Posts Tagged ‘jornal

13
Mai
09

New interns’ blog @Público | Novo blog de estagiários no Público

After what i found to be a successful and interesting experience with i think it was the first official intern’s blog at a national newspaper, Público decided to pursue the effort creating a space where current interns can blog their impressions, difficulties, doubts, hopes, mistakes and accomplishments.

This is a praiseworthy iniciative, because it does not only give voice to aspiring journalists as they have their first hands-on experience in a real newsroom environment – and one as reputable as Público’s – as it is a way for the company to show how is keeping up with its responsibilities as a trainer and nursery for budding journalists. A must read for all journalism students.

Depois do que achei ter sido uma experiência interessante e bem sucedida, com o que penso ter sido o primeiro blog oficial de um estagiário num jornal português, o Público decidiu prolongar a iniciativa criando um blog onde os seus estagiários podem fdeixar as suas impressões, dificuldades, dúvidas, esperanças, erros e vitórias.

Esta é uma iniciativa de louvar, porque não só dá voz a aspirantes a jornalistas na sua primeira experiência real numa redacção – e uma tão notável como a do Público – como é uma forma de a empresa mostrar como está a cumprir as suas responsabilidades de formação de futuros jornalistas. Uma leitura obrigatória para todos os estudantes de jornalismo.

Sobre

Este é um blogue feito inteiramente por estagiários em funções no PÚBLICO.

Pretende-se que este espaço sirva para analisar o trabalho jornalístico pelos olhos daqueles que começam agora a exercer a actividade. Questões éticas e deontológicas, dificuldades que se encontrem no decorrer das funções, ou mesmo reflexões sobre a actualidade são o tipo de assuntos que o “Em estágio no PÚBLICO” se propõe abranger.

Continue a ler ‘New interns’ blog @Público | Novo blog de estagiários no Público’

11
Mai
09

i agora? uma revisão ao que foi dito e ficou por dizer

Quando escrevi a minha crítica ao i (ao site particularmente, já que ainda não tinha nas mãos a versão impressa), foi baseado nas minhas primeiras reacções ao que estava disponível – o post estava escrito 4 horas depois do site ter ficado online. E posso dizer que as minhas ideias principais mantêm-se ao fim destes poucos dias de vida do jornal, mas outros comentadores e uma leitura à edição de papel levantaram outras questões que acho pertinentes para o futuro do projecto. Como normalmente sou bastante benevolente nas primeiras impressões, sinto a necessidade de aprofundar mais alguns pontos a partir de novas impressões, das minhas, e de outros. Para o bem e não para o mal, aqui vão.

inovação e forma

A primeira coisa que reparamos relativamente ao i é o formato, tanto no site, como na versão impressa. Se já falei do site – económico, limpo, simples – no papel a organização é mais confusa, há demasiadas áreas vazias, erros ortográficos que não se perdoam (“irradicação” na edição de Sábado, mas há mais) o que prejudica a credibilidade de qualquer publicação. Acontecem mas não deviam acontecer.

Não gosto da falta de linhas verticais a dividir artigos diferentes, é uma opção estética, mas se juntarmos isso à arrumação dos conteúdos às vezes a leitura é surreal  (acontece mais no Radar). Na edição de Sábado gostei muito das infografias, a do Giro de Itália ocupa uma página inteira  e é bastante interessante, e cumpre o seu papel.

O tamanho do jornal é prático, e desculpem-me os detractores mas este é o formato que vai dominar no futuro. O i lê-se bem deitado, o que para a filosofia do jornal se calhar é mais importante do que parece. Ao ler o i – e como vivo numa cidade à beira mar – penso que é um bom jornal para se ler na praia, os agrafos e as dimensões são úteis para se enfrentar o areal ventoso da Figueira, por exemplo.

Mas vou ter que concordar com algumas ideias sobre a fotografia, há opções a reconsiderar, a capa do nº1 foi muito fraca, e preocupa-me a falta de creditação de algumas imagens (caso notório, a reportagem ” Álcool antes dos 18 anos”).

Tem pormenores iguais aos da Monocle? Problema de quem fez e de quem comprou a estética, eu acho que resulta. E faz as necessárias chamadas para mais conteúdos multimédia no site, não tão bem como o DN, mas creio que como está chega.

Há problemas técnicos que se vão ter que resolver, como o RSS, as espanholices, o social bookmarking (as redes estão mal escolhidas), mas não é nada que não se veja com tempo.

A ideia que fica da primeira impressão visual do i é bastante positiva e continuo a defender que é um passo em direcção ao futuro, e que torna o jornal único. Mas o que se passa debaixo da superfície é mais complicado.

ideologia e identidade

Quando li o editorial do primeiro número torci o nariz. O Martim Avillez Figueiredo em vez de apresentar aquilo que define a personalidade editorial do projecto, deu um manual de instruções para se ler o jornal. Fiquei sem saber o que é o i, o que defende, qual é o seu manifesto ideológico, o que é que o separa do Público, do DN, JN, Expresso, das revistas cor-de-rosa ou das publicações juvenis.

Chamaram a atenção para a falta de apresentação de um estatuto editorial obrigatório num primeiro número, e isso ainda me deixou mais reticente em relação à consistência dos conteúdos. E quando li o jornal fiquei ainda mais preocupado. Não concordo com algumas opiniões que acho demasiado pesadas, mas há textos muito mal escritos, e o número de Sábado mais parece um pequeno manual de prevaricações próprias de uma revista para jovens adultos:  “5 passos para falsificar um BI”, “Como encontrar um (restaurante) clandestino”, “Da semente até ao charro” (com uma boa infografia para uma estufa caseira).

Se se assumiram como concorrentes do Público, estão a ir por um caminho completamente diferente. Estarão a dar espaço às propostas dos jovens jornalistas? Excelente! Mas parecem uma tosta de bacon com queijo light, e isso não ajuda a definir o que é o i, nas ideias, na atitude, na orientação. Sem isso não irão definir o seu público alvo, mas, assim que lhes passar aquele brilho nos olhos que surge em todas as pessoas que estão a começar um novo empreendimento (acreditem que sei como se pode ficar cego com isso), vão perceber que há coisas a mudar e a redefinir.

Já disse isto antes mas volto a repetir: o papel só deve ser gasto com boa escrita.

Depois não sei que ética é que permite a utilização dos nomes reais de menores em situações que lhes podem causar problemas com a família (reportagem “Álcool antes dos 18 anos”). Aliás, acho que se podem descobrir aqui e ali uns erros de palmatória nas questões éticas e deontológicas, especialmente nos trabalhos dos jornalistas mais novos, o que exige das editorias uma maior atenção. A ver.

Outra coisa que me fez espécie foi a geografia do i. A que país pertence? Lisboa, cidade  e subúrbios , e elites sociais e políticas? Onde está (desculpem usar esta expressão que odeio) o país real? Só acontecem coisas em Lisboa e o resto são pequenos pontos no Radar? Eu não vivo na capital nem nada que se pareça, e acho que estão a aplicar uma visão redutora sobre o que é Portugal, erro comum aliás a muitos outros jornais. Mas  isso é reflexo de um conjunto de erros que irei abordar no fim do texto.

A questão que fica é: o que é o i? Se com o Sol percebeu-se de onde vinham e o que queriam fazer, com este jornal as dúvidas são muitas, e os laivos de conservadorismo juvenil que se revelam ao ler os artigos sobre esses temas  contracorrente que referi antes não auguram nada de bom. Mas se calhar é apenas um reflexo de uma ideologia que se vai instalando lentamente na nossa sociedade.

E os exclusivos New York Times são um abuso: três artigos por número, muitos deles lidos e relidos na web? Pior, parecem ser usados como elemento validador da qualidade do i, que só será validada pelo  conteúdo próprio. É uma boa ideia, e eu gosto dos artigos, mas na última página preferia outra coisa, de que já vou falar.

Como não procuram ser um projecto de hard-news, vou dizer que o i não é um jornal para nos informarmos, mas para nos instruirmos. Não espero grandes cachas deles.

interacção

Há questões pertinentes relativamente à relação do i com os seus leitores. Aliás, podemos começar logo pela forma como se relacionaram com as primeiras críticas. Por mais que eu goste de ser mencionado em jornais e nos sites, fiquei incomodado por só terem usado as mais positivas e favoráveis ao projecto.

Eu se calhar teria feito o mesmo, mas tinha respondido na medida do possível às críticas negativas mais válidas num dos blogues do site, pelo menos. A auto-promoção é muito importante, mas aceitar as críticas e dar a outra face são fundamentais. É que no meio das opiniões negativas e algumas altamente gratuitas e destrutivas há sempre algo que se pode aproveitar. E levar as picardias pessoais a público é feio. Portugal é um país de gente mesquinha, óptimo, já sabemos. Não vamos é alinhar nisso.

A rentabilização dos blogues aliás é uma desilusão. São inúteis porque ou muito me engano ou não passam para o papel. Deviam ser diferentes também nisso. Com tanto blog podem muito bem usá-los para fazer algumas últimas páginas, em vez do artigo do NY Times. É uma maior motivação para os bloggers residentes e uma forma de chamar pessoas a essa zona do site.

A escolha das redes sociais parece-me boa, à excepção do social bookmarking, como já disse. A ideia de colocarem um jornalista a gerir o relacionamento social virtual com os leitores parece-me ser uma boa ideia, mas até agora não vi nada que possa definir ou ajudar a criar uma icomunidade, como me explicaram, especialmente depois da atitude passiva e defensiva que assumiram durante o desenrolar de críticas negativas no Twitter, por exemplo. Que, diga-se, não vi referenciado no site ou no jornal, como foi feito com os blogues.

Estes pormenores fazem-me parecer que as intenções estão lá, mas que na realidade é tudo um pouco fogo de vista, porque está na moda e é do que se fala, mas poucos compreendem, especialmente nas direcções , e estou a ver o jornalista destacado para essas funções a ser recolocado noutro tipo de tarefas em breve,  e a supervisionar os estagiários curriculares nesse trabalho.

Houve uma situação que me chateou, mas esta é a nível pessoal. Andei quase dois meses a ver se entrevistava alguém do i, e após uma primeira resposta impecável e perfeitamente compreensível a adiar a entrevista, finalmente tive uma ajuda para concretizar o meu objectivo, cerca de uma semana e meia antes de se lançar o primeiro número. Apesar de todos os esforços do meu contacto no i – a quem tenho que agradecer pelo trabalho e pelo tempo,e pela atenção-  não tive resposta.

Aceito que estão mais preocupados com outras coisas do que em responder às   perguntas de um blogger qualquer. Preferia receber um email a dizer “agradecemos o seu interesse, mas de momento não achamos relevante satisfazer o seu pedido, obrigado”, e depois não usarem parte da minha crítica positiva, ao menos eram coerentes.  As perguntas que lhes enviei podem ser lidas no final deste post.

Outro ponto a ter em conta é o papel e os termos do iRepórter. Mais uma vez parece que a  oportunidade de se incorporar algum jornalismo do cidadão numa publicação de uma forma eficaz e realista ficou-se pelas intenções. Os termos de utilização não me parecem ser os melhores para o estabelecimento de uma relação de confiança entre colaboradores e marca. Aí estão tão mal como a concorrência.

Onde o i é uma (des)ilusão

Como já vos disse, não sei o que o i é. Mas sei perfeitamente o que não é.

O i não é um jornal diário. Nem mais: a um euro por número, 1.40€ por uma edição que nada o justifica, e sem apostar a fundo na informação diária, o i devia ter uma frequência diferente. Terças, Quintas e Sábados, e talvez um aumento por altura das férias (já vos tinha dito que é porreiro para ler deitado e na praia?). Acho que se faziam números melhores, com menos custos.

O i não é um jornal de grande tiragem. O mercado do i já devia estar estabelecido, mas a indefinição na orientação editorial do jornal está a baralhar as contas. O i devia ser jornal para 25/30 mil cópias, e esgotadas com regularidade.

O i não está a usar todos os recurso que tem ao seu dispor. Este é o ponto em que eu acho que a Sojormedia/Grupo Lena estão a passar completamente ao lado. Ora, eles têm uma página no site com links para outras empresas de comunicação do grupo, mas pelo que percebi não há nenhum tipo de integração com esses orgãos de comunicação locais, onde há experiência, trabalho e matéria prima para ser utilizados numa edição nacional.

Se trabalhasse numa das publicações regionais do grupo e visse que nenhum do meu trabalho poderá aparecer na edição nova, que levou um investimento brutal enquanto o site do meu jornal é uma porcaria, e que deu trabalho a uma série de putos quando estou há anos a ver se saio desta cidade, ficaria assim um bocado desmotivado. E dói ver que vão buscar o New York Times mas não conteúdos internos.

Se a integração do regional no nacional me parece inexistente, também suspeito que o que se aprender no nacional não chegará às empresas mais pequenas do grupo, que bem precisam de formação e investimento na renovação das suas metodologias e tecnologias.

O i não é um jornal nacional. Como disse antes, não sei que país é este de que fala o i. É interessante saber que em Alcântara vai nascer um jardim onde agora estão contentores, que posso ir por minha conta e risco ao Martim Moniz comer num restaurante clandestino, que há um lar gay em Lisboa. Mas eu não estou em Lisboa. Até o Público, que se vende miseravelmente no Porto, tem uma edição Norte, porque há assuntos de interesse nacional a acontecer por aquelas bandas. Já deu para perceber que este é um jornal de estações de metro, não de apeadeiros.

Eu costumo dizer que para se ter uma ideia do que é Portugal é preciso ler dois jornais, o Correio da Manhã e o JN. Creio que nunca irei incluir o i nesta lista.  Por isso, não duvido que a distribuição do jornal será reduzida a alguns centros urbanos e do litoral, dentro de algumas semanas.

O i não é obrigatoriamente um matutino. Sem apostar nas notícias breves, e mais nas de fundo, e com as suas características magazinescas, não estou a ver que razões obrigam o jornal a estar disponível de manhã, tirando o facto de que assim podem entrar nos hábitos matinais de leitura dos portugueses, se é que os há. Mas este ponto é o que tenho menos certezas, há uma série de razões económicas e de venda que favorecem os matutinos.

Estas questões levam a analisar de outra forma o posicionamento do jornal no mercado português. Perde para os jornais de referência na abrangência, nos exclusivos, na importância à realidade regional e local, na informação diária (onde acaba por sofrer também da concorrência dos gratuitos);  não ganha aos semanários porque traz demasiados artigos de fundo para uma leitura diária, é um jornal que precisa de tempo quando traz coisas que nos interessam. Falha redondamente na definição da marca, a revolução do i parece ter sido ao nível superficial, de resto surge como um aglomerado de ideias sem fio condutor. Pode ser que com o tempo se venha a provar que estou errado.

Onde o i ganha é na oportunidade que tem de arriscar, de ser realmente diferente se o quiserem, e não andarem preocupados com as outras marcas, não vejo qual é o interesse em dizer que a sua concorrência directa é o Público ou o JN, porque não é, o i é um objecto único no panorama editorial português . Se definirem uma voz própria vão vender menos, mas terão o respeito dos leitores e dos seus pares, e o futuro não está nos que vendem mais mas nos que vendem melhor.

Sigam os conselhos que outros partilharam – e não me estou a dirigir aos jornalistas ou aos editores de cada secção, mas aos executivos do grupo e ao Martim Avillez Figueiredo – e vejam que para a opinião pública vocês ainda não existem ou estão perto do falhanço. Eu não acredito nisso, mas como leitor e como defensor de melhores instituições jornalísticas em toda a parte, acho que ainda falta muito, talvez demasiado, para o i ser um projecto sólido, nem que seja porque as expectativas foram colocadas a uma fasquia demasiado ambiciosa. Mas há muitas coisas boas.

O Pedro Rolo Duarte tem 50 números temáticos para fazer para a sua revista de Sábado. Daqui a um ano voltamos ao assunto.

________________________________________________________________

As perguntas que lhes fiz (e às quais ainda espero que me respondam)

  • Em que é que o “i” vai ser diferente dos outros jornais, no papel? Menos páginas, menos breves, ou há algo mais?
  • Qual é a relação que vai haver entre o online e o papel? É uma redacção integrada? Há directrizes diferentes para ambos?
  • Sei que os jornalistas vão ter à sua disposição vários equipamentos para conteúdos multimédia. Que tipo de formação tiveram? Para a direcção do i é o caminho a seguir (não só na empresa mas no jornalismo em geral)?
  • O que é que os jornais existentes estão a fazer de mal que vocês querem evitar?
  • A redacção como espaço físico tem algumas particularidades. Não pude deixar de reparar que têm um espaço dedicado para conteúdos vídeo. O que é que destacam de diferente, e como é que isso afecta o método de trabalho?
  • Houve alguma descrença aquando da apresentação do projecto. Porquê lançar uma publicação nova agora, quando o que se vê é o encerramento de jornais, e o espalhar da crise?
  • Como acham que vai ser o futuro do jornalismo,para as empresas e para os jornalistas?
  • Os cursos de Jornalismo lentamente estão a adaptar-se à nova realidade tecnológica e social da web, mas muitos estudantes de jornalismo ainda não sabem bem o que os espera. Que conselhos lhes dão?
  • O i é o jornal do futuro?

Acima de tudo, boa sorte, e bom trabalho.

07
Mai
09

i: A newspaper is born – the website | Nasceu um Jornal – o website

ilogo

Today is the beginning a new era in the portuguese news industry. i is out on the stands and the web, and it already has defined a unique personality, becoming a true game changer right from the start. This is a first glance review to their website and their online features.

Hoje é o início de uma nova era na indústria informativa portuguesa. O i está nas bancas e na web, e já tem definida uma personalidade única, assumindo-se desde início como uma verdadeira mudança. Esta é uma análise à primeira vista ao seu website e trabalho no online.

Cover & Article | Capa & Artigo

Home & Article | Início & Artigo

What is immediately striking when you open i‘s website is its cleanliness: three content columns under a  header, dominating the top of the page with a slideshow  for the major news stories ; there is no clutter, no text beyond tiles (finally somebody got it), video right in the middle of the page, that doesn’t get to fill the whole width of the screen. The left yellow sidebar shows the main website features, middle column is for content and on the right the usual “most read/commmented” boards, special assignments, and live sport results. At the bottom, three content columns: Country, World, Sports. Can’t get any simpler than that. The newsroom and the newspaper are divided into four sections: Zoom, Radar, More and Sports. The website reflects this oranization.

Each article seems to have at least one picture whenever possible and it has the usual vote, send and print features. It also has a social bookmarking tool that allows you to send the story to Google Bookmarks, Technorati, and (the schock!) Facebook, MySpace, Flickr(!?) and almighty Twitter. Social networking seems to be quite a deal for the project since they designated a few reporters to handle Twitter, Facebook, and YouTube accounts. In a Twitter conversation i had with the man in charge for social networking he put the concept in one word: they want to build an “icommunity”.

Users are invited to participate in the life of the newsroom, sharing their news in a feature called iReporter. You send content using your user profile, and share it under “news story” or film, restaurant, music (etc) reviews, up to 1500 char. You can also post pictures and video right away. All articles must comply to i’s editorial rules.

The website also has a few blogs, i really didn’t explore them, but they all seem to be invited by the editors.

Another thing that i’m curious about is how they will interact with the rest of the companies of the group. They own a few regional newspapers and radios, and i wonder how national and local will work together (if ever). The website has a page for them, but for now, it’s just the logos.

Video seems to be an important bet for i. They look technically great, though the TV like narrative is still present (not a surprise, the presentation video was made by a TV journalist), but it looks good. Shareable, embeddable (except for wordpress.com, a platform problem), easy to load, what  else could you ask? I’ll be waiting for more video work.

Overall, the i website is one step into the future, in design -it looks gourgeous-, philosophy, organization. It is not made for shovelware, and it would be a real shame if they fell into that. There are other details i have to explore in time, like linking, comment moderation, social networks interaction, etc. But they’re off to a good start online.

O que imediatamente salta à vista quando entramos no site do i é a limpeza: três colunas de conteúdos sob um cabeçalho a dominar o topo da página com um slideshow para as notícias mais importantes; não está tudo atravancado, nenhum texto para além dos títulos (até que enfim que alguém percebeu isso), video mesmo no centro da página, que nem chega a ocupar toda a largura do monitor. A barra amarela de lado tem as rubricas principais do site, a coluna do meio é para o conteúdo informativo, e à direita os normais quadros de “mais lidos/comentados”, temas especiais, e resultados desportivos ao vivo. Ao fundo, três colunas de conteúdo: Portugal, Mundo,Desporto. Mais simples não há. A redacção e o jornal estão divididos em quatro secções: Zoom, Radar, Mais e Desporto, e isso nota-se no site.

Cada artigo parece ter pelo menos uma foto sempre que possível e tem as ferramentas normais de votação, enviar e imprimir. Existe também uma ferramenta de bookmarking social que permite enviar a notícia para os Google Bookmarks, Technorati, e (o choque!) Facebook, MySpace, Flickr(!?) e o todo-poderoso Twitter. As redes sociais parecem ser um ponto muito importante para o projecto, já que designaram alguns jornalistas para gerir as contas do Twitter, Facebook e Youtube. Numa conversa via Twitter com o homem responsável pelas redes sociais, ele pôs o conceito numa palavra: eles querem construir uma “icomunidade”.

Os utilizadores estão convidados a participar na vida da redacção, partilhando as suas notícias numa rubrica chamada iRepórter. Podem enviar conteúdos através do seu perfil de utilizador, e partilhá-lo como notícia, ou crítica a filmes, restaurantes, música etc, até 1500 caracteres. Podem também colocar fotos e video na hora. Todos os artigos têm que cumprir com as regras editoriais do i. Vamos ver como funciona. O site também tem alguns blogs, ainda não os explorei, mas parecem ser todos convidados pela editoria.

Outra coisa que me deixou curioso é a forma como vão interagir com as outras empresas do grupo. Eles têm alguns rádios e jornais regionais, e gostava de saber como o nacional e o local irão trabalhar juntos (se é que vão). O site tem uma página para eles, mas para já, são apenas os logos.

O video parce ser uma parte importante para o i. Eles tecnicamente parecem ser muito bons, apesar da narrativa TV estar ainda presente (não é surpresa se virmos que o video de apresentação é feito por umn jornalista de TV), mas parece bem. Partilhável, “embutível” (excepto no wordpress.com, mas isso é problema da plataforma), fácil de carregar, que mais podemos pedir? Vou ficar à espera de mais trabalhos video.

No geral, o site do i é um passo para o futuro, no design – é bonito- , filosofia, organização, Não está talhado para despejar conteúdo do papel e espero que não caiam nisso. Há outros detalhes que é preciso explorar com tempo, como a economia de links, moderação de comentários, a interacção com as redes sociais, etc. Mas o início online parece promissor.

iTV

iTV

Continue a ler ‘i: A newspaper is born – the website | Nasceu um Jornal – o website’

04
Mai
09

i : the manifesto | o manifesto

falsa-cover-de-i

old cover project | antiga maquete da capa

The new “i” will be news caviar.

News paté.

Not news pottage.

News, stories, analysis, opinions and services will be presented in a first class graphic model, but the secret of the new formula will not be the quality of the design but the relevance of the content.

This has been a content-driven redesign.

I wants be an extremely efficient newspaper.

Offering quality and compelling information in an attractive, compact, and easy to read newspaper format.

Not zooming old formulas into fewer pages.

(…)

Our Portuguese readers will get more information than ever in print and online .

And our superb content will capture more eyeballs than ever.


This is an excerpt of the Manifesto devised by Juan Antonio Giner that is working with the team of the new portuguese newspaper coming out next Thursday, named “i”.  As we all know these are hard times for the publishing industry, so new projects will have to be different of what has been done before. So the expectations for “i” are huge. I’ll be coming  back to this launch during this week. Until then, read the whole Manifesto.

Este é um excerto do Manifesto pensado por Juan Antonio Giner que está a trabalhar com a equipa do novo jornal “i”, que é lançado já esta quinta-feira. Como todos sabemos, estes são tempos difíceis para a indústria dos jornais, por isso os novos projectos terão que ser diferentes do que se tem feito até agora. As expectativas para o “i” são, portanto, enormes. Eu vou voltar a este assunto durante a semana. Até lá leiam todo o Manifesto.

Continue a ler ‘i : the manifesto | o manifesto’

19
Mar
09

Diário de Notícias: New website | Novo site

One of the oldest portuguese dailies – Diário de Notícias – premiered their long overdue website today. Here’s a quick overview on what has changed.

O Diário de Notícias estreou hoje o há muito aguardado e necessário website. Aqui fica uma rápida análise sobre o que mudou.

Spot the differences | Procurem as diferenças

Spot the differences | Procurem as diferenças

It’s a dramatic change for DN. Yesterday they were 7 years behind everyone and today, at least, they are on the same level. From a shovelware, dull, zero-interactivity page, they went to a complex, colorful, multimedia website. They have video,photo galleries, a new Specials section (where they use their archive to focus on a special subject), and a broad content organization structure that holds many different sections, much more than the old website did. Each section has it’s own color wich makes it more easy to identify.  As you can see, the homepage is longer, and as far design is concerned, there’s nothing much else to say: they’re using a standard presentation layout with a narrower middle column. The font is a bit too small for me to feel comfortable, but maybe it’s just me needing glasses.

Each section works as an independent page, and most are easy to browse. One of the main differences is the profusity of pictures, though sometimes in the main page we have one for the story, but not in the article, just a block of text.

É uma mudança dramática para o DN. Ontem eles estava 7 anos atrasados em relação a toda a gente e hoje, no mínimo, estão ao mesmo nível. De um site aborrecido, sem interactividade, de conteúdo despejado do papel, passaram para uma página complexa, colorida e multimédia. Têm video, galerias de fotos, uma nova secção de Especiais (onde usam o próprio arquivo para abordarem um assunto específico, e uma  estrutura alargada  de organização de conteúdos, que alberga muitas mais e diferentes secções que o site anterior. Cada secção tem a sua cor própria o que torna mais fácil a sua identificação. Como podem ver, a página de início é mais comprida, e quanto ao design, não há muito mais a dizer: estão a usar um layout tradicional, com uma coluna do meio mais estreita. A fonte de letra é talvez demasiado pequena para mim, mas se calhar sou eu precisar de óculos.

Cada secção funciona como uma página independente, e a maioria é fácil de navegar. Uma das maiores diferenças que noto é uma maior quantidade de imagens, apesar de muitas vezes haver uma no lançamento da notícia mas não no artigo, existindo apenas um bloco de texto.

One section, one color | Uma secção, uma cor

One section, one color | Uma secção, uma cor

The articles i read still feel like shovelware, no external links, written for paper rather than for the web, but this is a reference newspaper so they’re good. No editorial issues here, just a better adaptation to online is needed. All articles have the standard features for printing, sending by email, stats and the AddThis social bookmarking tool. To comment you have to be registered with the website, and as far as i can see that’s the only extra in  registering.

The multimedia stuff is still a bit flimsy: you can’t control the photo slideshows, the video on the website comes from agencies, and i believe  that may become harmful for the (any) newspapers image. This example looks like a begginers exercise for tv interviewing – B roll footage of the hands  and face closeups,  meaningless images for opening and closing the video with no voice over, well, i know what i’m talking about because i did the same. It’s a bad TV visual narrative that shouldn’t be used online (at least i believe this is not a DN production, i might be wrong, but i don’t know if they even have video reporters).It seems there is an effort to have audio and video content, so all we have to do is wait for them to evolve. I have no information if  there is an investment on multimedia reporting, but i doubt it, i’ll tell you why in the end. One of the best sections is the infographics, i always  loved their visuals and online they still look neat and effective.

Os artigos que eu li ainda parecem copiados do papel, sem links externos, escritos para papel em vez de para a web, mas este é um jornal de referência, por isso são bons. Não tenho questões editoriais, só é necessária uma melhor adaptação ao online. Todos os artigos têm as aplicações standard de imprimir, enviar por email, estatísticas e bookmarking social. Precisamos de nos registar para comentar os artigos, e pelo que vi é o único extra que o registo traz.

