão de crimes de ódio do FBI! A Universidade iniciou depois os seus próprios processos contra mim, e foi quando chamei a ACLU (American Civil Liberties Union) para a questão. Em nenhuma altura eles defenderam os meus direitos de discurso livre e liberdade de expressão, em nenhuma altura eles mostraram algum tipo de compreensão por uma merda de um miúdo de 19 anos que era um dos seus clientes pagantes, e em nenhuma altura do processo foram minimamente úteis para mim. Tenho a certeza que foram prestáveis para outras pessoas depois de mim, apesar de tudo.
Lembrem-se, tudo o que fiz no no assunto do AmIBlackOrNot.com foi criar um site. Eu rejeitei explicitamente a ideia de que o site era racista, e repetidamente tentei explicar a minha crença que o humor é a melhor maneira de destruir o poder pernicioso contido nos estereótipos.É como alguns pretos argumentam que usando a palavra “nigger” , eles retiram o poder que tem como palavra de ódio. Eu não estou a “remover” o conceito de esterótipos raciais, mas estou a torná-los menos potentes.

 

4-Que tipo de resultados retiraste dessa experiência?

 

Bem, decerto reforçou o meu amor à liberdade de expressão. Eu sou como um miúdo em muitas maneiras, nada mais me faz querer tanto uma coisa como ter alguém a dizer que não a posso ter. Também aprofundou a minha desconfiança nas instituições, e desvalorizou o sistema universitário a meu ver.

 

Houve também coisas positivas. Vê, a cena toda sobre o livre mercado de ideias é que estás exposto a coisas que de outra maneira não estarias. Por isso, ao entrar nele, eu tinha os meus argumentos para o AmIBlackOrNot.com até certo ponto, mas confrontar-me com o hate mail e toda a merda das instituições em meu redor obrigou-me a refinar esses argumentos, melhorá-los, e chegar a uma posição mais racional e lógica, à qual de outra forma nunca teria chegado.

 

Nós não ganhamos nada em estarmos sentados a pensar em como estamos certos, e ninguém tem capacidade para adivinhar todos os argumentos que um opositor pode ter. Sites como o AmIBlackOrNot, HelpMyBabyLive, estimulam a discussão numa senão dócil massa de pessoas que se vão entusiasmar mais com a última cena da Paris Hilton do que com o facto do Governo lhes comer 35% dos seus rendimentos.Claro, algumas pessoas ficam lixadas, mas FALAM. Alguém desafiou os seus conceitos e obrigou pelo menos alguns deles a articular as suas ideias em vários assuntos.

 

5-Porque é que o fazes?

 

1.) Acho que é hilariante. A sério. Eu não faço um site a não ser que ache que seja uma boa piada, o que é o que me lixa por não me ter lembrado de fazer o HelpMyBabyLive.

 

2.)Ler acima. Acredito que é necessário avançar o mercado das ideias. É preciso injectar-lhe novos conteúdos, agitar um pouco as águas.

 

3.)Sou um cabrão egocêntrico, e gosto da atenção.

 

6- Os campus universitários americanos reflectem de alguma forma a sociedade americana?

 

Credo não. Os campus estão tão distanciados do resto do país que nem tem piada. É simultaneamente uma coisa boa e má. É boa porque as pessoas nas universidades têm a tendência para ser menos estúpidos e ignorantes do que a população em geral, porque existe ALGUM processo de selecção. Sim, também há idiotas na universidade, mas em menor percentagem.
É má porque, como qualquer outra instituição, as universidades vão ficando isoladas de estímulos externos, por isso acaba-se com pessoas a agir de uma forma tão estúpida como fora dessa Torre de Marfim, mas apenas sobre coisas diferentes, como o pós-modernismo e o socialismo.

 

7-Tens outros sites deste género ou estás a planear fazer algum?

 

Eu nunca planeio este tipo de coisas. Normalmente eu estou sentado e tenho uma ideia engraçada que acho que daria um bom site, e vou por aí.

UPDATE

look-at-what-you-made-me-do_1184245790937.jpg

Como foi referido antes, podia ser apenas uma partida. E era mesmo (como seria de prever). No entanto foi de génio.Contabilizaram-se 200 mil visitas. Aguardamos mais comentários por parte do autor do site.

________________________________________________________

As mentioned before, it could be just a prank. And it was (as expected.) However, it was genius. 200 thousand visited. We’re expecting further statements from the website’s author.

 

 

 

 

________________________________________________________________

So strange it might be true

It comes down to this. If we can’t raise the $50,000 in the next 3 months, we’ll have to choose abortion.” This is the way a couple justifies in their blog when asking money to raise their (perhaps) future child.”As happens to many young couples, my girlfriend and I have found ourselves confronted with a decision to make about having a child, and we’re not sure what to do(…)We’ve crunched some numbers, and we believe that, to really set ourselves up in a good environemnt for the baby, we need $50,000. That’ll give us the down payment on a decent house, get us a car that runs reliably, allow us to save away a little for the baby’s college fund, cover any medical bills (she’s uninsured), and give us a little buffer while she’s not working.She is the girlfriend.
Whoever contributes must agree to some terms and conditions: the money is given without any expectation of getting it back or tax deduction, they’ll never know to whom the money was given, and, who breaks these rules will forfeit $25,000. “Understand that you are giving the money to us, with no obligation on our part. We want to remain anonymous, for our sake and for that of our child, if we have one.” But those who give their money aren’t even entitled to a baby’s pic? “We’re not going to contact you, we’re not going to post pictures, we’re not going to give you status updates.
With 79 days until the deadline, this couple – self designated “well educated and intelligent” – had alredy gathered 12.500$. After this period, they, the website (and the money) are gone.

