Arquivo de Dezembro, 2008

31
Dez
08

Responsibility | Responsabilidade

blogs-que-muito-me-deram-em-2008-expressopt_1230731263461

Paulo Querido, in ExpressoOnline

Alexandre Gamela is a journalist with an impressive curriculum with a wide knowledge about online journalism and social networks like-i dare to say it- very few others have in Portugal. His absorption capacity seems to be endless.

I follow Alexandre the most i can: I subscribe his blog O Lago | The Lake, that has the peculiarity of being bilingual (Alexandre has an unusual working ability) and accompany him in social networks. The day I start a newspaper, i’ll hire him. Until then, I read him and absorb, while no Newsroom grabs him – which is one of those wastes of talent only possible in an industry adrift.

Paulo Querido, ExpressoOnline

December has been overwhelming. I took a few days off to think some things through. I’ve been highly praised by people i respect and my blog was chosen to rank among other high quality bloggers at Journalism.co.uk. This is a reward for all the hard work i’ve been developing especially in this last year.

But this reward also carries the weight of responsibility. I have to do more and better. We – the new media pros and visionaries –  all do. Next year will be a hard year, but as we can learn from History, it is in hardship that people overcome their obstacles. And we shall overcome.

To all of those who have been following and linking back to The Lake, to all of those brilliant,generous minds with whom i learned so much, my deepest thank you. Without you i’d be nothing.

Happy 2009 to everyone.

Dezembro foi um mês avassalador.Tirei uns dias de descanso para pensar em algumas coisas. Fui altamente elogiado por pessoas que respeito e o meu blog foi escolhido para figurar entre outros de grande qualidade no Journalism.co.uk. É a recompensa por todo o trabalho árduo que desenvolvi este ano.

Mas esta recompensa traz também o peso da responsabilidade. Tenho que fazer mais e melhor. Nós- os profissionais e os visionários dos novos média- todos temos.O próximo ano vai ser difícil,mas como a História ensina,é na dificuldade que as pessoas se transcendem.E nós vamos fazê-lo.

Para todos aqueles que têm seguido e linkado para O Lago, para todas as mentes brilhantes e generosas com quem tenho aprendido tanto, os meus profundos agradecimentos.Sem vocês eu não sou nada.

Feliz 2009 para todos.

Continue a ler ‘Responsibility | Responsabilidade’

22
Dez
08

Out for the Holidays | Para descanso do pessoal

I’ll be taking a few days off blogging, this is a time for the ones you love, and since i have a lot of other things to do,  i’m creating free time in my agenda the most i can. I’ll be back soon, with the years highlights, praises and maybe a list. Until then Happy Holidays to everyone, and stay safe.

____________________________________________________

Vou tirar uns dias de descanso aqui no blog,  para dedicar mais tempo às pessoas de quem gosto. Tenho muitas outras coisas para fazer e assim limpo um bocado a minha  agenda. Volto em breve com destaques do ano, alguns elogios e talvez uma lista. Até lá, tenham umas Boas Festas e tenham cuidado com vocês.

18
Dez
08

Thursday links | Links de Quinta-feira

I recorded this at the Society of Editors conference in November, so forgive my tardiness. This is Donald Martin, a representative of UK training organisation NCTJ talking about the results of a survey they and partners PTC, BJTC and Skillset conducted into employer and university perceptions of skills needed by journalists…

We’ve grown up with news being free, whether our parents paid for it or we stumbled across it on the Internet as young teens. In college, many of us found stacks of papers free in dining halls and student unions as publishers showered schools in hopes of building devoted young readers.

To where from here? I think the industry can survive only if big guns — the Tribune Co., owner of the Los Angeles Times and the Chicago Tribune, which has filed for bankruptcy reorganization; The New York Times; The Washington Post; Murdoch; McClatchy; and Gannett — manage to collude. They, as a cartel, must demand that we pay for news, be it digital or print. I think a system where subscribers get Sunday print delivered combined with unlimited digital usage is a likely model.

Social media is not yet another place to push content onto. It’s not a repository for content from another medium. It’s its own medium.

It deserves — no demands — its own content. Social media can be a great way to connect with users. It can also be a great way to build a network of sources.

So, if you are training tomorrow’s journalists, why bother with your own print edition? While I haven’t seen a formal content analysis, my impression is that college newspapers have evolved about as much as their grown-up siblings (not much). Given the amount of time and energy it takes to put out a printed publication on a regular basis, journalism programs could benefit by focusing their students’ energies toward innovations in online journalism, instead of putting a paper out.

NEW YORK (AdAge.com) — News on the web has a future — and not just for sites that don’t pay their bloggers, like The Huffington Post, but for cost-intensive operations such as The New York Times, too.

The report concludes that once NYT.com starts generating 1.3 billion page views a month, it could succeed as a web-only product.

That’s the conclusion of a report released Tuesday, titled “Size Doesn’t Matter,” by online media-research company ContentNext. The report looks at sites ranging from those that are independently run on a low budget, including Drudge Report and the Daily Kos, to giants like CNN Digital Network and Google News.

“Small website operations can be self-sustaining,” writes the report’s author, ContentNext Research Director Lauren Rich Fine, “but life is easier at the mega traffic sites.”

Continue a ler ‘Thursday links | Links de Quinta-feira’

17
Dez
08

Features of Citizen Journalism | Características do Jornalismo do Cidadão

João Canavilhas vision | A visão de João Canavilhas

João Canavilhas vision on CitJ | Visão de João Canavilhas sobre Jornalismo do Cidadão

During his presentation at the International Cyberjournalism Congress, João Canavilhas used two similar images to the ones above to express his scepticism regarding the existence of a real citizen journalism. I understand his point of view, but totally disagree.

It’s true that the umbrella of what is called “Citizen Journalism” covers a lot that isn’t journalism. But is a picture taken by a professional more valid than any other taken by a mere mortal? Or can’t the factual reporting via Twitter of someone who is experiencing the event be considered as journalism? Lets go step by step.


What is Journalism?

Journalism is the profession of writing or communicating, formally employed by publications and broadcasters, for the benefit of a particular community of people. The writer or journalist is expected to use facts to describe events, ideas, or issues that are relevant to the public. Journalists (also known as news analysts, reporters, and correspondents) gather information, and broadcast it so we remain informed about local, state, national, and international events. They can also present their points of view on current issues and report on the actions of the government, public officials, corporate executives, interest groups, media houses, and those who hold social power or authority. Journalism is described as The Fourth Estate.

Wikipedia

For  starters, and from this point of view, there are lots of things considered as journalism that couldn’t be. But that is not the subject of today. What has always scared the Citizen Journalism slanderers was the possible lack of quality and impartiality of the journalistic reports submitted by the non-professional. This coming from an industry that has been making a living out of the reproduction of press releases. It’s not a matter of education, we have scientists, economists, lawyers etc, practising journalism. It is not a matter of having a contract with a communication company, since many journalists are in precarious situations, or developing their activity on their own. How can we define the features of Citizen Journalism then?

The possibility of a more active participation with the media comes with the technological revolution of democratization of information gathering and distribution devices. Which means, when it became possible to take pictures and write text and publish it on the web in a matter of minutes and without costs. Ever since we could distribute contents to a wider audience without recurring to the traditional channels, Citizen Journalism became possible. And this is just the logistics that allowed the common user to make Citizen Journalism, which doesn’t mean it will, of course. What defines the act of Jornalism by citizens is exactly the same that defines traditional Journalism, but with peculiar characteristics.

Citizen Journalism features

  • It’s casual, whoever practices the journalistic act can do it only once in a lifetime.
  • It is mainly spontaneous, not dependant of an incumbency or professional obligation. It can be provoked by opportunity, personal need or social responsibility.
  • It is disorganized/not sistematic – this can happen in more or less degree, specializing in a job implies the learning of a method, that the citizen journalist may or may not master.
  • It is related to the surrounding reality of the citizen journalist, wether it is in a geographical level, emotional, cultural, therefore there is a certain amount of partiality (but like we’ve seen before, impartiality doesn’t not objectively exist in traditional journalism).
  • It doesn’t follow the mainstream news agenda. Apart from calamities, terrorist attacks, or other high profile events, Citizen Journalism tends to reflect realities, subjects, or perspectives absent from the mainstream media coverage.
  • It can be done by people who have a greater specific knowledge about a given subject than a journalist (which happens frequently, one can’t just know about everything).
  • The purpose is not any sort of remuneration but simply the act of information.

Taking these features into account and the volume of already created contents, can we still in good mind deny the existence of a true journalism made by common citizens? I’m not defending that it exists unflawed, nor that it is better than the professionaly (=as a profession) made journalism, but i won’t say either that most of the professional reports is better than some cases of citizen journalism. Journalists are paid professionals, specialists in the gathering, construction and distribution of information, and their role – as long as it is well performed – is inquestionable in this society of communication en masse.

What other features can also define Citizen Journalism? Is it just a subterfuge for media companies to obtain free contents? Does it really exist or not?

Durante a sua apresentação no Congresso Internacional de Jornalismo, João Canavilhas usou duas imagens semelhantes às de cima para mostrar o seu cepticismo relativamente à existência de um jornalismo do cidadão. Eu percebo a perspectiva dele, mas não concordo.

É verdade que se chama “jornalismo do cidadão” a muita coisa que não o é. Mas uma imagem obtida por um profissional sobre um acontecimento que faz notícia é mais válida que outra obtida por um comum mortal? Ou o relato factual via Twitter por quem está a assistir ao acontecimento não pode ser considerado como jornalismo? Vamos por partes.

O que é Jornalismo?

Jornalismo é a profissão de escrever ou comunicar, formalmente usada por publicações e distribuidores de informação, para benefício de uma comunidade específica de pessoas. Do escritor ou jornalista espera-se que use factos para descrever eventos, ideias ou assuntos, que sejam relevantes para o público. Os Jornalistas (também conhecidos por analistas de informação, repórteres ou correspondentes) recolhem informação, e distribuem-na para que possamos estar informados sobre acontecimentos locais, nacionais e internacionais. Eles também podem apresentar os seus pontos de vista em assuntos correntes e informar sobre actividades do Governo, funcionários públicos, executivos empresariais, grupos de interesse, os media, e aqueles que detém poder ou autoridade social. O Jornalismo é descrito como o Quarto Poder.

Traduzido da Wikipedia

Para já, e por este ponto de vista, há muita coisa que é considerada como jornalismo que não o podia ser. Mas o assunto não é esse. O que sempre assustou os detractores do Jornalismo do Cidadão foi a possível falta de qualidade e a parcialidade dos relatos jornalísticos enviados por não-profissionais. Isto vindo de uma indústria que tem vivido da reprodução de press releases. Não é uma questão de formação, temos cientistas, economistas, advogados etc, a fazer jornalismo. Não é uma questão de contrato com uma empresa de comunicação, pois muitos jornalistas profissionais estão em situações precárias ou desenvolvem o seu trabalho por conta própria. Como é que se pode caracterizar então o Jornalismo do Cidadão?

A possibilidade de uma participação mais activa junto dos orgãos de comunicação surge com a revolução tecnológica da democratização de equipamentos de recolha e distribuição de informação. Ou seja, quando se pode tirar fotos e escrever um texto e colocá-los na web no espaço de minutos e sem grandes custos. Assim que se pode distribuir conteúdos para uma grande audiência sem recorrer aos canais tradicionais, surgiu a possibilidade de fazer  Jornalismo do Cidadão. Esta é apenas a  parte logística que permitiu ao utilizador comum fazer jornalismo, o que não quer dizer que o faça, claro. O que define o acto de Jornalismo por cidadãos é exactamente o mesmo que define o Jornalismo tradicional, mas com características particulares.

Características do Jornalismo do Cidadão

  • É casual, quem exerce o acto jornalístico pode fazê-lo apenas uma vez na vida.
  • É predominantemente espontâneo, não sujeito a encomenda ou obrigação profissional. Pode ser causado por uma questão de oportunidade, necessidade pessoal ou responsabilidade social.
  • É desorganizado/não sistematizado- aqui pode ser em maior ou menor grau, a especialização numa profissão implica a aprendizagem de um método, que o jornalista-cidadão  pode ou não dominar.
  • Está relacionado com a realidade próxima do jornalista-cidadão, seja a nivel geográfico, emocional, cultural, logo existe um certo grau de parcialidade (mas como já vimos, a imparcialidade não existe  objectivamente no jornalismo tradicional).
  • Está fora da agenda noticiosa tradicional. À excepção de calamidades, atentados, ou outros eventos de grande repercussão, o Jornalismo do Cidadão tem tendência a reflectir realidades, assuntos, ou perspectivas ausentes da cobertura mediática.
  • Pode ser feito por pessoas com mais conhecimento específico sobre um determinado assunto do que um jornalista (que é o que acontece muitas vezes, não se pode saber tudo).
  • O objectivo não é uma remuneração, mas apenas o acto de informar.

Tendo em conta estas características e  o volume de conteúdos criados, podemos nós continuar a negar a existência de um verdadeiro jornalismo feito por cidadãos comuns? Não defendo que existe sem defeitos, nem que seja melhor do que o jornalismo feito por profissionais, mas também não defendo que muito trabalho profissional é melhor que alguns casos de jornalismo do cidadão. Os jornalistas são profissionais pagos, especialistas na recolha, construção e distribuição de conteúdos e o seu papel – sempre que for bem desempenhado – é inquestionável nesta sociedade de informação em massa.

Que outras características vocês acham que podem definir o Jornalismo do Cidadão? Será apenas uma forma encapotada de obter conteúdos gratuitos por parte das empresas de comunicação? Existe realmente ou não?

Citizen journalism

From Wikipedia, the free encyclopedia

Citizen journalism, also known as public or participatory journalism or democratic journalism, is the act of non-professionals “playing an active role in the process of collecting, reporting, analyzing and disseminating news and information,” according to the seminal report We Media: How Audiences are Shaping the Future of News and Information, by Shayne Bowman and Chris Willis. They say, “The intent of this participation is to provide independent, reliable, accurate, wide-ranging and relevant information that a democracy requires.” Citizen journalism should not be confused with civic journalism, which is practiced by professional journalists. Citizen journalism is a specific form of citizen media as well as user generated content.

Mark Glasser, a longtime freelance journalist who frequently writes on new media issues, gets to the heart of it:

The idea behind citizen journalism is that people without professional journalism training can use the tools of modern technology and the global distribution of the Internet to create, augment or fact-check media on their own or in collaboration with others. For example, you might write about a city council meeting on your blog or in an online forum. Or you could fact-check a newspaper article from the mainstream media and point out factual errors or bias on your blog. Or you might snap a digital photo of a newsworthy event happening in your town and post it online. Or you might videotape a similar event and post it on a site such as YouTube.

Wikipedia

Continue a ler ‘Features of Citizen Journalism | Características do Jornalismo do Cidadão’

17
Dez
08

68 journalists killed in 2008 | 68 jornalistas mortos em 2008

comitte to protect journalists map

In a time when all the arguments about journalism revolve around the business, technology and some ego insecurity, it is good to remember that the “business” is all about people, for people, made by people. And sometimes the price to pay for the freedom to inform is supreme.

The names that have a life behind them can be found here.

Numa altura em que a discussão sobre o jornalismo gira à volta do negócio, da tecnologia e das inseguranças de alguns egos, é bom lembrar que o “negócio” é sobre  pessoas, para pessoas, feitas por pessoas. E por vezes, o preço a pagar pela liberdade de informar é supremo.

Os nomes que têm uma vida por trás podem ser lidos aqui.

Via Público.pt

Media employees killed in 2008

Continue a ler ’68 journalists killed in 2008 | 68 jornalistas mortos em 2008′

17
Dez
08

Links for today | Links para hoje

Some more links that have been piling up these last days  | Mais alguns links do monte que se juntou nos últimos dias

Alguém está a fazer algum estudo deste tipo em Portugal?

Legendary British reporter is interviewed for the portuguese magazine Ipsilon:

“Never use the Internet”, advised old Fisk, and no one is sure if he was talking serious. “If people read it all on the Internet, they’ll stop buying newspapers, that no longer will afford to pay special correspondents just like me.”

O lendário repórter britânico em entrevista  na Ipsilon:

“Nunca usem a Internet”, aconselhou o velho Fisk, e ninguém tem a certeza de ele estar a falar a sério. “Se as pessoas lerem tudo na Internet, deixarão de comprar os jornais, que deixarão de ter dinheiro para pagar a enviados especiais como eu.”

As was pointed out at Ditchley Park, journalism already is subsidised: the Guardian has its Scott Trust, the Times its mogul, the Washington Post a profitable education company, the Telegraph its sales of wine, local papers their council ads, and everybody has – had – classified ads. So is there a true market demand for quality journalism or is it already a charity or public utility?

2008 witnessed an explosion in the ways we gather, share and consume news and information. No longer the preserve of a few, participatory media formats began to be widely used by anyone – whether protesters or politicians, concerned individuals or mainstream news outlets – wanting to get their message out and connect.

via Reportr.net

We’re witnessing an emerging trend online towards more social tools. People are sharing photos, videos, and music online. Friends are even sharing minute details of their lives on social networking sites such as Twitter and Facebook. Yet one aspect of people’s lives — what you do while sitting in front of your computer — has yet to migrate to the social realm. With our CoScripter project, we aim to change that, through the idea of social scripting.

CoScripter website


Dig into the numbers, though, and you’ll find “journalism” can be a misleading label. Most people studying journalism and mass communication aren’t interested in careers as old-school newshounds sniffing out scandals for newspapers, magazines and TV stations.

Some study the news as a liberal arts subject like English, and then head off to law school. Other J-school grads become public relations people who shape the news or advertising people who create the commercials that pay for it.

“They recognize that there are lots of opportunities to do things on the Web,” said Lee Becker, a University of Georgia professor who tracks their job prospects. Data show “students are optimistic that their communication skills are going to serve them well in the future. And I think they’re correct.”

There have never been more talented journalists ready and eager to help chart the future of journalism. If you have the skills and desire to be a part of this great transition, you should have a job that will put you front and center.

Publish2 has launched the “I Am the Future of Journalism” Contest to help journalists like you get noticed. The prize is a job with Publish2, plus a $1,000 signing bonus. We’ll also get your entry in front of media companies, news organizations, journalism associations, and industry leaders who have their eyes on finding and grooming top talent.

Journalists of all ages, skill sets, and backgrounds are encouraged to enter. Tell us, your peers, and industry leaders why you are the future of journalism.

This is a guest post by Anita Bruzzese

I have a lot of fun reading blogs and often learn a lot. But as a trained journalist, sometimes I see things in a blogger’s copy that bugs me a bit, and sometimes I read stuff that makes me cringe. Some of it just confuses me, and some of it appalls me. So, when Chris asked me to write a guest post on what bloggers can learn from journalists, I decided to make a list…

Continue a ler ‘Links for today | Links para hoje’

16
Dez
08

Journalism.co.uk: Estou no Best of the journalism blogs | I’m at the Best of the journalism blogs

Jeff who?

Jeff who?

Recebi um email do Journalism.co.uk a informar-me que o meu modesto blog passou a figurar na sua lista do melhor dos blogs de jornalismo. Este é só um dos meus sites de referência na área. Nada mau para quem esteve para desistir do jornalismo e anda a formar-se por conta própria, sem trabalho e com uma licenciatura do século passado. Obrigado, afinal parece que há mesmo Natal.

I got an email from Journalism.co.uk letting me know that this modest blog is now part of their Best of the journalism blogs list. This is just one of my favorite websites about the business. Not bad for someone who almost quit journalism, that has no job and is learning on his own, with a last century degree.

Thank you, after all there is a Christmas.

PS: uh…it´s  GAMELA…not GamelO….ok…i can live with that… Alexandre who?

Continue a ler ‘Journalism.co.uk: Estou no Best of the journalism blogs | I’m at the Best of the journalism blogs’

16
Dez
08

O Futuro dos jornais do futuro e de agora | The future of of today’s and tomorrow’s newspapers

A Seismonaut é uma empresa de inovação e consultadoria, especialmente aos novos media e negócios digitais. Dois dos seus colaboradores fizeram uma apresentação no Danish International Media Festival sobre o futuro dos jornais. Muito do que aqui está foi também falado no Congresso de Ciberjornalismo no Porto, mas é um excelente resumo. De todos estes slides chamo a atenção para o 40 e 42.

Seismonaut is a innovation and consultancy company, especially directed towards new media and digital business. Two of its collaborators made a presentation at the Danish International Media Festival about the future of newspapers. Much of what is showed here was also discussed at the Cyberjournalism Congress in Porto, but it is an excellent unrelated  summary. From all of the slides i highlight number 40 and 42.

It’s a pretty thankless job to come up with fluffy predictions, which is why we chose to lean on William Gibson’s classic quote about how the “future is already here, it’s just unevenly distributed.” That means we wanted to give the audience some sign posts of a near-future media scenario, when it comes to technology, content, journalistic roles and the editorial process. I won’t get into much detail here, but take a look at our slides and feel free to comment if you want more perspective.

What does the future of the newspaper hold?

Continue a ler ‘O Futuro dos jornais do futuro e de agora | The future of of today’s and tomorrow’s newspapers’

16
Dez
08

Vista sobre um congresso

congresso-002A convergência foi o principal tema do I Congresso Internacional de Ciberjornalismo, a que assisti nos dias 11 e 12 de Dezembro, no Porto. Como o programa foi muito extenso (no total foram quase 20 horas de congresso em dois dias) não vou ser exaustivo no que foi discutido, mas podem ter mais pormenores no blog do congresso, na cobertura via Twitter e no JPN. As fotos que tirei estão aqui.

Dia 1

O primeiro destaque vai para Ramon Salaverria, que foi apresentar a sua análise de casos paradigmáticos  de convergência em quatro grupos de comunicação, tema que é abordado no seu livro que está para ser lançado , intitulado “Integrated Journalism”.

Salaverria defendeu que a convergência é um processo dinâmico, e que não é o mesmo que integração, que acaba por ser um resultado eventual dessa convergência. Todo esse processo implica várias esferas, desde a empresarial à tecnológica, como da profissional à dos conteúdos.  O que fica é a marca e o conteúdo onde antes se dava o valor ao meio, apesar do “meio” ser agora um dos principais desafios para os produtores de conteúdos .  O investigador da Universidade de Navarra disse ainda que “a convergência não é a panaceia para todos os males”.

O primeiro dos cinco painéis dedicados  a apresentações mais curtas – e que no geral precisavam de mais tempo para serem melhor degustadas – foi dedicado aos desafios da convergência. Houve as perspectivas práticas de Sérgio Gomes  do Público.pt e de Nuno Vargas sobre a remodelação do  JN Online, dois trabalhos sobre comunicação individual e a participação dos utilizadores nos media digitais, de Catarina RodriguesLuís Miguel Loureiro (que me parece estar a fazer uma tese muito interessante). Pelo meio foi apresentado o Verbatim, uma ferramenta de recolha de citações,  com utilidade óbvia para investigação, criada  por Luís Sarmento (NIAD&R) e Sérgio Nunes (FEUP) no contexto de uma colaboração entre a Universidade do Porto e o SAPO Labs.

A sessão da manhã foi encerrada com a apresentação dos resultados da tese de Hélder Bastos, que se propôs a definir as características dos ciberjornalistas portugueses, e, por consequência, o estado do jornalismo online em Portugal (a ler, a entrevista que  me concedeu em Fevereiro). Das diversas conclusões que se tiram do trabalho de Hélder Bastos, o que se nota é uma minoria a carregar o futuro às costas, mas como ele disse “quando não há dinheiro, não há milagres.”

Beth Saad, da Universidade de S.Paulo, fez uma apresentação muito completa sobre o ciberjornalismo e que impacto têm as ferramentas de média social, que é o mesmo que dizer, como jornalistas e utilizadores se relacionam no jornalismo actual. Ambos os papéis estão em evolução, e a entrar em territórios que  eram exclusivos, o que leva à perca de controlo sobre os conteúdos por parte dos media. As mudanças começam nos utilizadores mas prosseguem nos jornalistas e nas empresas. Isto faz parte, segundo Saad, de um processo colectivo de mudança cultural.  Beth Saad colabora no blog Intermezzo.

Seguiram-se os painéis 2 e 3, que tiveram 13 apresentações em 3 horas. Ora como a opção foi apresentar tudo na mesma sala em vez de ter sessões paralelas, é difícil poder falar em pormenor de qualquer uma delas, apesar de ir fazer um esforço em tentar obter os papers e slideshows das que mais me interessaram. Nesse aspecto praticamente todos os participantes se mostraram disponíveis para partilharem esses ficheiros, o que permitirá uma melhor apreciação do seu trabalho. Dez minutos era manifestamente pouco, e nada se faz bem a correr, a não ser correr mesmo.

A piéce de resistance do dia acabou por ser a intervenção de João Canavilhas, da Universidade da Beira Interior. Eu, do que conheço do trabalho de Canavilhas, não me senti minimamente defraudado com a sua conferência. É um investigador brilhante e pouco ortodoxo, e conseguiu cativar uma audiência cansada, com os seus “5 W & 1 H para o jornalismo na web”.  Podem ler um resumo da sua intervenção aqui, mas vejam também o vídeo abaixo.

Canavilhas não vai em modas e disse que o jornalismo do cidadão não existia, comparando o Guggenheim do arquitecto Frank Gehry e um bairro de lata: “Isto é arquitectura do cidadão?” O efeito cómico foi excelente, e foi eficaz na definição da perspectiva de Canavilhas, que fundamentou claramente porque é que acha que o jornalismo do cidadão não existe. Eu discordo, claro. Amigos na mesma. Essa vai ser aliás uma das questões que lhe vou ter que fazer quando o entrevistar (estou para o fazer desde a Páscoa…). Foi-lhe atribuída uma citação que acho que está incorrecta, ou pelo menos, descontextualizada. No JPN é citado “os jovens lêem cada vez menos”, mas creio que ele estava a referir-se a formatos: “menos em papel”. Nunca se consumiu tanta informação escrita como hoje. Agora se ele se estava a referir a ler com olhos de gente isso é outra história.

No final do dia – que já ia longo – Fernando Zamith lançou o seu livro “Ciberjornalismo – As potencialidades da Internet  nos sites noticiosos portugueses”, uma obra que analisa a real utilização dos meios digitais em Portugal pelos media, e que é a materialização da sua investigação nos últimos anos.

convite_livro_c.jpg

Dia 2

O segundo dia começou com a presença virtual de Hamlet Au, o repórter do Second Life. Na realidade, Hamlet Au é o avatar de Wagner James Au, que nos explicou através da moderação de  Paulo Frias, da Universidade do Porto,  como faz jornalismo no mundo virtual do Second Life, quais são as suas dificuldades e porque é que é um meio tão interessante para desenvolver a sua actividade.

Paulo Frias em diálogo com Hamlet Au

A seguir, mais dois painéis a correr, um dedicado a Jornalismo e Bloguismo, o segundo a Inovação e empreendedorismo. Deste destaco a apresentação do projecto  ogolo.pt, um site desportivo exclusivamente online desenvolvido por três alunos da UP, e que será lançado logo no dia 1 de Janeiro de 2009. A ter em atenção.

Para acabar a manhã em beleza Mário Tascón (Dixiered, 233grados.com – que é o mesmo que dizer Fahrenheit 451) fez uma apresentação excelente sobre o futuro dos e os jornais do futuro, cujo resumo pode ser lido aqui. Entre referências à campanha de Barack Obama usando ferramentas de social media e que futuro irá dar à comunidade que criou online (que eu anotei no meu caderno como a era 2.0bama), Tascón levantou um pouco o véu sobre o seu novo projecto, o Proyecto i, ainda no segredo dos deuses.

Depois de almoço Fernando Zamith apresentou com Catarina Osório os resultados do seu estudo sobre o uso de ferramentas web pelos sites noticiosos portugueses. Parece que o panorama geral melhorou, mas ainda há muito a fazer. Os parâmetros eram semelhantes ao Índice de Interactividade que fiz para o OJB.

A seguir foi a entrega dos Primeiros Prémios de Ciberjornalismo. Tinha duas amigas nomeadas, e uma ganhou, foi a Sandra Oliveira do Público, na categoria de Breaking News com o assalto ao BES. As imagens foram usadas por muita gente que não atribuiu o crédito ao Público.pt quando passaram as imagens. É um precedente grave e uma enorme falta de respeito. Mas cada um monta os telhados de vidro que quiser. Os meus parabéns para a Sandra. Aqui ficam os vencedores:

Sérgio Gomes do Público.pt recebe o prémio de Excelência Geral em Ciberjornalismo

Mark Deuze via Skype

Mark Deuze ligou-se em directo via Skype para falar de “Jornalismo e Novos Média: Talento, não Tecnologia”  (leiam o resumo), e que partilhou uma história fantástica sobre o Público Online,que se alguma vez puderem, peçam para vos contar. A frase dele que mais ressoou foi: “qualquer jornalista feliz e apaixonado pelo seu trabalho vai produzir notícias melhores e mais relevantes para a comunidade” e aconselha sempre os seus alunos a “não tirarem cursos que os façam empregados de uma organização noticiosa, mas sim que os façam criar o seu próprio projecto”.

Para terminar em beleza, o congresso terminou com a apresentação de Rosental Alves, o professor  da Universidade do Texas-Austin, que deu o workshop de Jornalismo Digital a que assisti em Junho, no Summer Institute. Numa conversa prévia o professor Rosental já me tinha avisado que eu conhecia a matéria, mas aprende-se sempre algo de novo. Para além do conteúdo científico, a forma como a conferência é apresentada – de forma descontraída e bem disposta, cheia de provocações especialmente dirigidas a João Canavilhas por causa do jornalismo do cidadão –  fez com que fosse o melhor final para um Congresso de óptima qualidade.

No encerramento, Fernando Zamith, como organizador , não se quis comprometer com a realização de um segundo congresso para o ano, mas existe vontade e também necessidade de se realizarem mais eventos deste tipo. Eu por mim volto lá.

Notas finais

O que posso concluir destes dias na bela cidade do Porto é que há sinais de mudança no panorama jornalístico português, uma mudança tímida e insegura, mas que está a ser feita por professores, alguns profissionais, e muito poucas empresas. Pode-se dizer que há realmente quem faça um verdadeiro jornalismo online e de convergência em Portugal? Contam-se pelos dedos de uma mão.  Há muito para fazer, mas é preciso que os directores e os proprietários conheçam estas novas realidades. E eu não vi ninguém lá  que não estivesse de certa forma já ligado ao ciberjornalismo.

Foi também uma oportunidade de (re)encontrar algumas pessoas, como o Hélder Bastos e o professor Rosental Alves, mas o tempo foi curto. Mesmo assim houve tempo para ouvir alguns conselhos, que eu agradeço. No fundo não me deixei de sentir um outsider devido ao meu percurso profissional acidentado e ao facto de não ser um académico, mas não quero dizer que isso é mau. Discordei com muita coisa que foi dita e vi apresentações que para mim já não se aplicam à realidade que está mesmo aí. Estarei errado ou apenas mais à frente? Não me interessa, apenas estou.

Tenho que agradecer aos meus amigos que me receberam em casa deles para comer, beber e dormir,  e à Vanessa Quitério, que foi de Coimbra para assistir ao congresso no Porto, e que foi a minha companhia por lá nesses dois dias. Graças a ela e ao seu portátil pude twittar parte do congresso (obrigado Vanessa!). É um exemplo que fazer amigos nas redes sociais pode ser positivo. Ainda fomos ao Nortweeters mas foi mesmo assim de repente. Para a próxima vez tem de ser com mais calma…

Fico à espera do próximo.

15
Dez
08

Jon Stewart: O fim dos jornais | The end of newspapers

no comments

Continue a ler ‘Jon Stewart: O fim dos jornais | The end of newspapers’




I moved | Mudei-me

140char

Sharks patrol these waters

  • 120,785 nadadores|swimmers
who's online

Add to Technorati Favorites

View my FriendFeed



Twitter

Add to Technorati Favorites Creative Commons License

Naymz | LinkedIn

View Alex Gamela's profile on LinkedIn

View Alex Gamela's page at wiredjournalists.com


Videocast

a

Ouçam o meu podcast AQUI | Listen to my podcast HERE |


My del.icio.us

Use Open Source

LastFM

 

Dezembro 2008
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.