A parte multimédia é um pouco fraca: não temos controlo sobre os slideshows, o video no site vem de agências, e acredito que isto pode ser prejudicial para a imagem do (de qualquer) jornal. Este exemplo parece um exercício de principiante para entrevistas TV – planos de corte das mãos, planos apertados da cara, imagens sem sentido nem narração a abrir e a fechar, bem, eu sei do que estou a falar porque fiz o mesmo. É uma narrativa visual televisiva má que não deve ser usada online (acho que isto não é uma produção do DN, posso estar enganado, mas acho que eles nem têm reporteres vídeo). Parece que há um esforço em ter conteúdos video e áudio, por isso é esperar pela evolução. Não tenho informações sobre investimento emjornalistas  multimédia, mas duvido e explico-vos porquê no fim. Uma das melhores secções é a de Infografias, eu sempre gostei dos gráficos do DN e eles online ainda parecem bonitos e eficazes.

Increase in sales but the least sold | Aumento nas vendas mas o menos vendido

Increase in sales but the one of least sold | Aumento nas vendas mas um dos menos vendidos

Despite the positive numbers from 2008, the Diário de Notícias was one of the editions of the Controlinveste group affected by a massive layoff, and in the public eye is looked as one of the biggest candidates to kill print first.  So this may just be a skin deep change in the life of the newspaper, instead of a new step towards the future, that’s is what i was talking about before: i haven’t heard anything about new multimedia reporters in the DN newsroom, and if the policy is to fire and not to hire,i don’t know if any will come. It seems they will be still working for paper, and not bother  about online content either way, since it will always be shovelware, and agency multimedia content. Nonetheless, their new website looks great. Lets just wait and see how it will turn out for them.

And you? What do you think about this makeover? Leave your thoughts in the comments below.

Apesar dos números positivos de 2008, o Diário de Notícias foi uma das edições do grupo Controlinveste a ser afectado por um despedimento colectivo, e aos olhos do público é um dos grandes candidatos a fechar a edição impressa primeiro. Portanto se calhar esta é uma mudança superficial na vida deste jornal, em vez de um passo em direcção ao futuro, era sobre isso que estava a falar antes: não sei de repórteres multimédia na redacção do DN, e  se a política é despedir e não contratar, não sei se eles virão. O papel parece  continuar a ser a prioridade, e tenho dúvidas se se preocuparão muito com o conteúdo online, que me parece ser shovelware, e multimédia de agência. Apesar de tudo, o novo site deles parece muito bem. Vamos esperar e ver como vai resultar para eles.

E vocês? O que acham desta mudança? Deixem as vossas ideias nos comentários.

Continue a ler ‘Diário de Notícias: New website | Novo site’

08
Nov
08

Que jornalista eles querem que vocês queiram ser?

http://queroserjornalista.com/specific/queroserjornalista/images/logotipo.gifO Grupo Lena (Sojormedia) já tinha anunciado a sua intenção de lançar um novo projecto jornalístico em 2009, um diário posicionado no mesmo segmento do Público e do Diário de Notícias.

Eles lançaram um site com o curioso nome de QueroSerJornalista.com para captar os futuros profissionais que irão compôr a redacção, como estagiários.

De acordo com a notícia no Público “o objectivo será recrutar licenciados com idades até aos 26 anos, oriundos de várias áreas de formação e não apenas da comunicação social, e que tenham apetência pelas novas tecnologias.” Serão 25 finalistas que farão um curso de formação para depois integrarem a redacção. A sua formação poderá ser “da Matemática às Ciências Humanas, da Biologia à Gestão, da História à Comunicação Social”, como vem indicado na descrição do projecto.

Obviamente, estes não serão os únicos elementos da redacção, e a equipa de direcção anunciada há uns meses era de peso: “o grupo Lena convidou o antigo director do Diário Económico Martim Avillez Figueiredo, e conta já na administração do projecto com Francisco Camacho, que transita da revista Sábado e Sílvia de Oliveira ,subdirectora do Diário Económico, para os cargos de directores adjuntos, e Miguel Pacheco (editor executivo do DE) para a subdirecção.

Apesar de ser a maior oportunidade neste momento para jovens jornalistas no mercado nacional, não deixo de ter algumas reservas relativamente aos parâmetros de selecção presentes no formulário online disponibilizado para os candidatos.  Se por um lado revela uma abertura para se fazer um jornalismo moderno, por outro não são claros nas competências e conhecimentos específicos que os candidatos precisam de ter. Quando questionados sobre os conhecimentos, os candidatos têm que escolher entre três graus de competências em Internet e redes sociais, sem mais pormenores; mais uns passos à frente perguntam se os candidatos estão inscritos em redes sociais, se têm um blog, sem possibilidade de indicar os respectivos links (no final têm alguns campos onde poderão dar essas indicações, mas a sensação que dá é que os candidatos não serão avaliados nesta fase pelos conteúdos que produzem ou pela capacidade de gestão em redes sociais).

Ainda perguntam pelas capacidades dos candidatos em fotografia e vídeo, mas é manifestamente pouco. Levanto a clara possibilidade de estarem a recrutar especificamente profissionais especializados nessas áreas. Ou então os finalistas irão adquirir conhecimentos mais aprofundados na formação subsequente à fase de selecção, o que será o mais provável.

Eu já nem questiono a abertura a candidatos formados fora do âmbito da comunicação social – não é o curso que faz o jornalista, embora na teoria forneça mais habilitações e conhecimentos e uma maior solidez na execução da actividade profissional – mas questiono a definição do jornalista  imposta na candidatura. Parece que querem pessoas que saibam umas coisas de internet e não profissionais vocacionados para esta nova idade do jornalismo.

Depois, o facto de exigirem a carta de condução como factor sine qua non para a aprovação da candidatura é um bocado desfasada da realidade de uma redacção que aposte no online: há muitos jornalistas que podem desenvolver a sua actividade dentro de portas, e não acredito que tenham 25 carros disponíveis para todos. Além disso, estes 25 irão andar na rua todos os dias? Ou seja, serão eles que assegurarão o grosso da produção dos conteúdos do projecto? Parece-me um contra-senso relativamente às intenções demonstradas. A carta de condução é uma mais valia óbvia, mas creio que é um factor eliminatório pesado, ao menos que dissessem que era uma condição preferencial.

Nem quero entrar pela questão dos estágios, as indicações que tenho é que não se pretende que sejam mão-de-obra a preços baixos, e que se pretende valorizar os candidatos seleccionados.

Eu não estou por dentro do processo, e não gosto de ser pessimista sem ter mais informação,  mas educaram-nos a desconfiar de algumas coisas. Por isso, vou ressalvar dois pontos que me parecem positivos: é uma grande oportunidade para quem quer ser jornalista e recomendo que se inscrevam, não têm nada a perder; agora se é grande em quantidade apenas ou também em qualidade, não sei. Depois, vê-se que o Grupo Lena está prestes a dar um salto importante empresarialmente, o que em tempo de crise – económica, e particularmente no negócio do jornalismo – é admirável.

As impressões iniciais são de alguma reserva, mas acho que vamos todos ter que esperar pelos resultados.

Recepção de candidaturas:


De 8 a  16 de Novembro
Os candidatos deverão submeter os seus dados através do formulário disponível no site www.queroserjornalista.com.

Processo de selecção:

Primeira fase selecção – De 19 a 20 de Novembro;

Divulgação de resultados da primeira fase: 24 de Novembro.

Segunda fase de selecção: 24 e 25 de Novembro.

Divulgação de resultados da 2ª fase: 28 de Novembro.

Terceira fase de selecção: 28 de Novembro e 4 de Dezembro.

Divulgação de resultados da 3ª fase: 5 Dezembro.

Quarta fase de selecção: 9 a 12 Dezembro

Divulgação de resultados da 4ª fase apenas aos seleccionados.

Todas as fases têm timings definidos em termos de datas e horários e os detalhes de selecção das mesmas estão disponíveis online através do site www.queroserjornalista.com 24 horas/dia.

O cumprimento dos prazos de entrega das provas de selecção é obrigatório, pelo que o incumprimento é factor eliminatório.

www.queroserjornalista.com

Continue a ler ‘Que jornalista eles querem que vocês queiram ser?’

16
Out
08

@ Verdade – website

Logótipo Beez, as três abelhinhas

Falei d’@Verdade aqui há uns tempos e uma das dificuldades que tive na altura foi descobrir o site deles e os contactos, que muita gente pediu a altura. Aqui fica o link e o desejo de boa sorte para todos que levam @Verdade em frente em Moçambique.

NOTA: o site do jornal é construído em Joomla, uma das plataformas CMS mais versáteis e fáceis para se construir um site informativo. E gratuita. Não percebo como é que há jornais locais em Portugal que gastam imenso dinheiro em plataformas fechadas- e sites horríveis- criadas por empresas de infromática que se encarregam elas mesmo de alterar os conteúdos e layout das páginas, fechando esse processo à redacção. Não podem haver barreiras entre os jornalistas e o site, mas também é verdade que há muitos jornalistas que têm medo de espreitar por detrás da cortina.

I wrote about @Verdade a few weeks ago, and one of the problems i had then was to find their website, and a contact, that were asked by so many readers. Here’s the link now, and i wish the best of luck for all of those who are delivering @Verdade in Mozambique.

NOTE: the newspaper’s website is built in Joomla, one of the most versatile and easiest to work as a news website platform.And it’s free. I can’t understand how there are local newspapers in Portugal spending huge amounts of money in author platforms -and dreadful websites- created by IT companies that take care of publishing content and changing layouts themselves, shutting that process to the newsroom. There can’t be no barriers between journalists and the website, but it’s also true that many are afraid to look behind the curtain.

http://verdade.co.mz/

Continue a ler ‘@ Verdade – website’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 121,275 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Setembro 2014
S T Q Q S S D
« Out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.