According to some websites, this is a scam, and they even attributed it’s authorship to Matt Schiros, a former Pittsburgh University student, that already had been in trouble over another website. Matt left college now, he’s 25 years old and he owns Invisihosting.com, the company where Helpmybabylive.com is hosted.I got to interview him, and he, besides giving further more info about the real creators of the website , shared his experiences and perspectives about free speech with us.

1-Whats the true purpose of helpmybabylive.com?

You’d have to ask the creators. I’m not sure if it’s legit or a joke, but if it’s a joke, I wish I’d thought of it. The hate mail I get about it is fantastic, and I’m just the host. The stuff they get must be golden.

2-What kind of reactions are you getting ? Any money too?

I won’t comment on the money matter, that’s the private business of my customer. The reactions are generally negative, and fall into three categories. The first, which isn’t so bad, just says “this is gross/sick/demented/etc….”. The second, which is bad, and ties into the reasons for founding InvisiHosting, is “you should shut them down!”. The third is some variation on “I’ve reported you to the FBI/I hope you get assfucked in prison”. Sort of standard for a site of this nature.

3-What happened after the http://www.amiblackornot.com, did Pitt U. got in your way, one way or another?

The University of Pittsburgh completely abandoned its responsibility towards me, a student, in the AmIBlackOrNot.com matter. Despite the fact that I’d received NUMEROUS death threats over the matter, they had campus police not only investigate and harass me, but call the FBI’s hate crimes division as well! The University then began its own proceedings against me, which is when I got the ACLU into the matter. At no point did they defend my rights to free speech and expression, at no point did they show any understanding for a fucking 19 year old kid who was a paying customer of theirs, and at no point in the process were they the least bit useful to me. I’m sure they were helpful to the people who were coming after me, though.

Remember, all I did in the AmIBlackOrNot.com affair was put up a website. I didn’t threaten anyone. I explicitly rejected the argument that the site was racist, and repeatedly tried to explain my belief that humor is the best way to destroy the harmful power that stereotypes retain. It’s sort of like how some blacks argue that by using the word nigger, they remove the power it has as a word of hate. I’m not “taking back” the concept of racial stereotypes, but I am making them less potent.

4-What kind of results did you get out of that experience?

Well, it sure as fuck reinforced my love of free speech. I’m like a kid in a lot of ways, nothing makes me want something more than someone else telling me I can’t have it. It also deepened my distrust of institutions, and devalued the college system in my eyes.

There were positives too. See, the whole thing about the free marketplace of ideas is that you’re exposed to things that you wouldn’t otherwise be. So, going into it, I knew my arguments for AMIBON to an extent, but confronting the hate mail and the shit I got from the institutions around me made me refine those arguments, make them better, come to a more rational and logical position than I would have otherwise.

We don’t gain anything from sitting around thinking about how right we are, and nobody has the ability to think up all the claims an opponent might make. Sites like AMIBON, HWS, and HMBL stimulate discussion in an otherwise docile mass of people who, usually, will get more riled up over the latest bit of Paris Hilton news than they will about the government jacking 35% of their fucking income. Sure, maybe people are pissed, but they’re _talking_. Somebody has challenged their assumptions and forced at least some of them to articulate their positions on various matters.

5-Why do you do it?

1.) I think it’s fucking hysterical. Seriously. I don’t do a site unless I think it’s a great joke, which is why I’m so pissed I didn’t think up HMBL.

2.) See above. I think it’s necessary to advance the marketplace of ideas. It injects new content into it, stirs up the waters a little.

3.) I’m an egotistical fuck, and I like the attention.

6-Do american campuses reflect american society?

God no. American campuses are so far removed from the rest of the country that it’s not even funny. That’s both a good thing and a bad thing. It’s a good thing in that people on college campuses tend to be less stupid and ignorant than the population at large, because there’s at least SOME selection process. Yes, there are idiots in college too, but a lower percentage.

It’s a bad thing because, like any institution, colleges become isolated from external input, so you end up with people acting just as stupid as they do outside the Ivory Tower, just over different things, like post-modernism and socialism.

7-Do you have other websites like this or are you planning to do any?

I never plan this kind of thing. I’ll usually just be sitting around, and get a funny idea that I think would make a good website, and I roll with it.


0 Responses to ““Ajudem o meu bébé a viver”|”Help my baby live””



  1. Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s


I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 119,690 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Junho 2007
S T Q Q S S D
« Mai   Jul »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: